Escolha as suas informações

Portugal. Só duas vitórias na Suíça
Desporto 5 min. 12.06.2022 Do nosso arquivo online
Liga das Nações

Portugal. Só duas vitórias na Suíça

Fernando Santos
Liga das Nações

Portugal. Só duas vitórias na Suíça

Fernando Santos
Foto: AFP
Desporto 5 min. 12.06.2022 Do nosso arquivo online
Liga das Nações

Portugal. Só duas vitórias na Suíça

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
Último jogo da época 2021-22 é hoje à noite, em Genebra, para a quarta jornada do grupo 2 da Liga das Nações A.

Alguém explica? A Suíça nunca chega a uma final do Europeu ou do Mundial. Nem ½ final. E continua com um registo melhor vs Portugal. Insistimos, alguém explica? Ao todo, 10 vitórias contra nove. Em casa da Suíça, a vantagem é ainda mais larga, e por escandalosa diferença (7-2). Em golos, outra goleada de impor respeito (21:12). Só mais uma vez: alguém explica?

Ninguém. Por isso mesmo, Portugal está obrigado a ganhar hoje em Genebra para equilibrar o balanço entre eles (10-10) e manter a liderança isolada do grupo 2 da Liga das Nações A no início da segunda volta. A selecção portuguesa respira saúde e reúne condições para sair da Suíça com um sorriso largo, algo inédito desde 1989.

Estamos a 20 Setembro, uma quarta-feira. Qualificação para o Mundial-90, em Neuchâtel, no Estádio La Maladière, uma caixa de fósforos cheia de emigrantes portugueses. Futre assina uma das exibições mais consistentes, com o golo de penálti, a assistência para o 2:1 do suplente Rui Águas e um sem número de dribles a dar cabo do pobre lateral Rey. O seleccionador suíço Uli Stielike, antiga glória da RFA, aplaude o génio. “Futre é um fora de série”. Já o libero Geiger vai mais longe: “Futre estava diabólico e parecia maluco”. De facto, Futre semeia o perigo em todos os minutos da segunda parte e já ninguém se lembra do 1:0 de Turkyilmaz, também de penálti, a castigar falta de Nunes sobre Chapuisat.

Daí para cá, Portugal joga mais três vezes na Suíça e nunca mais ganha entre um empate e duas derrotas. O empate é em Março 1993, no quarto jogo de qualificação para o Mundial-94. Portugal apresenta-se em Berna com um líbero (Peixe) mais os laterais Abel Xavier e Semedo. Curiosamente, é esta dupla a criadora do 1:1, com cruzamento da direita para o cabeceamento imparável do número 3 – antes, Semedo (sem rotinas defensivas no FC Porto) deixara-se antecipar por Chapuisat para o golo de abertura. A festa suíça só dura quatro minutos e Portugal agarra-se ao ponto. Vítor Baía é o porta-voz da selecção. ‘Muita gente não acreditava em nós. Mostrámos que somos pessoas dignas, homens que merecemos o maior respeito.’

Esse 1:1 é histórico pelas estreias de Abel Xavier e Rui Costa. E se este último já joga a mil hora no Benfica, o lateral é ainda jogador da 2.ª divisão. É verdade, Queiroz inclui no onze um jogador do escalão secundário e homem feito na Reboleira. Na verdade, Abel faz o seu caminho com tranquilidade. Em 1990, estreia-se na 1.ª divisão como substituto de Rui Alexandre, na Luz. Nesse Verão, ainda com 17 anos e meio, Abel joga a final do Euro sub18, perdida para a URSS de Cherbakov. Às férias, segue-se o trabalho. No Estrela, conhece os métodos de trabalho de Manuel Fernandes (coadjuvado por José Mourinho). E os de Matine. E os de Jesualdo Ferreira. Ya, o Estrela acumula três treinadores. Sinal de desespero, culminado com a descida à 2.ª divisão, na ressaca do 1:1 no Bonfim.

É já como jogador da 2.ª que Abel se sagra campeão mundial sub-20, na Luz. Passa-se 1991-92 e o Estrela mantém-se na 2.ª. Na época seguinte, faz-se goleador. Penafiel em Agosto, Elvas em Novembro, Farense em Dezembro, Aves em Março. É neste mês que Abel recebe a convocatória de Queiroz. E é metido a titular em Berna no tal 1:1.


O treino desta manhã em Oeiras já não contou com os jogadores
Ronaldo, Moutinho e Guerreiro não viajam para a Suíça
O segundo duelo da ‘poule’ entre Portugal e Suíça está agendado para domingo, em Genebra, pelas 20h45 (hora local), com a arbitragem a cargo do croata Fran Jovic.

A visita seguinte à Suíça só calha em pleno Euro-2008. Portugal arruma Turquia e República Checa na fase de grupos e assume a última jornada como um jogo a feições. O seleccionador Scolari anuncia a saída para o Chelsea na véspera do jogo e faz descansar, ao mesmo tempo, oito titulares – só mantém Ricardo, Pepe e Paulo Ferreira. A ousadia vale-lhe mais uma exibição personalizada e um dos resultados mais enganadores de todo o sempre. Veja bem, Pepe acerta na trave aos 18' e o árbitro austríaco (país co-organizador do Euro) anula mal um golo de Postiga por fora-de-jogo inexistente, aos 36'. Ainda na primeira parte, Plautz não vê penálti num atropelo de Magnin sobre Nani.

O futebol ofensivo de Portugal continua a dar que falar na segunda parte com uma bola à barra, aos 52', numa jogada individual de Nani. Só a partir da última meia-hora é que a baliza de Ricardo começa a ser atacada, com Barnetta a falhar um golo certo na pequena área antes de Inler acertar na trave (64'). Seria Yakin a desbloquear o nulo, a passe de Derdyok. E seria também Yakin a fixar o 2-0, de penálti, a castigar falta do capitão Meira sobre Barnetta.

Portugal prolonga a sua agonia na Suíça em 2016, no arranque da qualificação para o Mundial-2018. É o primeiro jogo a sério desde a inédita conquista do Euro-2016 e Portugal dá-se mal, muito mal, em Basileia. Sem Ronaldo, ainda lesionado pela pancada de Payet na tal final, Fernando Santos aposta no 442 com uma única novidade em relação à conquista europeia (Bernardo Silva). No banco, para qualquer eventualidade, João Mário, Quaresma e André Silva. Curiosamente, os três saltam para o relvado, só que já não há qualquer hipótese de salvar Portugal do naufrágio.

A primeira parte da Suíça é francamente superior e coroada com dois golos em sete minutos. O primeiro de Embolo, de cabeça, após defesa incompleta de Patrício num livre de Rodríguez. O segundo de Mehmedi, com um remate colocado, na sequência de uma vertiginosa jogada de contra-ataque desde a perda de bola de Nani em plena área suíça. Para a segunda parte, André Silva e João Mário substituem Éder e William sem alterar o que quer que seja, até porque a Suíça defende-se com categoria e só não ganha para o susto uma única vez, aos 84', quando o capitão Nani cabeceia ao poste. E agora, para quando o ponto de viragem?

Hoje, tem de ser hoje à noite.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Embarcamos na história para contar o currículo assim-assim de Portugal vs. África para alertar a malta, como quem diz "isto é tudo menos favas contadas".
Jogadores do Gana na sessão de treinos, em Doha, na preparação do jogo com Portugal.
Um seleccionador chega aos 100 jogos pela primeira vez na história centenária de Portugal. As vitórias vs campeões mundiais de Fernando Santos.
Fernando Santos numa sessão de treinos na Cidade do Futebol, em Oeiras, a 8 de junho de 2022.