Escolha as suas informações

Portugal, Campeão Europeu de Futebol : Luxemburgo engalanou-se para celebrar título europeu de Portugal
Desporto 13 3 min. 11.07.2016

Portugal, Campeão Europeu de Futebol : Luxemburgo engalanou-se para celebrar título europeu de Portugal

A festa portuguesa com a conquista do título nas ruas da capital

Portugal, Campeão Europeu de Futebol : Luxemburgo engalanou-se para celebrar título europeu de Portugal

A festa portuguesa com a conquista do título nas ruas da capital
Foto:Gerry Huberty
Desporto 13 3 min. 11.07.2016

Portugal, Campeão Europeu de Futebol : Luxemburgo engalanou-se para celebrar título europeu de Portugal

Como um pouco por todo o mundo, os portugueses também saíram à rua no Grão-Ducado do Luxemburgo para festejar o título de campeão europeu conquistado esta noite por Portugal, após a vitória (1-0) sobre a França. É o primeiro título europeu da história da principal selecção do futebol português.

Como um pouco por todo o mundo, os portugueses também saíram à rua no Grão-Ducado do Luxemburgo para festejar o título de campeão europeu conquistado esta noite por Portugal, após a vitória (1-0) sobre a França. É o primeiro título europeu da história da principal selecção do futebol português.

Milhares de portugueses e franceses lotaram o “mini estádio” montado no Glacis, na capital do país, para assistir à transmissão do encontro. No final, a festa foi “verde e vermelha” e começou aos 109 minutos de jogo com o golo do suplente Éder.

“É o melhor dia da minha vida, desportivamente falando. Nunca pensei ver Portugal campeão da Europa. Muito obrigado à nossa selecção por esta alegria que está a dar a milhões de portugueses espalhados pelo mundo e aos milhares aqui no Luxemburgo”, disse, ao CONTACTO, Manuel Sampaio, um dos muitos adeptos que assistiu ao jogo no Glacis.

“Após 120 minutos de sofrimento é uma vitória justa. Injusto seria se a França ganhasse, especialmente depois do que fizeram ao Cristiano Ronaldo”, observou Carlos Figueiredo.

O capitão da equipa das ‘quinas’ saiu do jogo lesionado e lavado em lágrimas, após uma entrada dura de Dimitri Payet, logo aos oito minutos de jogo. Ronaldo ainda aguentou até aos 25 minutos mas acabaria por ser substituído. Os portugueses no Luxemburgo temeram o pior.

“É vergonhoso terem que lesionar um jogador como o Cristiano Ronaldo para ver se ganham isto. Os franceses têm medo dele (CR7) mas daí a lesionarem intencionalmente o jogador, ainda por cima numa final. E o pior é que o árbitro (Mark Clattenburg, de Inglaterra) nem sancionou o lance. É vergonhoso”, criticou José Matos.

No final do jogo, os nervos deram lugar à euforia. A festa rapidamente se estendeu à gare central do Luxemburgo, palco habitual dos festejos portugueses. Esta noite não foi excepção e milhares de imigrantes lusos inundaram as ruas da capital. Foi o extravasar das emoções contidas ao longo do jogo e não só.

“Matámos o borrego da final do europeu perdida em casa para a Grécia, em 2004. E acertamos contas com os franceses por causa de 1984 e 2002”, sublinhou Jorge Antunes.

Muito champanhe e cerveja serviram para brindar aos novos campeões e dar “alfinetadas” aos franceses. A noite foi de alguns excessos, sempre sob o olhar atento da polícia.

Fogo-de-artíficio, morteiros, engenhos pirotécnicos, tachos, panelas, bombos, cornetas, vuvuzelas e muitas bandeiras e cachecóis, tudo serviu para festejar.

Portugueses não esqueceram ofensas gaulesas

“E agora, quem são afinal os ‘dégueulasses’ (nojentos)? Não jogámos lindo mas jogámos de forma eficaz. Tão eficaz que vencemos. Parabéns mister Fernando Santos e obrigado”, agradeceu Bruno Andrade, um adepto luso.

“Com esta derrota, os franceses engoliram todas as ofensas que nos dirigiram ao longo do Euro2016, e foram castigados pela falta de ‘fair-play’ e de humildade que tiveram para connosco”, reforçou Margarida Gouveia.

Carlos Veneno e Jorge Passos foram duas das figuras que ao longo deste europeu marcaram pela sua originalidade. Trajados a rigor da cabeça aos pés, a "trupe do garrafão" animou os jogos de Portugal, tanto na Place Guillaume II como no Glacis.

"Estou muito contente com este triunfo inédito e hoje sinto ainda mais  orgulho em ser português", atirou Carlos Veneno.

Nas ruas do Luxemburgo chorou-se, mas de alegria. Carlos Fernandes, cozinheiro de profissão, era um homem feliz. Há 26 anos que trabalha no Hotel Hilton Luxemburgo e já cozinhou para os jogadores portugueses, nomeadamente para os que hoje se sagraram campeões da Europa.

"Tenho muito orgulho de já por diversas ocasiões ter cozinhado para os jogadores quando a nossa selecção vem ao Luxemburgo, como ainda recentemente em Novembro. Fiz o bolo de aniversário do Nani, quando cá estiveram para defrontar o Luxemburgo", revelou o Carlos Fernandes.

A hora do fecho desta edição a festa portuguesa ainda continuava nas ruas da capital do Luxemburgo, apesar de daqui a algumas horas começar mais uma semana de trabalho. "Amanhã os luxemburgueses já dormem mais tranquilos. Mas hoje isto é tudo nosso. É um dia histórico", atirou um adepto luso.

Paulo Dâmaso

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Uma questão de escolha
Daniel da Mota ainda está a tempo de rejeitar a candidatura por um partido com o perfil do ADR. Outra decisão que não seja essa servirá apenas para que se torne um instrumento de interesses alheios.
Daniel da Mota, candidato pelo ADR: "Se o meu partido fosse racista, eu não me candidatava"
O homem que marcou um golo do Luxemburgo contra a seleção de Cristiano Ronaldo, em 2012, é candidato às legislativas pelo ADR. O partido nacionalista é conhecido pelas posições contra os direitos dos estrangeiros, mas o jogador de futebol defende que "não é racista". Nesta grande entrevista ao Contacto, este filho de imigrantes portugueses explica as razões que o levaram a filiar-se no ADR.
Daniel Da Mota. Photo: Guy Wolff