Escolha as suas informações

Seleccionador nacional de futebol ao CONTACTO: Fernando Santos diz que quer conquistar o título europeu
.

Seleccionador nacional de futebol ao CONTACTO: Fernando Santos diz que quer conquistar o título europeu

LUSA
.
Desporto 6 min. 19.11.2014

Seleccionador nacional de futebol ao CONTACTO: Fernando Santos diz que quer conquistar o título europeu

Fernando Santos está a dar os primeiros passos na selecção, mas demonstra uma confiança cega quanto ao apuramento de Portugal para o Europeu. Alcançou duas vitórias que considera indispensáveis para a estabilização da equipa, tendo promovido regressos e estreias porque entende que a qualidade não tem idade.

Fernando Santos está a dar os primeiros passos na selecção, mas demonstra uma confiança cega quanto ao apuramento de Portugal para o Europeu. Alcançou duas vitórias que considera indispensáveis para a estabilização da equipa, tendo promovido regressos e estreias porque entende que a qualidade não tem idade.

Fernando Santos acredita que Portugal pode conquistar o Europeu em França e assume que a equipa das “quinas” vai lutar por esse objectivo. Santos diz sentir-se mais do que nunca acarinhado pelo povo português e pelos adeptos do futebol e quer continuar por muitos anos a servir o seu país.

Fernando Santos considerou ”justa e merecida” a vitória contra a Arménia, a sua primeira como seleccionador em solo português e diz que se sentiu “muito feliz” por ter vencido no Algarve. Em entrevista exclsuiva com o CONTACTO, Fernando Santos disse estar muito grato ao público que encheu o estádio do Algarve, considerando-o “incrível no apoio à selecção” e “fundamental na obtenção da vitória”.

Depois de derrotar um adversário que considerou “muito difícil” e que “veio defender com muitos jogadores e apenas espreitar o contra-ataque”, Fernando Santos lembrou que “vencer a Sérvia será fundamental para abrir as portas da qualificação” e que o grande objectivo desta fase de qualificação é terminar no “primeiro lugar do grupo”.

“São as vitórias que dão estabilidade à equipa e ao grupo”, disse ao CONTACTO.

“Tivemos paciência para encontrar a melhor forma de ultrapassar o adversário e isso foi importante”, acrescentando que a equipa “tem de continuar a trabalhar para melhorar e tentar vencer cada jogo desta campanha de apuramento. É o que queremos. Para alcançar esse objectivo é preciso subir degrau a degrau”.

“A vitória na Dinamarca foi excelente para nós e se juntarmos os três pontos conseguidos frente à Arménia, as coisas melhoraram substancialmente. Mas não nos podemos distrair com isso”, alerta.

“O apuramento ficou mais perto, mas não será fácil”, avisa Fernando Santos, para quem a qualificação para o Euro 2016 ainda não está garantida.  Estamos no segundo lugar da classificação, com menos um jogo, mas importa não esquecer que temos apenas seis pontos. Neste momento, vamos aproveitar ter lançado a base para chegar ao que é normal na selecção portuguesa: conseguir conciliar o resultado com as exibições”, defende.

“PARA MIM, A QUALIDADE NÃO TEM IDADE”

Fernando Santos promoveu regressos e algumas estreias, porque considera que “Portugal necessita de todos aqueles que estão empenhados em dar o seu melhor em prol da equipa e do nosso país”.

No jogo frente à Arménia, Santos escolheu uma equipa com nada menos do que seis jogadores com mais de 30 anos: Bosingwa, Pepe, Ricardo Carvalho, Tiago, Danny e Hélder Postiga, contrastando com a juventude de Rafael Guerreiro (de 20 anos de idade), que se exibiu em grande plano.

“Para mim, a qualidade não tem idade”, assume sem qualquer receio, justificando: “Comigo, entram sempre em campo aqueles que eu considerar que no momento estão em melhores condições de jogar e defender os interesses da equipa.

Frente à Arménia estiveram jogadores que não tinham tido a oportunidade de jogar frente à Dinamarca”, explicando de seguida que “como só jogamos frente à Sérvia em Março, nessa altura talvez convoque outros jogadores que neste jogo não estiveram presentes”, sublinha.

“Tenho total confiança nos meus jogadores”, garante. “Com este grupo e mais uns quantos elementos que têm todas as condições para serem chamados posso dormir tranquilo”, assegurou o seleccionador ao CONTACTO.

“O ambiente no seio do grupo é muito bom”, garante Fernando Santos, que confessou estar a concretizar “um sonho” e estar também “em total sintonia” com “o projecto e dinâmica” da actual direcção da Federação Portuguesa de Futebol.

“Venho para somar, não para dividir, tal como revelei no dia em que assumi o comando da selecção”, diz com convicção.

“Cada vez conheço melhor os jogadores. Sinto que a cada dia que passa o empenhamento deles em dar o seu melhor em prol da selecção vai ganhando maior expressão. Sinto que há um ambiente muito bom e não tenho dúvidas que isso já existia na equipa nacional antes. O ambiente é realmente bom e as coisas assim acabam naturalmente por tornar-se mais fáceis em todos os aspectos. Não foi preciso fazer nenhum trabalho psicológico com os jogadores”, revela.

“Aos poucos vamos percebendo melhor os jogadores e já vamos sabendo os que gostam mais de ser mimados, de levar umas porradas e também há aqueles que ficam com azia por não jogar, mas esses têm que ir à farmácia comprar um Kompensan”, lança com um sorriso.

“O futebol é mesmo assim. Mas ao mesmo tempo tenho a sorte de poder escolher os melhores jogadores portugueses para virem à selecção e isso é um grande privilégio”, considera.

CONQUISTA DO TÍTULO NO CAMPEONATO EUROPEU É UMA AMBIÇÃO PESSOAL

Fernando Santos afirmou ainda que acredita que Portugal pode conquistar o Europeu 2016 de futebol, garantindo que a equipa das “quinas” vai “lutar por esse objectivo” e está “muito concentrada nele”.

Em recente entrevista à Rádio Renascença, o treinador luso classificou Cristiano Ronaldo como um “ganhador por excelência” e espera, com o capitão da selecção, “conquistar pela primeira vez um título para Portugal”.

“É uma ambição pessoal chegar ao Campeonato Europeu de França. Claro que eu quero ganhar e os jogadores também o querem muito”, assegura ao nosso jornal. “Vamos lutar por isso. Acredito sinceramente que é possível. Se é possível para os outros, porque não para nós? Vamos lutar por esse objectivo e estamos muito centrados nele”, afirmou convictamente o seleccionador.

As pazes entre a selecção e o público parece estarem feitas. O trabalho de Fernando Santos foi fundamental e o selecccionador reconhece isso mesmo.

“Sinto um grande carinho em torno da selecção. As pessoas têm sido extraordinárias e isso é muito importante. Confesso que depois de tantos anos este é o momento em que me sinto mais acarinhado pelo público e as pessoas do futebol”, congratulou-se. “Para mim é uma honra e uma satisfação muito grande treinar o meu país. Assumi este cargo com grande empenho e dedicação e vou cá estar até que me sinta bem, que a minha presença aqui possa contribuir para a evolução da selecção e do futebol nacional, e evidentemente que os dirigentes me queiram também”, rematou.

Á. Cruz


Notícias relacionadas