Escolha as suas informações

Liga portuguesa de futebol: Benfica abre as portas do título e atira o Penafiel para a II Liga
A goleada ao Penafiel agrante praticamente o título ao Benfica

Liga portuguesa de futebol: Benfica abre as portas do título e atira o Penafiel para a II Liga

Foto: LUSA
A goleada ao Penafiel agrante praticamente o título ao Benfica
Desporto 3 min. 09.05.2015

Liga portuguesa de futebol: Benfica abre as portas do título e atira o Penafiel para a II Liga

O Benfica entreabriu este sábado um pouco mais a porta que dá acesso ao título português de futebol, ao golear por 4-0 na recepção ao Penafiel, condenando no processo o lanterna-vermelha da I Liga à despromoção ao segundo escalão.

O Benfica entreabriu este sábado um pouco mais a porta que dá acesso ao título português de futebol, ao golear por 4-0 na recepção ao Penafiel, condenando no processo o lanterna-vermelha da I Liga à despromoção ao segundo escalão.

O confronto da 32ª jornada entre o primeiro e último classificado teve o desfecho que se poderia antecipar, com os golos marcados por Lima, aos oito e 62 minutos, Jonas, aos 30, e Pizzi, aos 61, a darem expressão à superioridade do Benfica, cada vez mais perto de conquistar um bicampeonato que lhe escapa há 21 anos.

A duas jornadas do fim do campeonato, com mais seis pontos do que o FC Porto e vantagem sobre o rival portuense no confronto direto, o clube lisboeta pode mesmo fazer a festa do título já no domingo, caso os ‘dragões' percam em casa com o Gil Vicente, penúltimo classificado.

Enquanto os adeptos do Benfica festejavam mais um passo firme rumo ao segundo título consecutivo, os jogadores do Penafiel abandonavam cabisbaixos o relvado do Estádio da Luz, não tanto em consequência de uma derrota ‘normal', mas pelo que ela trouxe consigo: a confirmação da despromoção à II Liga.

Com Gaitán ainda lesionado, a nota de maior destaque no ‘onze' inicial do Benfica foi a titularidade de Salvio, que falhou os últimos três jogos dos ‘encarnados', também devido a lesão, entre os quais o ‘clássico’ com o FC Porto, cujo empate 0-0 deixou os lisboetas bem posicionados para a conquista do 34° troféu de campeão nacional.

Contagiado pelo ambiente de festa nas bancadas, o Benfica iniciou o jogo em ritmo acelerado e recolheu os dividendos logo aos oito minutos, na sequência de uma rápida jogada de contra-ataque conduzida do lado direito por Maxi Pereira, que colocou a bola com precisão para o desvio certeiro de cabeça de Lima.

O avançado brasileiro poderia ter ‘bisado' dois minutos mais tarde, após uma boa combinação entre Jonas e Salvio, mas o cruzamento do extremo argentino foi desviado para canto no último instante pela intervenção oportuna - ainda que muito arriscada - de Ustaritz.

Mesmo tendo aliviado a pressão, o Benfica chegou ao 2-0 aos 30 minutos através mais uma rápida transição ofensiva, desta vez conduzida por Salvio e concluída por Jonas, que ganhou espaço no interior da área e rematou com êxito, igualando o colombiano Jackson Martínez, avançado do FC Porto, no topo dos melhores marcadores da prova, com 18 golos.

Oito minutos mais tarde foi Haghighi que impediu Jonas de voltar a marcar, com uma saída corajosa aos pés do avançado brasileiro, mas o guarda-redes do Penafiel nada poderia fazer já em período de compensação, quando o remate de cabeça de Lima encontrou o poste esquerdo da sua baliza.

A segunda parte trouxe uma equipa do Benfica, aparentemente, menos agitada, mas, perante um adversário que parecia capaz de se desmoronar à mais leve brisa, os anfitriões passaram da vitória confortável à goleada no curto espaço de dois minutos, após a hora de jogo.

Aos 61 minutos, Pizzi surgiu sem marcação à entrada da área e fez o 3-0 com um remate muito próximo do poste e no minuto seguinte Lima conseguiu mesmo ‘bisar, aproveitando uma oferenda de Romeu Ribeiro para contornar Haghighi e atirar para a baliza deserta, concretizando o seu 17° golo no campeonato.

Aos 75 minutos, o cenário inverteu-se: Rabiola aproveitou uma falha de Luisão para se isolar perante Júlio César e, já depois de ter ultrapassado o guarda-redes - que fez o possível e o impossível para não cometer grande penalidade -, acertou na cabeça do bem posicionado Jardel, desperdiçando a única oportunidade de golo do Penafiel em todo o jogo.


Notícias relacionadas