Escolha as suas informações

Lusodescendente: Yannick Correia veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos
Yannick Correia veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos

Lusodescendente: Yannick Correia veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos

Eric Jacquot
Yannick Correia veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos
Desporto 2 min. 18.11.2015

Lusodescendente: Yannick Correia veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos

Yannick Correia, lusodescendente, veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos, seguindo e somado títulos mundiais numa atividade que ainda é só lazer.

Yannick Correia, lusodescendente, veste a camisola da seleção luxemburguesa de matraquilhos, seguindo e somado títulos mundiais numa atividade que ainda é só lazer.

No sul do Luxemburgo, mais concretamente em Esch-sur-Alzette, o jovem descobriu especialistas em matraquilhos num clube local, apelidado de “escola de matraquilhos”. Yannick começou por ver, apenas, e “depois soube que eles eram uns dos melhores jogadores do país”, tudo no clube chamado Milky Bar Play.

Ainda sem muita prática, mas já com o ‘bichinho’, Yannick foi parar à segunda equipa do clube Lusitanos, que é campeão em título no Luxemburgo.

“Depois de ter um bocado de experiência comecei a jogar em torneios no Luxemburgo durante 2-3 anos. Comecei a treinar cada vez mais para tentar começar a jogar no estrangeiro e tentar ser um dos melhores jogadores do mundo”, recorda à agência Lusa.

Fora do Grão Ducado, foi somando oponentes de nome que impõem respeito neste meio, como relata o jovem lusodescendente: “comecei jogar contra os melhores jogadores do mundo, como por exemplo, o lendário belga Frederic Collignon”.

Jogar contra os melhores fê-lo evoluir e possibilitar dar a receita para se ser um campeão mundial: “é preciso ter força de vontade de treinar, trabalhar, todos os dias e jogar muitos torneios de alto nível mundial”.

Fazendo as contas ao que ainda falta ganhar, Yannick manifesta o desejo de “juntar mais três campeonatos do mundo de várias mesas internacionais” num palmarés que indica 11 títulos mundiais, 16 vitórias no campeonato luxemburguês, incluindo pares e individuais.

A lista ainda incluiu quatro títulos de campeão na divisão principal do Luxemburgo em equipas, quatro taças no Luxemburgo, também por clubes, dois primeiros lugares na liga dos campeões europeus, um título coletivo na Bélgica (Hasselt) e um outro em França (Evry).

Como campeão, assume ter “fãs em todas as partes do mundo”, até porque, lembra, já enfrentou adversários provenientes de Portugal ou do Irão.

Yannick já nasceu no Luxemburgo, país escolhido pelos seus pais para emigrarem há “40 e tal anos”.

Além dos matraquilhos, o dia-a-dia inclui o trabalho numa empresa que instala aquecimentos.

Com o início da atividade profissional, o tempo para treinar encolheu, mas o luso descendente garante conseguir todas as quartas-feiras treinar no clube k.c old-boys merl e às sextas-feiras disputar o campeonato luxemburguês.

“Aos fins de semana vou para ao estrangeiro jogar torneios para o ranking mundial, como por exemplo acontece no ténis, que tem o ATP e WTA”, explica à Lusa.

Para si os matraquilhos “são lazer”, mas para o futuro deseja mais.

“Pode ser que daqui a alguns anos seja um desporto conhecido pelo mundo fora para poder ser um desporto profissional. Que seja o meu trabalho profissional daqui a alguns anos”, assumiu, entre gargalhadas.


Notícias relacionadas

Ricardinho no Luxemburgo: “O clube onde vou acabar não é o mais importante”
Eleito por cinco vezes melhor jogador do Mundo de futsal, Ricardinho esteve sábado no Luxemburgo com Carlos Ortiz, seu colega de equipa e segundo da hierarquia mundial, para uma jornada de divulgação da modalidade no país. Abdicou de alguns dias de férias para se dedicar à formação dos mais novos e garante que continua a jogar com a mesma alegria e entusiasmo que tinha quando começou.
Ricardinho esteve no Luxemburgo com Carlos Ortiz numa jornada de divulgação de futsal e depois seguiu para o Japão.
Modalidadade renasce 13 anos depois: Atletas lusófonos dominam luta livre e greco-romana no Luxemburgo
Depois de treze anos de paragem, os campeonatos luxemburgueses de luta voltaram ao ativo com destaque para os pódios de Medina Barros e Eliane Varela, lutadores de origem cabo-verdiana, e do português Logan de Melo. Joseph Etogo, diretor técnico nacional, congratula-se pelo sucesso da prova e garante que o Grão-Ducado tem vários lutadores com qualidade para num futuro próximo devolver o passado glorioso que a modalidade já conheceu no país.
Logan de Melo (de vermelho) num dos combates durante os campeonatos nacionais que se realizaram em novembro, na cidade do Luxemburgo
Entrevista: “Os imigrantes foram muito importantes no desenvolvimento do futebol no Luxemburgo”
Jean Ketter foi recentemente distinguido pela Fundação Robert Krieps com o prémio para a melhor tese de mestrado escrita no Grão-Ducado. O jovem luxemburguês, docente no Liceu Técnico de Ettelbruck, recebeu um prémio pecuniário de 2.500 euros pelo trabalho de investigação “Influência do futebol de rua e de clubes sobre a inclusão e a identificação dos imigrantes”, obra que deverá ser editada em setembro.
Jean Ketter iniciou-se no futebol aos sete anos. Jogou até aos 13 edepois começou apraticar basquetebol. Hoje, odocente do Liceu Técnic odeEttelbruck é jogador da equipa principal do Laroche tte, mas continu a ajogar futebol com os amigos