Escolha as suas informações

Rúben Semedo: da prisão à realização do sonho da seleção
Desporto 8 min. 09.10.2019

Rúben Semedo: da prisão à realização do sonho da seleção

Rúben Semedo: da prisão à realização do sonho da seleção

LUSA
Desporto 8 min. 09.10.2019

Rúben Semedo: da prisão à realização do sonho da seleção

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Há 15 meses esteve preso em Espanha. Diz que agora é um homem melhor. Amanhã pode estrear-se contra o Luxemburgo. Os seus antigos treinadores estão a apostar nele, dizem ao Contacto.

Estádio José Alvalade, sexta-feira, 19h45. É esta a hora do apito para o início do jogo da seleção das quinas contra os luxemburgueses. E vai estar casa cheia, pois os bilhetes estão esgotados.

Se o selecionador Fernando Santos escolher Rúben Semedo para entrar em campo, a emoção do defesa central vai ser grande.

A sua estreia na seleção nacional é a realização de um sonho de menino e a acontecer amanhã será num estádio que lhe é muito especial, pois foi a este clube que chegou adolescente, com 15 anos, e dali saiu um futebolista feito, “ambicioso” e “com futuro”.

Foto de parte da equipa das quinas ontem nos treinos divulgada por Rúben Semedo na sua conta de instagram.
Foto de parte da equipa das quinas ontem nos treinos divulgada por Rúben Semedo na sua conta de instagram.

E a carreira de Rúben Semedo, (central do Olympiacos) corria bem, até há ano e meio, quando aos 24 anos, a jogar no clube espanhol Villarreal, a sua vida derrapou e foi preso.

Em outubro e novembro de 2017 já tinha sido detido duas vezes por desacatos e agressões à saída de uma discoteca. Mas daquela vez foi mesmo parar à prisão.

Esteve cinco meses detido, em preventiva, por perigo de fuga. Sobre ele recaíam um rol de suspeitas de crimes, incluindo sequestro, tentativa de homicídio, agressão e posse de arma ilegal, entre outros.

O jogador a ser levado para a esquadra, em Espanha.
O jogador a ser levado para a esquadra, em Espanha.
Foto: AFP

Pagou uma fiança e foi libertado, em julho do ano passado.

“Deixar a prisão foi nascer outra vez”

"Confiei em quem não devia e por isso tive o final que tive”, assumiu o jogador numa entrevista ao jornal desportivo A Bola, em abril. Admitiu estar “arrependido” e que o mau momento passou lhe serviu “de aprendizagem”.

“Fez-me ser melhor homem, melhor pai. Fez-me ser melhor filho e dar valor à minha mãe. Estava preso e vi a minha mãe a chorar na televisão. Nenhum filho quer isso, dar essa tristeza à sua mãe. Deixar a prisão foi nascer outra vez", declarou Rúben Semedo nessa entrevista.

“Sofri muito”

Rúben Semedo confessou que “sofreu muito” naqueles cinco meses passados na prisão. "Chorei muitas vezes na prisão. Nunca chorei à frente de ninguém, mas muitas vezes deitava-me, não conseguia dormir, só pensava nos meus filhos, no sofrimento da minha família. Faz-te pensar se realmente vale a pena abdicares de passar tempo com a tua família para passar tempo com pessoas que não querem o teu bem e seguir caminhos que não te vão levar a lado nenhum. Sofri muito, e sim, passei muitas noites a chorar”.

A mensagem do selecionador

Voltou ao futebol, mas o fantasma da prisão foi difícil desaparecer. Até agora.

Até Fernando Santos o convocar e realizar o seu maior sonho: fazer parte da equipa das quinas.

O jovem do Olympiacos feliz com os colegas da seleção a preparar-se para o jogo com o Luxemburgo.
O jovem do Olympiacos feliz com os colegas da seleção a preparar-se para o jogo com o Luxemburgo.
LUSA

Agora, Rúben Semedo sabe que o pontapé que deu na sua vida em Espanha e o pôs fora de jogo, com expulsão para a prisão, é um caso encerrado na sua carreira profissional.

O selecionador chamou-lhe “um percalço” na vida do português e convocou-o para os jogos de qualificação para o Euro2020 com o Luxemburgo e a Ucrânia.

"Acho que não é um por um percalço que acontece na vida que as pessoas não têm direito a viver e a seguir o seu caminho. Ele soube reagir, soube estar, está a fazer uma prova muito boa no Olympiacos. Na última vez esteve perto da convocatória, mas por lesão não foi chamado. Seguramente já ultrapassou isso."

A mesma opinião têm o seu atual treinador, Pedro Martins, do clube grego, e dois dos seus primeiros ‘misters’ com quem o Contacto falou, Tiago Capaz que lhe ensinou as primeiras táticas nos sub-16 do Sporting, e Quim Machado, que na época estava aos comandos do Vitória de Setúbal, onde Rúben Semedo chegou com 21 anos, emprestado pelo Sporting.

Os elogios de Quim Machado

No jogo de amanhã, Quim Machado vai estar a torcer por Portugal, mas confessa que sente um “carinho especial” pela seleção do Luxemburgo.

O treinador Quim Machado que entre 2001 e 2003 jogou como futebolista no Dudelange.
O treinador Quim Machado que entre 2001 e 2003 jogou como futebolista no Dudelange.

O agora treinador, que está numa pausa entre clubes, foi jogador do Dudelange, entre 2001 e 2003, tendo sido campeão ao serviço do clube do Grão-Ducado.

Do país e dos portugueses aqui residentes, “onde ainda tenho amigos, ficou uma simpatia e um sentimento especial”, confessa.

Também Rúben Semedo o marcou quando então com 20/21 anos chegou ao Vitória de Setúbal, emprestado pelo Sporting. Antes o jogador tinha estado no Sporting B e foi emprestado ao clube espanhol CF Reus. Daí regressou ao Sporting, estreou-se na equipa principal e foi emprestado ao Vitória de Setúbal. Até que Jorge Jesus, na época treinador do Sporting, “viu nele potencial” e foi buscá-lo em 2017, recorda Quim Machado.

“Um miúdo muito ambicioso”

“Era um miúdo impecável, muito exigente com ele próprio, muito ambicioso e que levava os treinos muito a sério”, recorda ao Contacto Quim Machado, salientando que, nessa altura, o jovem fez uma boa temporada ao serviço do clube sadino. Quim Machado lembra que, nessa altura, e fora do campo, Rúben Semedo tinha a fama de ser “um pouco rebelde”, mas assegura nuca ter tido “qualquer problema com ele”.

Por isso, e por aquilo que conhecia do jovem futebolista, Quim Machado ficou muito surpreendido com a prisão: “Nunca me passaria pela cabeça que o Rúben se pudesse envolver numa situação dessas. Foi uma grande surpresa”.

“Ele já pagou pelo que fez”

Porém, tal como Fernando Santos, o treinador defende que   Rúben Semedo, tal como outra pessoa qualquer, “merece uma segunda oportunidade”. 

“Ele já pagou pelo que fez”, vinca Quim Machado, lembrando que “por vezes, na progressão da sua carreira, jovens como Rúben cruzam-se com quem não deviam e envolvem-se em situações complicadas”.

“Mas acho que ele aprendeu a lição. Como jogador ele tem qualidade, a época está a correr bem e merece estar ao serviço da seleção”, defende Quim Machado.

“Ele como titular foi crescendo, era muito profissional e esta maneira de ser levou-o a chegar onde está e a ser o jogador que é hoje”, vinca este treinador, para quem Rúben Semedo vai fazer “um bom trabalho na seleção”.

Além de Rúben, também Rafa e Suk foram outros dos jogadores que Quim Machado treinou e ajudou no caminho para uma carreira de sucesso.

O jogador no Olympiacos.
O jogador no Olympiacos.

O sonho da seleção

A mesma certeza de que Rúben irá “ter um bom desempenho” na equipa das Quinas tem Tiago Capaz, que o orientou ainda mais cedo, no Sporting.

Tiago Capaz que foi treinador de Rúben Semedo dos sub-16, no Sporting e que agora é selecionador adjunto da Selecção de Futebol de Moçambique.
Tiago Capaz que foi treinador de Rúben Semedo dos sub-16, no Sporting e que agora é selecionador adjunto da Selecção de Futebol de Moçambique.

Tinha na altura 15 anos e entrou para a equipa dos sub-16, vindo do Futebol Benfica, recorda. “Como defesa central possuía uma estampa física impressionante e tinha muita margem de progressão, que veio a ser fundamental nos anos seguintes com a aprendizagem do modelo de jogo e evolução das suas capacidades como jogador”, conta ao Contacto Tiago Capaz desde Maputo, pois atualmente é selecionador adjunto de Moçambique.

 Este treinador lembra-se que o sonho de Rúben era “jogar na equipa principal do Sporting” e quando o conseguiu, elevou a fasquia e o desejo de pertencer à “seleção nacional era o passo seguinte”.  Que “com grande satisfação minha, veio a concretizar-se neste momento”, afirma Tiago Capaz.

 Direito a segunda oportunidade

Tal como o selecionador nacional e Quim Machado, este treinador considera que este central do Olympiacos “já superou” a fase negra que viveu.

“Por vezes os jogadores são mal aconselhados por pessoas que estão perto deles com interesses próprios, criando-lhes problemas”, refere Tiago Capaz, para quem o futebolista já os conseguiu superar. Tudo o que passou “serviu de aprendizagem para a vida”, diz o técnico frisando: “Todos temos direito a uma segunda oportunidade e penso que o Rúben vai agarrá-la com todas as forças”.

Afinal, a seleção nacional “é um patamar de excelência, com excelentes jogadores, em que um pequeno detalhe pode fazer a diferença”.

 “Bom desempenho”

Atualmente, o Rúben tem a oportunidade de “estar e evoluir num contexto muito favorável”, considera Tiago Capaz. E avança:  "Penso que se tiver oportunidade de jogar vai ter um bom desempenho”.

 Tiago Capaz não esconde o “orgulho e satisfação” em ver que alguns dos adolescentes que viu crescer “atingiram o sonho de serem jogadores profissionais” e alguns chegaram ao tal “patamar de excelência”.

É o caso de Nani e Cédric Soares, que já jogaram pela seleção nacional, de Eric Dier, que faz parte da seleção inglesa, ou Mário Rui e João Mário, atualmente na equipa das Quinas, a que se junta agora Rúben Semedo.

“É uma mais valia”

Pedro Martins é o treinador do Olympiacos.
Pedro Martins é o treinador do Olympiacos.
AFP

O português Pedro Martins, o treinador de Rúben Semedo no Olympiacos foi dos primeiros a reagir com “muita satisfação” à decisão do selecionador nacional.

“Eu sei que era um dos grandes objetivos que ele tinha”, disse Pedro Martins, em declarações à Rádio Renascença.

 “Há muito tempo que ando a dizer que é um jogador de seleção. É um jogador com enorme potencial. Já não é potencial, é um dado adquirido. A seleção está muito bem servida. Já estava antes, mas com esta mais-valia vai tornar-se ainda mais forte”, salientou este treinador que o levou para o Olympiacos.

“Rúben é um jogador de qualidade e que tem trabalhado muito para chegar à seleção nacional”, confirmou.

Da prisão até à Grécia

 Em 2017, o Sporting vendeu Rúben Semedo, que tinha sido internacional sub-20 e sub-21, ao Villarreal, por 14 milhões de euros. Após a saída da prisão em julho de 2018,  Rúben acabou emprestado pelo "submarino amarelo" na temporada de 2018-19, primeiro ao espanhol Huesca e depois ao Rio Ave. Esta temporada Pedro Martins conseguiu levar o jovem de 25 anos para a sua equipa na Grécia, onde tem feito uma boa prestação ao serviço do Olympiacos. 

Amanhã à noite, Fernando Santos poderá escolhê-lo para fazer parte da equipa que defronta a seleção do Grão-Ducado, em Alvalade, no estádio do clube onde Rúben Semedo começou a sonhar em um dia vestir a camisola das quinas. Só mais perto da hora do jogo vamos saber.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas