Escolha as suas informações

FC Porto condenado a pagar dois milhões ao Benfica no caso dos e-mails
Desporto 07.06.2019

FC Porto condenado a pagar dois milhões ao Benfica no caso dos e-mails

FC Porto condenado a pagar dois milhões ao Benfica no caso dos e-mails

Foto: Lusa
Desporto 07.06.2019

FC Porto condenado a pagar dois milhões ao Benfica no caso dos e-mails

O FC Porto SAD e Francisco J. Marques foram parcialmente condenados no caso dos e-mails, tendo de pagar cerca de dois milhões de euros aos encarnados que pediam uma indemnização de cerca de 17 milhões.

A notícia foi avançada esta manhã pelo Jornal de Notícias. Segundo a decisão a que o JN teve acesso, a FC Porto SAD e Francisco J. Marques foram condenados a pagar cerca de dois milhões de euros, 523 mil euros por danos patrimoniais emergentes e 1,4 milhões por danos não emergentes.

Segundo a mesma fonte, A SAD azul e branca e Francisco J. Marques, diretor de comunicação dos dragões, foram condenados a pagar cerca de dois milhões de euros, valor que compreende 523 mil euros de danos patrimoniais emergentes e 1,4 milhões de danos não emergentes. Os administradores da SAD Pinto da Costa, Fernando Gomes e Adelino Caldeira, e a empresa Avenida dos Aliados, terão sido absolvidos no processo.

Em causa está a divulgação de correio eletrónico por Francisco J. Marques no programa televisivo Universo Porto da Bancada, do Porto Canal, entre abril de 2017 e fevereiro de 2018.

Recorde-se que a SAD do Benfica corresponsabilizava por concorrência desleal e danos de imagem, no âmbito da divulgação dos e-mails, a SAD portista, Pinto da Costa, presidente do clube, os administradores Fernando Gomes e Adelino Caldeira e o diretor de comunicação, Francisco J. Marques, além da Avenida dos Aliados, empresa detentora da estação televisiva Porto Canal.

No processo, a SAD ‘encarnada’ corresponsabilizava por “danos de imagem” causados pela divulgação dos emails a homóloga do FC Porto, o presidente da SAD e do clube, Pinto da Costa, os administradores Fernando Gomes e Adelino Caldeira e o diretor de comunicação, Francisco J. Marques, além da FCP Media, empresa detentora da estação televisiva Porto Canal.

O Benfica alegava que a divulgação dos emails lhe afetou a credibilidade, prejudicando os seus interesses comerciais e chegando a provocar a queda de cotação das ações da Sociedade Anónima Desportiva.

Já o FC Porto defendeu ter-se limitado a divulgar informação de interesse público, alegando o correio eletrónico divulgado revelou práticas deturpadoras da verdade desportiva.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas