Escolha as suas informações

EUA anunciam boicote diplomático a Jogos de Inverno em Pequim
Desporto 2 min. 07.12.2021 Do nosso arquivo online
2022

EUA anunciam boicote diplomático a Jogos de Inverno em Pequim

Cidadãos passeiam perto da pista de ski e snowboard para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno, em Pequim em 2022.
2022

EUA anunciam boicote diplomático a Jogos de Inverno em Pequim

Cidadãos passeiam perto da pista de ski e snowboard para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno, em Pequim em 2022.
Foto: AFP
Desporto 2 min. 07.12.2021 Do nosso arquivo online
2022

EUA anunciam boicote diplomático a Jogos de Inverno em Pequim

Lusa
Lusa
A par com associações e ONGs, o Governo americano acusa o governo chinês de manter mais de um milhão de muçulmanos uigures em campos de reeducação política.

Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira um boicote diplomático aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno Pequim2022, devido às "flagrantes violações dos direitos humanos" em curso em Xinjiang.

"O governo [do presidente Joe] Biden não enviará nenhuma representação diplomática nem oficial aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno Pequim2022", disse a porta-voz da Casa Branca, em conferência de imprensa.

Estando presente, "a representação diplomática norte-americana trataria estes Jogos como se nada se passasse, apesar das flagrantes violações dos direitos humanos e atrocidades da China em Xinjiang", justificou Jen Psaki. "E isso não podemos fazer", completou.

Com o boicote, nenhum representante do governo dos Estados Unidos estará presente em Pequim2022, embora a decisão não afete os atletas norte-americanos apurados para as duas competições. "Os atletas da equipa norte-americana têm o nosso apoio. Estaremos com eles a 100%", declarou a porta-voz.

Em reação à tomada de posição norte-americana, o Comité Olímpico Internacional (COI) diz "respeitar" a mesma, bem como regozija-se por esta decisão "política" não colocar em causa a participação dos desportistas norte-americanos. 


O que aconteceu a Peng Shuai? O estranho fenómeno das pessoas que desaparecem na China
A tenista Peng Shuai reapareceu no fim de semana, após semanas sem dar notícias. Diz estar bem e quer privacidade, mas as circunstâncias do seu afastamento continuam por explicar.

"A presença de responsáveis governamentais e diplomatas é uma decisão puramente política de cada governo, que o COI, dentro da sua neutralidade política, respeita plenamente", indicou um porta-voz do organismo olímpico à AFP.

Em 18 de novembro, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já tinha admitido que o país estava "a considerar" um boicote diplomático aos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim2022, como forma de protesto contra a violação de direitos humanos em solo chinês.

Associações e organizações não-governamentais há muito que instam a um boicote a Pequim2022, acusando o governo chinês de manter mais de um milhão de muçulmanos uigures em campos de reeducação política na província de Xinjiang, uma realidade que os norte-americanos denunciam como uma situação de "genocídio".


UE insta Pequim a libertar e tratar jornalista presa por filmar quarentena em Wuhan
O apelo emitido esta terça-feira pela União Europeia "surge na sequência de repetidos pedidos -- mas sempre sem resposta -- dirigidos às autoridades chinesas sobre a situação de Zhang Zhan", sublinhou a porta-voz do Alto Representante da UE para a Política Externa.

Pequim2022 decorrerá de 04 a 20 de fevereiro do próximo ano, na capital chinesa, e a participação no evento tem dividido a política norte-americana, com vários projetos no Congresso destinados quer a sancionar empresas que apoiem o evento quer a instar a um boicote total.

O Comité Olímpico Norte-Americano pediu, contudo, para que não se punam os atletas após quase dois anos de pandemia de covid-19, além de lembrar o boicote em Moscovo1980, entre outros, como "um erro", dada a transformação do desporto numa "ferramenta política".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas