Escolha as suas informações

Finalmente o ouro
Desporto 3 min. 16.07.2021
Los Angeles 1984

Finalmente o ouro

Los Angeles 1984

Finalmente o ouro

Foto: Comite Olímpico Internacional
Desporto 3 min. 16.07.2021
Los Angeles 1984

Finalmente o ouro

Luís Pedro Cabral
Luís Pedro Cabral
Para Portugal, estas olimpíadas foram inesquecíveis. Rosa Mota e António Leitão trouxeram o bronze. E, com Portugal sem pregar olho, Carlos Lopes sagrou-se campeão olímpico na mais dura das provas: a maratona.

Poucos meses após as polémicas Olimpíadas de Moscovo, Portugal ficava de luto com a morte de Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa. Quatro dias depois (8 de dezembro), o mundo vestia-se da mesma cor: John Lennon era assassinado. Passados quatro anos, os JO saltavam para o estado mais quente da Guerra Fria. Teerão, capital do Irão, em plena guerra com o Iraque, tinha apresentado uma candidatura pouco apelativa. O Irão acabou por desistir desta corrida inútil contra o Grande Satã. Para vincar bem o peso dos EUA, os JO estavam de volta à Califórnia. Los Angeles seria de novo a cidade anfitriã da competição olímpica. O COI fez questão de equilibrar a balança política mundial, exigindo não menos que o melhor evento de sempre, na medida em que podia fazer "exigências" aos EUA. Era mais um desejo, como este: que não houvesse boicotes, please.

Los Angeles, como já havia acontecido em 1932, como todas as diferenças possíveis e mais uma, não estava para desiludir. Em contraste com Moscovo - assim como todas as transactas olimpíadas -, os EUA acharam que era chegado o momento de romper com o amadorismo do passado, na expressão mais literal do capitalismo. Começando pelo fim: pela primeira vez na sua história, fruto da política clara e assumidíssima de patrocínios, os JO deram lucro. A economia americana conhecia tempos de prosperidade. Ronald Reagan, presidente americano, ex-ator e ex-governador do Estado da Califórnia, empenhou-se nestas Olimpíadas com toda a energia, percebendo que a oportunidade era única para desferir mais um golpe no outro gigante, adormecido e em período de estagnação, mergulhado numa crise da sua indústria e numa crise de sucessão, que havia de conduzir Mikhail Gorbatchov ao poder. 

A Leste, a situação não estava lá muito olímpica. E, mesmo que estivesse, não era de esperar que a URSS, tendo sido boicotada nas suas olimpíadas fosse agora estar presente nuns olímpicos made in USA. Era mais que óbvio que o COI não veria o seu desejo realizado. As duas forças vencedoras dos JO de Moscovo (URSS e RDA) anunciaram o seu contra-boicote a Los Angeles, o mesmo fazendo, embora por razões diferentes, alguns países africanos. Por junto, nada que não fosse esperado.

Portugal, com 38 atletas para 11 modalidades, teve em Los Angeles a sua melhor prestação de sempre.

Inesperada foi uma presença em Los Angeles. Meses antes das olimpíadas, Ronald Reagan, tinha feito uma visita de Estado ao outro lado do outro lado: a China que, pela primeira vez na sua História, anunciou a sua presença num evento Olímpico. A Roménia, que todos julgavam não estar presente, esteve. Los Angeles não fez a coisa por menos, batendo o recorde de número de presenças: 12 mil atletas, em representação de 140 países. No que mais interessava, os EUA não estavam dispostos a deixar os seus créditos, que nas últimas olimpíadas (exceptuando, claro, Moscovo), tinham ficado em mãos alheias. A equipa de basquetebol americana foi a mais brilhante de sempre, não tivesse presente o melhor jogador da história deste desporto: Michael Jordan, para sempre conhecido como "Air Jordan". 

Os EUA dominaram no ar e em terra. Os velocistas norte-americanos estiveram em grande forma. Carl Lewis dominou os 100, 200 e 4x100 metros, conquistando o ouro, fazendo o mesmo no salto em comprimento. As suas quatro medalhas de ouro igualaram o recorde do lendário Jesse Owens (Berlim, 1936), embora em clima incomparavelmente mais favorável. E, claro, o inevitável Edwin Moses nos 400m barreiras. Como era previsível, os EUA dominaram, conquistando um total de 174 medalhas (83 de ouro; 61 de prata; 30 bronze). A grande surpresa foi a Roménia, ficando em segundo, conquistando 20 medalhas de ouro; 16 de prata e 17 de bronze.

Portugal, com 38 atletas para 11 modalidades, teve em Los Angeles a sua melhor prestação de sempre. Dada a diferença horária, quem não se recorda de passar uma madrugada em branco para assistir à maratona em que Carlos Lopes concretizou o sonho de ganhar o ouro. Rosa Mota, igualmente na maratona, trouxe a medalha de bronze, o mesmo conseguindo António Leitão nos 5 mil metros, onde Ezequiél Canário esteve brilhante. Nos 3 mil metros, Aurora Cunha ficou em sexto. José Pinto conquistou um oitavo lugar nos 50 km´s de marcha. Para Portugal, marcharam em glória.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Pela primeira vez os JO disputam-se num ano ímpar, cortesia da segunda pandemia do nosso século. Ao longo da sua história, sobreviveram a duas guerras mundiais e a uma Guerra Fria. Uma viagem secular, com início em 1896.
TOPSHOT - This general view shows Mount Fuji, Japan's highest mountain at 3,776 meters (12,388 feet), seen from Lake Yamanaka, next to a Tokyo 2020 Olympics banner on July 19, 2021. (Photo by Charly TRIBALLEAU / AFP)
Para tristeza da Grécia, coube a Sidney limpar a má-imagem que Atlanta havia deixado no centenário das Olimpíadas. A Austrália organizou um dos melhores JO de sempre, onde Nuno Delgado brilhou. Junto com Fernanda Ribeiro, trouxeram o bronze.
Montreal 1976
Depois da tragédia de Munique, dificilmente os JO de Montreal podiam ser piores. A organização gastou o que tinha e o que não tinha. Mas não impediu um boicote de 39 países, na maioria africanos.
Foram as Olimpíadas mais caras de sempre e uma das mais prolíferas desportivamente. 50 novas marcas olímpicas foram estabelecidas em Tóquio. Os EUA venceram, mas a URSS conquistou mais medalhas. Valeu o ouro.
A distância fez-se de novo sentir. 30 comitivas que tinham estado em Amesterdão, não marcaram presença nos JO de 1932. Como já havia acontecido com Paris em relação a Paris, Los Angeles limpou o desastre de Saint Louis. Houve espírito olímpico. E, claro, Hollywood.
Os Jogos Olímpicos "made in USA" não deixaram saudades. Pela primeira vez na história das Olimpíadas participaram dois atletas de África, mas foi sem querer. Sob um ambiente de racismo e de segregação, foram consideradas as Olimpíadas... antropológicas.