Escolha as suas informações

Jogadores não cantaram o hino e Irão ameaçou prender e torturar as famílias
Desporto 29.11.2022
Mundial 2022

Jogadores não cantaram o hino e Irão ameaçou prender e torturar as famílias

A equipa iraniana inteira não cantou o hino nacional no jogo de abertura do Campeonato do Mundo contra a Inglaterra.
Mundial 2022

Jogadores não cantaram o hino e Irão ameaçou prender e torturar as famílias

A equipa iraniana inteira não cantou o hino nacional no jogo de abertura do Campeonato do Mundo contra a Inglaterra.
Foto: AFP
Desporto 29.11.2022
Mundial 2022

Jogadores não cantaram o hino e Irão ameaçou prender e torturar as famílias

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
O Irão entra em campo esta terça-feira contra os Estados Unidos e é esperado que os jogadores cantem o hino nacional, depois de sofrerem ameaças contra os seus familiares.

Foi um dos primeiros - e mais fortes - atos de protestos do Mundial de Futebol no Qatar até ao momento. 

A 21 de novembro, no primeiro jogo da seleção iraniana, contra a Inglaterra, os jogadores não cantaram o hino nacional como forma de apoio às mulheres do Irão e às manifestações que se prolongam há dois meses, desde a morte da jovem Mahsa Amini pelas mãos da "polícia da moralidade".  

No entanto, na partida contra o País de Gales da passada sexta-feira, 25, os jogadores entoaram o hino (e receberam apupos dos adeptos nas bancadas) numa mudança de comportamento que pode ser explicada com os acontecimentos divulgados pela CNN Internacional. 


Irão. ONU abre investigação à repressão de protestos
O Conselho de Direitos Humanos da ONU pretende reunir provas que possam, mais tarde, servir para julgar os responsáveis.

Segundo uma fonte envolvida na segurança dos jogos do mundial, as famílias da equipa de futebol foram ameaçadas. Após o silêncio dos jogadores durante o hino, estes foram convocados para uma reunião com membros do Corpo de Guarda Revolucionário Iraniano (IRGC). Foi-lhes então feito um ultimato: ou cantam o hino e não participam em qualquer protesto político contra o regime de Teerão ou os familiares sofreriam as consequências, enfrentando a prisão, "violência e tortura". 

Carlos Queiroz, o treinador português da seleção iraniana, também terá tido um encontro em separado com os oficiais do IRGC, na sequência destas ameaças, disse a mesma fonte à estação de televisão, mas sem adiantar o conteúdo da conversa.


O ativista Mario Ferri correndo pelos relvados do Portugal-Uruguai, aqui sob o olhar admirado de Cristiano Ronaldo.
Quem é Mario, o homem que invadiu o Portugal-Uruguai
Em pleno jogo, Mario, um ativista dos direitos humanos entra a correr pelo relvado com uma bandeira arco-íris t-shirt de super-homem surpreendendo os jogadores.

A fonte, que está a acompanhar de perto as agências de segurança do Irão que operam no Qatar durante o período do Campeonato Mundial, disse à CNN que vários oficiais do IRGC tinham sido convocados para acompanhar os jogadores, uma vez que estes não estão autorizados a misturar-se fora do plantel ou a encontrar-se com estrangeiros. 

"Há um grande número de oficiais de segurança iranianos no Qatar que recolhem informações e controlam os jogadores", confirmou. 

O Irão entra em campo contra os Estados Unidos, nesta terça-feira, às 19h.   

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.