Escolha as suas informações

Jornada 33. Gil Vicente, um estreante na Europa
Desporto 6 min. 10.05.2022
Liga portuguesa

Jornada 33. Gil Vicente, um estreante na Europa

Os jogadores do Gil Vicente festejam a vitória por 3-0 contra o Tondela no fim de semana passado. Com a vitória ficou garantido o acesso à 2.ª pré-eliminatória da Conference League.
Liga portuguesa

Jornada 33. Gil Vicente, um estreante na Europa

Os jogadores do Gil Vicente festejam a vitória por 3-0 contra o Tondela no fim de semana passado. Com a vitória ficou garantido o acesso à 2.ª pré-eliminatória da Conference League.
Foto: Estela Silva/Lusa
Desporto 6 min. 10.05.2022
Liga portuguesa

Jornada 33. Gil Vicente, um estreante na Europa

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
É a terceira equipa minhota de sempre apurada para a UEFA, graças à confirmação do quinto lugar a uma jornada do fim.

Falta uma jornada e o top 5 já está atribuído: FC Porto, Sporting, Benfica, Braga, Gil Vicente. Pela segunda vez na história da 1.ª divisão, o Gil acaba em quinto lugar. Em 2000, nada de Europa, o ranking português é fraco e tal, só dá para quatro mais o representante da Taça de Portugal. Vinte-e-dois anos depois, a UEFA recebe Barcelos de braços bem abertos. Outros tempos, de vacas (ou será galos?) menos magras e três competições europeias, uma delas a recém-criada Conference League.

A vitória clara vs Tondela por 3:0, com bis de Samuel Lino, garante o quinto lugar do Gil Vicente e afasta o Vitória SC das pretensões europeias em ano de centenário em Guimarães. O feito é grandioso, estamos a falar de um clube sem pergaminhos europeus nem sequer escala nacional. O seu currículo é curto, polvilhado com dois títulos da 2.ª divisão, em 1999 e 2011, mais 20 presenças na 1.ª divisão e uma final da Taça da Liga, perdida vs Benfica em 2012. Para 2021-22, o Gil dá mais espectáculo fora de casa do que em Barcelos. Falamos dos 11 jogos invictos desde o 1:0 vs Santa Clara nos Açores até ao 2:1 em Arouca. Nesse percurso, seis vitórias e cinco empates. No campo das vitórias, 2:1 vs Benfica na Luz. No campo dos empates, 1:1 vs FC Porto no Dragão – atenção, muita atenção, a jogar com dez elementos desde o segundo minuto de jogo, por expulsão do brasileiro Vítor Carvalho.

É um jogo incrível, romântico até dizer chega. O Gil encaixa o cartão vermelho directo sem dramas e faz o seu jogo de paciência. Ao todo, um remate à baliza (o golo de Fran Navarro, o momentâneo 0:1 aos 62’), quatro faltas cometidas e uma ideia de futebol bem concebida. O FC Porto passa quatro minutos em desvantagem até ao 1:1 de Evanilson. Seja, um ponto com dez é ouro e merece tudo de bom. Daí o sorriso do comum mortal pelo 3:0 vs Tondela. O Gil merece a Europa, a UEFA merece Barcelos. O salto é tremendo se tivermos em linha de conta a subida administrativa do Gil da 3.ª para a 1.ª em 2020, graças ao desenlace do famoso caso Mateus – agora a dar cartas no Torreense.

Pois bem, o Gil é o terceiro clube minhoto a chegar à Europa. O primeiro é o Braga em 1966. Pela primeira vez em oito anos desde 1958, o Benfica nada ganha: o Sporting é o campeão e o Braga levanta a Taça (1:0 vs Vitória FC no Jamor, golo do argentino Perrichon). Como tal, o Braga entra na Taça das Taças e calha-lhe em sorte o AEK, da Grécia. A primeira mão é em Atenas, a 28 Setembro 1966. O treinador Fernando Caiado escolhe Armando, José Maria (cap), Mário, Estevão, Agostinho Ribeiro, Neto, Sabu, Coimbra, Perrichon, Bino e Luciano. É este último, contratado ao Famalicão no Verão anterior, o autor do golo solitário na capital grega, aos 28 minutos.

Do Braga de Caiado para o Vitória SC de Caiado, três anos depois. Como o Estádio Municipal carece de iluminação nocturna, ainda se equaciona a possibilidade de transportar a eliminatória para o Porto. Tal implicaria um enorme sacrifício aos adeptos do Vitória e a direcção mantém a decisão de jogar em casa, à tarde. Meu dito, meu feito. Às 17h45 no dia 10 Setembro 1969, Vitória e Banik Ostrava (Checoslováquia) entram em campo e o golo só demora dez minutos a sair, cortesia Carlos Manuel, avançado de 29 anos, formado no Sporting e contratado ao outro Vitória, o de Setúbal em 1968, a passe do capitão Peres. Acaba assim, 1:0.

Braga vitória, Vitória SC vitória. Só falta o Gil alimentar o sonho de se estrear na Europa com 1:0 para fazer companhia aos vizinhos minhotos. O Gil até tem uma responsabilidade extra, porque Barcelos faz parte do roteiro desportivo internacional. Ou não fosse o Óquei uma referencia incontornável do nosso contentamento.

A subida estratosférica é admirável e digna de figurar nos compêndios de feitos inigualáveis. Em 1982, Barcelos é a sede do Mundial do hóquei em patins, conquistado por Portugal pela 12.ª vez. A cidade acorda para a prática da modalidade e o Óquei sobe à 1.ª divisão em 1986. Na segunda época entre os grandes, chega a primeira qualificação europeia, para a Taça CERS (espécie de Taça UEFA).


Conta-me como foi da bola
Efemérides e histórias caricatas do futebol pelo jornalista Rui Miguel Tovar.

Em 1991, taaaaau, ganha a Taça dos Campeões. Caprichos do hóquei, o Óquei é campeão europeu sem nunca ter ganho a 1.ª divisão. No outro lado do ringue, os italianos do Roller Monza. Na sequência do título, joga-se a Supertaça europeia e o Sporting nem é tido nem achado nas contas (11:2 e 5:3 nas duas mãos). Na sequência do título, parte 2, joga-se o Mundial de clubes. O Sertãozinho, do Brasil, faz os dois jogos em casa e apanha 9:4.

Dois anos depois, em 1993, o Óquei levanta a Taça das Taças (14:3 vs Thunerstern, da Suíça). Mais dois anos, em 1995, a vez da Taça CERS (10:6 vs Tordera, de Espanha). Magia em Barcelos. Que o futebol faça jus ao hóquei é missão impossível. Basta-nos um Gil igual a si mesmo, como no Dragão, para dar uma bicada ou outra além-fronteiras.

Resultados: 

  • Boavista                      1:1             Vitória SC
  • Estoril                         1:0             Moreirense
  • Benfica                       0:1             FC Porto
  • Portimonense            2:3             Sporting
  • Vizela                          1:1             Marítimo
  • Gil Vicente                  3:0             Tondela
  • Braga                          1:0             Arouca
  • Santa Clara                2:0             Paços
  • B SAD                         1:2             Famalicão

(Autor escreve de acordo com a antiga ortografia.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

FC Porto continua o rei dos pontos com o 4:2 em Paços, à frente de Sporting (o rei dos golos sofridos) e Benfica (o rei dos golos marcados).
Luiz Carlos, do Paços de Ferreira, em ação com Mehdi Taremi do FC Porto, durante o encontro entre as duas equipas este domingo à noite.