Escolha as suas informações

Para sempre, Rui Manuel Trindade Jordão
Desporto 15 min. 18.10.2019 Do nosso arquivo online

Para sempre, Rui Manuel Trindade Jordão

Para sempre, Rui Manuel Trindade Jordão

Foto: LUSA
Desporto 15 min. 18.10.2019 Do nosso arquivo online

Para sempre, Rui Manuel Trindade Jordão

Quando a morte sai à rua e leva um dos maiores goleadores da história portuguesa, só nos resta chorar a relembrar os seus infinitos momentos memoráveis. Um texto de Rui Miguel Tovar.

 Jordão, Rui Manuel Trindade Jordão. Por muitas voltas que dêem, é o único a sagrar-se melhor marcador da 1.ª divisão por Benfica e Sporting. Por muitas voltas que dêem, é o primeiro a marcar dois golos num jogo do Europeu (depois, só Nuno Gomes e Ronaldo). Por muitas voltas que dêem, é o primeiro a marcar pela selecção no prolongamento. Por muitas voltas que dêem, é o nosso jogador mais felino de sempre. As palavras único, primeiro e sempre associam-se invariavelmente à classe distinta de Jordão.

 É um fenómeno incomparável, tanto pela superior categoria técnica como pela maneira solitária de estar em campo: um gesto muito comum (e apreciado) é o de rematar à baliza e resignar-se com a falta de pontaria a andar de cabeça baixa como que à procura do brinco do Vítor Baptista. Génio e figura, o Rui. Eximio marcador de penáltis, comete a proeza de só acertar um em quatro ao serviço de Portugal. Qual é o “um”? Aquele à URSS de Lobanovsky, no jogo do tudo ou nada para o Euro-84. O dia sabe-se de cor e salteado, qual tabuada: 13 Novembro 1983.

 Na Luz, os cartazes de anti-sovietismo primário deambulam nas bancadas ao sabor do vento. Que é forte, aliás. Portugal tem de ganhar, a URSS pode dar-se ao luxo de empatar (em Moscovo, na primeira volta, acaba 5-0 para os “maus”). Perto do intervalo, Chalana sai da esquerda e flecte para o meio antes de iniciar mais uma corrida até à baliza. Antes de entrar na grande área, Borowski trava-o. È falta mais que evidente, o árbitro frances Georges Konrath assinala penálti. Os soviéticos protestam como nunca, os portugueses afastam-se todos da confusão. Todos, não. Jordão continua impávido e sereno na marca do penálti, à espera do momento. Serenados os ânimos, marca-se o penálti. Jordão parte com calma para a bola e engana Dasaev: bola para um lado, guarda-redes para o outro.

 O céu ilumina-se. Na segunda parte, Portugal está mais perto do 2-0 do que a URSS do 1-1 e Jordão subscreve essa sensação com uma bola ao poste esquerdo de Dasaev. No final, Portugal está no primeiro Europeu da sua história, à sétima tentativa, e a URSS falha o objectivo. Lobanovsky nem se digna a falar com a RTP e fecha abruptamente a porta do balneário na cara de Carlos Fino com um zangado “niet”. À noite, na televisão, a reportagem do jogo acaba com essa cena e o comentário mordaz “e foi a verdade a quem tivemos direito”. Já Jordão fala pelos cotovelos. “É um momento glorioso, temos de aproveitar o dia e pensar já no futuro, porque ir ao Europeu é muita responsabilidade. Não só futebolística como também social. Afinal, vamos encontrar muitos emigrantes em França e queremos sair-nos bem para eles serem devidamente recompensados.” Mais adiante, Jordão fala do seu segundo Europeu. “No meu primeiro, chegámos à final. Quem sabe agora?”

 Jordão refere-se ao Europeu sub-18, na então Checoslováquia, em 1971. A equipa de Peres Bandeira tem Fidalgo na baliza, Shéu no meio e Alves no ataque. Na qualificação, 3-2 à França de Giresse e Lacombe na Tapadinha e 0-0 em Paris. A caminho de Praga, já para a fase final, Portugal perde 1-0 na Roménia. Diz Fidalgo. “Além da derrota, a nossa estrela lesiona-se [Alves] e é aí que entra um miúdo que jogava comigo no Benfica, o Jordão.” Com Jordão a 9, ao lado de Gregório Freixo (Académica) e Nando (Sporting), a selecção ganha todos os jogos da fase de grupos por 1-0, vs Suíça, Àustria e Espanha. Na meia-final, 2-1 à RDA.

 É o primeiro grande jogo de Jordão, no que diz respeito à análise detalhada da imprensa portuguesa. O adjectivo arrebatador é o mais comum. Porque Jordão pega na bola e recreia-se. Pobres alemães, sem arte nem engenho para dar conta do recado. O primeira remate do jogo é de Jordão, o segundo também. Ao terceiro, golo. E que golo. Ao passe de Gregório Freixo, avança determinado para a área e dribla quatro adversários. Quatro! De repente, solta uma bola indefensável. È o 2-0, a RDA está arrumada e Portugal apura-se para a primeira final de sempre no estrangeiro.

 Na decisão, Eastoe desfaz Portugal com um bis antes do intervalo. Acaba 3-0 para os ingleses, Fidalgo é eleito o melhor guarda-redes do torneio e Jordão a revelação, naturalmente. “Quando acordámos, já estava 3-0. Nada a fazer, eles eram mais fortes que nós. O Eastoe, depois, muito depois, chegou a jogar em Portugal, sempre no Algarve.” Certo, certíssimo. Primeiro Farense, depois Louletano. E até marca um golo na 1.ª divisão, no dérbi algarvio com o Portimonense em 1987. Por essa altura, já Jordão é um goleador de créditos firmados no futebol português.

 Contratado ao Benfica de Benguela, de onde é natural, entra para os juniores do Benfica e sobe aos seniores, por obra e graça do treinador inglês Jimmy Hagan. Instala-se no Lar do Jogador, juntamente com Shéu, Eurico, Alves, Franque e Fidalgo. Só depois é se muda para uma casa na Estefânia, partilhada com mais um benfiquista (Fidalgo) e dois sportinguista (Nando e Joaquim Rocha). Outros tempos, bem mais formidáveis. Estreia-se nas competições europeias (4-0 ao Wacker) e só depois na 1.ª Divisão (2-1 ao Beira Mar). Com Eusébio na recta final da sua carreira, os adeptos apostam em Jordão como sucessor. Obviamente, nunca chega lá. É impossível aproximar-se do rei, só que Jordão deixa argumentos de peso, nomeadamente o título de melhor marcador da 1.ª divisão 1975-76, com mais golos (30) que jogos (28). A façanha permite-lhe arrecadar a Bola de Prata a nível europeu, só atrás do cipriota Kaiafas (Omonia Nicósia, 39), e transferir-se para Espanha. Jordão e um fenómeno ibérico. Entre Benfica (1971-76) e Sporting (1977-87), há Saragoça.

 A mudança vale nove mil contos ao Benfica e significa mais um emigrante em Espanha. “Vou receber aqui três vezes mais que no Benfica, mas podia ter ido ganhar mais no Anderlecht, só que escolhi Saragoça pela proximidade a Lisboa. Estou só a um par de horas de casa por avião.” A ideia de um campeonato mais forte, com um maior número de campos pesados e adversários duros, é uma realidade normal. “Oxalá não me marquem em cima. Se isso acontecer, vou escapar-me como já acontece no campeonato português. Não será um problema. Pelas informações do Bastos [defesa do Sporting, então no Saragoça], vou dar-me bem na Liga e ser titular.”

 Verdade, Jordão adapta-se sem problema. Aliás, a estreia é a mais sedutora possível com três golos ao OFK Belgrado (4-3 após prolongamento) no Estádio Romareda, para a meia-final do torneio Carlos Lapetra, em Saragoça. “De todas as estreias, a de Jordão foi a menos convicente”, escreve o catalão El Mundo Deportivo. É o hat-trick menos convicente de sempre, está visto. Dois dias depois, a 20 Agosto 1976, a final do quandrangular com o Gornik Zabrze dita a vitória do Saragoça por 2-0. Jordão, sempre ele, em destaque. Como assistente para o 1-0 de Arrúa e autor do 2-0. No campeonato propriamente dito, é o único português a marcar ao Real Madrid nas duas voltas. Primeiro em Saragoça, no mesmo dia em que Gomes marca seis ao Atlético nas Antas (8-1) e James Hunt sela o título de campeão do mundo de Fórmula 1 no GP Japão. Depois no Santiago Bernabéu, no mesmo dia em que Gomes festeja um hat-trick vs Montijo (7-0). No total, Jordão assina a notável marca de 14 golos com uma série de seis jogos seguidos sempre a marcar, em Fevereiro/Março, vs Espanyol (2), Betis (1), Las Palmas (2), Racing (1), Real Madrid (1) e Málaga (2).

 De nada lhe vale porque o Saragoça acaba em antepenúltimo lugar e desce à 2.ª divisão. Como se isso fosse pouco, o ambiente no balneário é do pior. Culpa do avançado paraguaio Arrúa. “Gosto de jogar em Espanha, onde o futebol é menos previsível que em Portugal. Aqui, qualquer jogo é uma incógnita e isso dá-nos força. Só que há um jogador que teima em criar problemas internos todos os dias sem parar. Ele, sozinho, conseguiu dividir a equipa e estou num ponto de saturação. Marquei 14 golos a jogar a extremo, lugar que desempenho com naturalidade a pedido do treinador mas ao qual não estou totalmente rotinado, porque há uma pessoa que insiste em jogar lá na frente.”

 O processo de deteriorização aumenta durante a pré-época, quando há rumores de que Jordão se recusa a entrar em campo para jogar a final do tal torneio Carlos Lapetra. “Falhei a meia-final por estar lesionado, com uma ciática. No dia da final, disse ao médico que continuava mal e ele contestou a minha dor. Lançaram-me em campo, como se eu estivesse a fazer teatro, e joguei a primeira parte para evitar mal entendidos com alguns dirigentes do Saragoça. No intervalo, com o Saragoça em vantagem, as dores eram realmente insuportáveis e foi o mesmo médico quem aconselhou a minha substituição. A partir daqui, nada a fazer. Ainda bem que apareceu o Sporting.”

 Nem mais. João Rocha, o lendário presidente, toma conhecimento da barafunda em Saragoça e resgasta Jordão para juntá-lo à já famosa dupla Manuel Fernandes-Keita. Uyyyy, isto promete. Jordão estreia-se num abir e fechar de olhos, com o Benfica (1-1), a 4 Setembro, em Alvalade. Na jornada seguinte, os dois primeiros golos (5-1 em Coimbra). A meio da semana, mais um golo, de penálti, em Bastia, para a Taça UEFA. No domingo, hat-trick ao Braga. No outro domingo, outro penálti, no Bonfim. É sempre a abrir. Até ao fim da primeira volta, Jordão acumula 15 golos. É, de longe, o melhor marcador da 1.ª divisão. O goleador mais próximo é Gomes, com oito. O problema é o dérbi da Luz, resolvido por um golpe de génio de Vítor Baptista com um golo indefensável, de primeira, sem deixar cair a bola, após dominá-la com o peito nas costas de Laranjeira. O que se segue é um fartote: todos à procura do brinco como se fosse agulha em palheiro e o Sporting à espera do apito do árbitro para o reinício do jogo.

 Por essa altura do 1-0, já Jordão está na Clínica São João de Deus, vítima de uma entrada de Alberto, aos 25 minutos. Com fracturas de tíbia e perónio, o seu regresso está previsto para daí a sete meses. Na melhor das hipótese. Na cama do quarto 306, Jordão recebe a vista do benfiquista Shéu e desvaloriza o lance. “O Alberto não me iria magoar propositadamente, não estou a ver um jogador a ‘arrumar’ outro dessa forma. Foi um lance casual e nós, profissionais, sabemos disso melhor que ninguém.” Esta maneira de ser acompanha Jordão ao longo da carreira, mesmo nos momentos mais críticos em que a arbitragem está no olho do furacão. “Temos de alertar as pessoas no sentido de que todas as equipas são prejudicadas, ali ou ali. O que me revolta é a falta de personalidade dos árbitros, que se deixam levar pelo ambiente das bancadas e também pelos dirigentes.”

 Ausente dos relvados até Setembro, o regresso de Jordão é festejado pelo Sporting na Amoreira. Um golo, pois claro. Na semana seguinte, outro. Agora ao Famalicão. Tu queres ver, o homem vai levantar voo outra vez? Não, nada disso. Antes de acabar a primeira parte, José Eduardo mete-o fora do campo com uma entrada a varrer. Conta o próprio, tranquilo da vida. “Quantas vezes é que já jogou à bola, quis dar uma cacetada num tipo e não conseguiu? E quantas vezes acabou por dar sem querer? Foi uma coisa incrível, tenho tudo gravado na cabeça. Pensei que o Jordão estava a fazer fita e ainda o insultei quando ele estava no chão. "Levanta-te meu maricas, meu pane..."; levanta-te lá, estás a fazer a ronha!" Depois gerou-se aquilo tudo: o treinador do Sporting saiu do banco, deu a volta ao campo e veio insultar-me, tinha o estádio todo contra mim.Foi do lado da bancada sul, antigo peão! O resto do jogo foi a equipa do Sporting a tirar de esforço comigo. Lembro-me do Keita, num canto, a ver se me pisava. No final do jogo os sócios assobiavam, faziam-se aos jornalistas. O falecido Neves de Sousa, que teve o azar de dizer que o lance lhe pareceu sem intenção, acabou por ver a cabine de rádio invadida. Tomei banho, tinha o meu pai à minha espera na porta 10 A, mas lá fora estava um ambiente de cortar à faca. Pego no meu pai, avanço e abrem-se alas... Naquela altura, bastava um tipo dar-me um toque e eu era linchado ali.”

 O azarado Jordão sofre mais cinco meses no estaleiro. Ainda volta nessa época 1978-79 e garante a vitória na reestreia, com um hat-trick ao Beira-Mar, em Alvalade (3-0). Até ao final da 1.ª divisão, mais três golos e acaba com oito, a dois da dupla Manuel Fernandes-Keita. Totalmente recomposto, Jordão só faz a primeira época de fio a pavio em 1979-80 e é o melhor marcador do campeonato, com mais golos (30) que jogos (28). Nesse caminho glorioso, há dois golos ao Benfica, um em Alvalade, outro na Luz, mais um penta (Rio Ave 5-0), um hat-trick (Espinho 4-0) e seis bis. Craque é craque e vice-versa. Jordão é do best. Marca com o pé direito, com o esquerdo e de cabeça. Na pequena área, dentro ou fora. É rei em qualquer parte do campo e é ele quem fecha as contas do título de campeão nacional, com o 3-0 ao União Leiria.

 O cenário do título de campeão nacional repete-se em 1981-82. A festa chega a três jornadas do fim, na Amoreira (3-0 ao Estoril). Com um golo de Jordão, óbvio. Uma semana depois, na festa em Alvalade, 7-1 ao Rio Ave com cinco golos. Acaba com 26 em 27 jogos. Uma média impressionante seja quem for, sobretudo alguém com 30 anos de idade. Aos 31, Jordão faz só isto: hat-trick ao Porto, em Alvalade (3-3). E marca um dos melhores golos de que há memória, de calcanhar. Nessa tarde, quem o está a marcar é Eurico. “Antes de mais, adoro o Jordão. É um ser humano muito, muito, muito sui generis. É coerente e inteligente. E era um predestinado. Às vezes, ainda discuto com ele sobre se ele fez de propósito ou não. É uma bola cruzada, tipo centro-remate e ele antecipa-se ao defesa, que sou eu. Na antecipação, eu espero que ele controle a bola. Em vez disso, ele mete a parte lateral da bota, calcanhar, e atira à baliza do Amaral, que não tinha a mínima hipótese. Foi no topo sul do antigo Alvalade. Um golo de antologia. De museu. Esse jogo acabou 3-3 e ele marcou os três golos. Mas isso não é tudo. Havia gestos técnicos, dribles e golos nos treinos que nos faziam ficar a olhar para ele. Eu fui um privilegiado por trabalhar com ele. De verde e branco [Sporting e Vitória FC].”

 Vitória FC? Sim senhor, Jordão acaba a carreira em Setúbal. Sai do Sporting em 1986, incompatibilizado com o treinador Manuel José, que o substitui pelo inglês Ralph Meade nas duas últimas jornadas. Sem jogar um minuto que fosse, Jordão perde o comboio dos convocados de José Torres para o Mundial do México. Nem Jordão nem Manuel Fernandes, melhor marcador da 1.ª divisão dessa época 1985-86. Se Manuel Fernandes continua no Sporting, como capitão, já Jordão pendura as chuteiras, aos 34 anos. Parece uma decisão definitiva. Parece. Um ano depois, no Verão 1987, é a vez de Manuel Fernandes sair de Alvalade, rumo ao Vitória FC, treinado pelo inglês Malcolm Allison, o tal que levara o Sporting à dobradinha em 1982.

 Os dois chamam por Jordão, já completamente livre dos compromissos desportivos. “Durante cinco meses, treinou connosco para recuperar a forma física. Acabou por assinar”, conta um orgulhoso Roger Spry, numa alusão ao dia 12 Novembro 1987, quando Jordão fecha contrato com o Vitória. “Ele estava tão bem preparado que ainda fez duas épocas. Aliás, duas grandes épocas”, garante o preparador físico inglês, a começar a dar nas vistas no Bonfim pelos treinos excêntricos, com música. Desta vez, ele não nos está a dar música. Com 35 anos, Jordão estreia-se no Bonfim com um golo ao Chaves. Com 36 anos, em 1988-89, despede-se à grande, como melhor marcador da equipa (11 golos, à frente de Aparício 10 e Cadete 8), e o Vitória em quinto lugar, a três pontos da Taça UEFA.

 Ponto final, agora sim. A obra está concluída. E que obra. Melhor que os golos, só mesmo os festejos. Aqueles em bicos de pés com o braço direito levantado, bem levantado. Jordão allez allez.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Taça das Confederaçôes: Portugal a uma vitória da final
A seleção portuguesa de futebol defronta hoje o Chile em jogo das meias-finais da Taça das Confederações, em Kazan. Pepe e Raphaël Guerreiro são ausências de vulto entre os comandados de Fernando Santos, que querem conquistar o troféu pela primeira vez.
André Silva quer fazer o gosto ao pé frente ao Chile