Escolha as suas informações

O sonho cor de rosa de João Almeida pode tornar-se realidade
Desporto 2 min. 21.10.2020

O sonho cor de rosa de João Almeida pode tornar-se realidade

O até agora desconhecido ciclista português assumiu a liderança o Giro desde a terceira etapa e nunca mais largou a camisola rosa.

O sonho cor de rosa de João Almeida pode tornar-se realidade

O até agora desconhecido ciclista português assumiu a liderança o Giro desde a terceira etapa e nunca mais largou a camisola rosa.
Foto: AFP
Desporto 2 min. 21.10.2020

O sonho cor de rosa de João Almeida pode tornar-se realidade

Álvaro CRUZ
Álvaro CRUZ
O ciclista português de 22 anos lidera a Volta a Itália desde a terceira etapa. Mesmo que não ganhe o ’Giro’, o até agora desconhecido corredor luso vai ficar para sempre na história da modalidade em Portugal.

 "Ele e a equipa estão a fazer um excelente trabalho e acho que já é histórico o que estão a conseguir. Como vai acabar, não sei, mas estou muitíssimo orgulhosa e feliz", foram as palavras de Ana Patrícia Gonçalves, mãe de João Almeida, quando entrou em direto na transmissão do programa da Eurosport, no momento em que o filho percorria os últimos 30 quilómetros da etapa de domingo, surgindo nas imagens com uma camisola rosa e uma bandeira de Portugal.

Aconteça o que acontecer, João Almeida será sempre um vencedor nesta Volta a Itália. No comando de uma das mais prestigiadas provas velocipédicas do mundo desde a terceira etapa, o jovem português de 22 anos tem impressionado toda a gente pela sua qualidade, carácter e resiliência numa prova que reúne muitos dos mais cotados corredores mundiais.

É uma tarefa árdua, destinada aos melhores, que João Almeida, o português com mais etapas na liderança de uma grande volta tem pela frente no que lhe resta da prova. É que a dureza maior do Giro está reservada para esta semana com as mais duras etapas de montanha e a camisola rosa até lhe poderá fugir.

No domingo, o português da equipa Deceuninck-QuickStep suportou o que apelidou de "festival de sofrimento" na 15.ª etapa para conseguir segurar a liderança na classificação geral.

Almeida perdeu 35 segundos para Kelderman mas manteve a camisola rosa, com 15 segundos de vantagem para o holandês, prometendo defender o primeiro lugar até onde puder.

"Daqui para a frente", afirmou no final da exigente tirada que o seu objetivo vai ser o mesmo: "Vou continuar a defender a liderança e a dar o meu melhor. Sei que será quase impossível levar a camisola rosa até Milão, mas vamos tentar dar tudo e ver o quão longe posso ir. Sem a equipa, isto não seria possível. São menos de 20 segundos [de vantagem], mas vou defender-me", sublinhou.

Após o dia de repouso para recuperar forças, na segunda-feira, o pelotão voltou às estrada italianas esta terça-feira e o português teimou em voltar a surpreender toda a gente, ganhando alguns segundos a Kelderman, principal adversário, garantindo com firmeza a liderança na prova num final de etapa extremamente empolgante ganha por Tratnik.

Mas mesmo que o jovem corredor português perca a liderança nas cinco etapas que faltam disputar, o que já conseguiu até agora constitui um feito que ficará para sempre na história do ciclismo português.

Surpreendido com tamanha demonstração de carácter e qualidade, o mundo do desporto rendeu-se às qualidades do até agora desconhecido ciclista natural da aldeia de A-dos-Francos, no concelho de Caldas da Rainha, onde não faltam tarjas nas janelas e varandas, estruturas pintadas de rosa e bicicletas no meio de rotundas como sinal de apoio ao seu novo herói. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas