Escolha as suas informações

FC Differdange divulga vídeo para revelar "verdade" e considera decisão do título "ridícula"
Desporto 1 4 min. 29.05.2019 Do nosso arquivo online

FC Differdange divulga vídeo para revelar "verdade" e considera decisão do título "ridícula"

Ruben Oliveira e Joe Monteiro da Veiga num encontro entre o Racing e o FC Differdange em abril passado.

FC Differdange divulga vídeo para revelar "verdade" e considera decisão do título "ridícula"

Ruben Oliveira e Joe Monteiro da Veiga num encontro entre o Racing e o FC Differdange em abril passado.
Foto: Stéphane Guillaume/Luxemburger Wort
Desporto 1 4 min. 29.05.2019 Do nosso arquivo online

FC Differdange divulga vídeo para revelar "verdade" e considera decisão do título "ridícula"

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Federação Luxemburguesa de Futebol atribuiu o título de campeão na secretaria ao Racing Luxembourg.

(Notícia atualizada às 15:57.)

O FC Differdange 03 considera a decisão de atribuir o campeonato de futsal ao Racing Luxembourg na secretaria pela Federação Luxemburguesa de Futebol (FLF, na sigla francesa) como "ridícula". Na tarde em que foi anunciada a decisão, 28 de maio, o clube divulgou um vídeo onde mostra os confrontos entre jogadores e equipas técnicas no encontro FC Differdange-Racing a dia 5 de maio, - que levou mesmo à suspensão do campeonato - para mostrar que decisão da FLF é "ridícula". 

Face aos incidentes de domingo dia 5 de maio entre as duas equipas e adeptos no encontro FC Differdange 03- Racing Luxembourg, o Conselho de Administração da FLF decidiu suspender  o campeonato logo no dia a seguir aos confrontos. O organismo tutela o campeonato luxemburguês de futsal. "A decisão inicialmente tomada pela Federação no dia 6 de maio, que foi aquela de anular o campeonato, foi completamente precipitada, ou seja, e o que hoje acabou por confirmar é que além de ser precipitada acabou por ser ridícula", qualifica o dirigente ao Contacto.  

Num comunicado enviado às redações o FC Differdange considera também que há um duplo critério no tratamento da modalidade em relação a casos idênticos no futebol. "Com tais decisões tomadas, a FLF acaba de abrir um precedente que terá de aplicar para casos idênticos ao futebol", pode ler-se, 

Questionado sobre o objetivo da divulgação do vídeo, Filipe Costa, responsável pela seccão de futsal do FC Differdange, afirma que antes de tudo era necessário "limpar a imagem do clube e da comuna" . "A primeira imagem que passou quando a confusão começou foi a de que o Differdange, clube e a vila ligavam rapidamente com violência, no sentido que nós é que fomos a equipa que teve muito mal no campo, que fomos super violentos". E refere-se também a "batalhas campais, mas no sentido único, porque nunca se referiu que o Racing sequer levantou um dedo", aponta. 

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Para o clube o vídeo divulgado é a prova de que o título de campeão 2019 na secretaria entregue ao Racing de forma "injusta, incoerente e precipitada" e de que "não houve cá violências como toda a gente falou". E fala em "precipitação dos árbitros", nomeadamente devido ao relatório que foi redigido após os incidentes, considerado "muito agressivo". 

No vídeo, "que esteve na posse da Federação antes de ser divulgado para os media", pode ver-se uma baguete a ser atirada da bancada para o campo. Filipe admite que esta tenha vindo "da parte dos adeptos Differdange", e "condena as ações" que chegaram inclusivamente às autoridades policiais. Mas afirma que não há intenção do adepto em agredir o árbitro com o objeto. "Não, o árbitro é que estava ali num mau lugar, porque essa baguete era para um jogador do Racing que naquele momento estava a provocar alguém da bancada", contrapõe. "Ou seja, tudo parte de ações que despertam ações", remata. 

Por outro lado, a atribuição do campeonato ao Racing era o anúncio esperado pela presidente do clube, Karine Reuter, que a 8 de maio pediu à FLF para retomar o campeonato ou atribuir a vitória ao seu clube na secretaria. Filipe Costa lamenta que a grande vítima no caso seja a modalidade em si, admite que ambas as equipas têm culpa no cartório, mas contesta que o Differdange seja o bode expiatório. "Os atos de violência "não foram assim tão graves apesar de serem 50-50. (...) "Somos culpados por alguma coisa mas não por tudo", diz. 

Mas agora com a decisão de atribuir o campeonato ao clube da capital eu só vejo "uma vítima e um culpado". 

Fala também em "desconforto" e "indignação" na decisão que considera "desproporcionada". E acrescenta que havia outras opções sem ser estas", como "ou ninguém ganhava ou ficava tudo igual". "Ou voltávamos atrás mas acho que aí o orgulho da Federação seria tão grande que mas vale ficar no seu orgulho e não voltar atrás. Eu acho que foi isso que jogou", afirmou. "Acho que foi das piores decisões tomadas", lamentou.

 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Agressões no futsal: O que eles pensam dos castigos
O Contacto recolheu várias opiniões de jogadores, treinadores e árbitros sobre as agressões no jogo Wilwerwiltz-Wiltz (Liga 2) que levou à suspensão do campeonato de futsal e dos jogadores envolvidos nas agressões.