Escolha as suas informações

Eriksen, o herói do Euro itinerante
Desporto 9 min. 18.06.2021 Do nosso arquivo online
Euro 2022

Eriksen, o herói do Euro itinerante

Euro 2022

Eriksen, o herói do Euro itinerante

AFP
Desporto 9 min. 18.06.2021 Do nosso arquivo online
Euro 2022

Eriksen, o herói do Euro itinerante

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
Eriksen, Eriksen, Eriksen. É o nome mais falado de sábado, dia 12. No domingo, a conversa é outra. A vida não pára, a UEFA também não

E que tal? E que tal recuarmos no tempo só para contextualizar a cena? E, já agora, para recordar o momento mais glorioso de Portugal. Ya, boa ideia. Paris, Stade de France, 10 Julho 2016. Já sem o capitão Ronaldo, lesionado por Payet antes do intervalo, a selecção portuguesa defende o 0:0 com a garra que se lhe reconhece. Patrício está a fazer um dos jogos da sua vida, com defesas memoráveis. Griezmann, neto de um português jogador da bola em Paços de Ferreira, até vai aos arames com a elasticidade do Keeper. 

Aos 78 minutos, a chave da final do Euro. No lado francês, entra Gignac. No português, Éder substitui Renato Sanches. A partir desse momento, o jogo nunca mais vai ser o mesmo. No instante seguinte, Portugal assusta Lloris. O cruzamento de Nani é, afinal, um remate envenenado. O capitão francês dá uma sapatada na bola e Quaresma aproveita para brilhar com um pontapé de bicicleta para outra intervenção aparatosa de Lloris. Em cima dos 90’, o árbitro dá três minutos de descontos. Aguenta coração. Perto do soar do gongo, a bola ronda a baliza portuguesa. De repente, Gignac dá um nó cego em Pepe e atira rasteiro. A bola, caprichosa, bate no poste e continua em campo. Portugal respira de alívio, a França desespera. Acto contínuo, peeep peeep peeeeeeeep. É o final do jogo, vamos para prolongamento.

Na primeira parte, só um remate enquadrado com a baliza e é de Éder à figura de Lloris, após canto de Quaresma. Na segunda parte, há 200 segundos verdadeiramente deliciosos. Aos 107’, Éder mete mão à bola numa jogada confusa perto da área francesa e o árbitro interpreta falta de Koscielny. Até lhe mostra o cartão amarelo e tudo. Na marcação do livre, o lateral-esquerdo Raphaël Guerreiro atira à trave. É agora, é o momento do tudo ou nada. Sente-se. A bola é lançada para o meio-campo e Moutinho recupera-a (com falta sobre Griezmann, pé em riste). João Mário estica o jogo para Éder e o avançado começa a correr para a baliza. Às tantas, despede um remate do além. Lloris estica-se. Em vão. É o 1:0. Está bom assim, não mexe mais.

Pela quarta vez na história entre Mundiais e Europeus, o anfitrião perde uma final. E a língua portuguesa está sempre envolvida. Em 1950, o Brasil sofre com o Uruguai em pleno Maracanã (2:1 de virada). Em 1958, o Brasil vinga-se em cima da Suécia (5:2). Já no século XXI, em 2004, a Grécia silencia a Luz (1:0) e agora isto. O isto é tão-só o golo mais importante da história de Portugal, e marcado por um suplente. Éder é um case-study. Nascido em Bissau, aterra em Portugal aos três anos e os pais entregam-no a uma instituição chamada Lar do Girassol, ali para os lados de Coimbra. Até aos 18, é lá que Éder passa a vida. A partir daí, ganha asas no futebol e faz um percurso pouco comum até chegar aos 23 convocados de Santos. Para começar, uma só internacionalização nos escalões jovens (sub-21). Depois, a falta de golo nos primeiros 17 jogos implica a falta de empatia dos adeptos. No Euro-2016, joga 13 minutos nos dois primeiros jogos, seis vs Islândia mais sete vs Áustria. Desaparece de cena. E só volta a reaparecer na final de Saint-Denis, onde se torna o autor do golo mais importante de sempre da selecção. O um-zero à França é a consagração do avançado do Lille. Sim, ele joga em França. Mon Dieu, ele há coincidências.

Passa-se um ano. Dois. Três. Quatro. Aí vamos nós, Euro-2020. Ups, afinal ainda não é a hora. A pandemia toma conta da actualidade mundial e adia tudo. Portugal segura o título por mais um ano. Ao todo, 1828 dias com o caneco até à final do Euro-2020-que-é-em-2021, no dia 11 Julho, em Wembley. E aí, quem sabe se Portugal não imita a Espanha, a única selecção até agora a reter a taça. Vamos com calma, muita calma. Até porque este Euro é especial. Joga-se em 11 cidades de 11 países. No início do plano, arquitectado pelo então presidente uefeiro Michel Platini, até se contabilizam 13. Só que Bruxelas não acaba o estádio a tempo e Dublin não está para receber adeptos com medo do corona vírus. Onze, como um jogo de futebol. Ele há coincidências (parte ii). 

O arranque é em Roma. A Itália, com 10 vitórias em 10 jogos na fase de qualificação, mantém o ritmo vertiginoso e dá um amasso à pobre Turquia, cujos números mostram uma fragilidade impensável, sobretudo até ao intervalo: zero remates à baliza, zero remates desenquadrados, zero remates bloqueados, zero foras-de-jogo, zero contra-ataques, zero cantos. Zero, bem redondo. A Itália primeiro estranha (0:0 ao intervalo), depois entranha (3:0). O primeiro golo é na própria baliza, da autoria de Demiral. Por incrível que pareça, a Juventus vai anotar outro golo assim, agora pertença do guarda-redes polaco Szczesny num 2:1 a favor da Eslováquia daí a três dias. 

Nesse parêntesis de tempo, o Euro conhece o herói mais heróico dos super-heróis. Pleonasmo atrás de pleonasmo, Eriksen merece. No jogo mais nórdico possível, vs Finlândia, em Copenhaga, o número 10 da Dinamarca cai sozinho perto da linha lateral. O pânico é visível no rosto de todos, sejam jogadores, treinadores, árbitros, adeptos. Há lágrimas a rodos, espera-se o pior. A intervenção médica é eficaz, através de dois velozes socorristas a atravessar o relvado de uma ponta à outra. Quando Eriksen sai de maca, ao fim de uns angustiantes e intermináveis minutos, a incerteza é ilimitada. O homem está no fio da navalha.

No quadradinho seguinte, Eriksen recupera a consciência e já fala por telemóvel. Pede aos companheiros para continuar o jogo. A Finlândia aceita. Baaah, seja como for, o futebol nunca mais será o mesmo. Ninguém é capaz de viver aquele suplício e voltar a jogar como se nada fosse 90 minutos depois. Nem no dia seguinte, quanto mais. Seja feita a vossa vontade (a de Eriksen). As três equipas reentram em campo, os adeptos idem idem. E a bola, aspas aspas? Só para a Finlândia. Completamente de cabeça à banda, a Dinamarca só está ali, a fazer figura de corpo presente. Vai daí, perde 1:0 e até falha um penálti. O remate sai denunciado como quem está ali a fazer um frete.

Nessa noite, a Bélgica atira-se à Rússia sem dó nem piedade. O factor casa em São Petersburgo é um pormenor irrelevante. A Bélgica, 100% vitoriosa na qualificação, como a Itália, ganha 3:0, como a Itália. A figura é Lukaku, o avançado mais eficaz dos últimos cinco anos à conta dos 45 jogos em 43 internacionalizações. Na base deste registo, a entrada do seleccionador Roberto Martínez, um espanhol com jeito para a coisa, coadjuvado pelo francês Thierry Henry. Antes dele, Lukaku marcara 17 em 51 jogos. Dá que pensar. No jogo e na sala de imprensa, Lukaku fala de Eriksen pelos cotovelos. Porque sim, porque sim, outra vez, e porque é seu companheiro no Inter. Juntos, sagram-se campeões italianos.

 Eriksen, Eriksen, Eriksen. É o nome mais falado de sábado, dia 12. No domingo, a conversa é outra. A vida não pára, a UEFA também não. À hora do almoço, 1:0 da Inglaterra vs Croácia em Wembley. Acredite, é a primeira vitória inglesa no jogo de abertura de um Euro em dez participações. Bem lhe disse, acredite. Ao fim de cinco empates e quatro derrotas, o 1:0 de Sturridge é uma boa notícia. Como se isso fosse pouco, Southgate lança o mais jovem de sempre em Europeus. Chama-se Jude Bellingham e é o primeiro menor em acção, graças aos seus imberbes 17 anos e 349 dias (bate o recorde do holandês Jetro Willems, com 18 anos e 71 dias).

 

Passa-se uma horita e cai outro recorde, agora o do titular mais velho de sempre em Europeus. Com 37 anos e 321 dias, Pandev exibe-se com a braçadeira de capitão e o número 10 da estreante Macedónia do Norte. Para comemorar o feito, toma lá um golo. É o momentâneo 1:1. A Áustria é que lhe fura os planos de uma alegria completa e ganha 3:1 com golos dos suplentes Gregoritsch e Arnautovic – uma vez, em 2004, Portugal também faz a dobradinha no banco, com Postiga e Rui Costa vs Inglaterra, na Luz.

 

Passa-se outra hora e eis o jogo do torneio. As duas equipas mais novas oferecem um espectáculo digno de registo em Amesterdão e acumulam cinco golos na segunda parte, algo só visto em 2012 entre a Alemanha de Joachim Löw e a Grécia de Fernando Santos – curiosamente, reencontram-se este sábado em Munique. A Holanda não joga um torneio desde o 3:0 vs Brasil para o apuramento do 3.º e 4.º lugares do Mundial-2014 e abre uma vantagem de dois golos, ambos marcados pela letra W (Wijnaldum e Weghorst). Pois bem, a Ucrânia responde à letra com Y (Yarmolenko e Yaremchuk). Decide um cabeceamento de Dumfries a cinco minutos do fim.

 

À hora desse 3:2, chega Diogo Dalot a Budapeste. De férias? Isso é no Dubai, em Budapeste é para trabalhar no duro. As voltas que a vida dá. O capitão dos sub21 é chamado para o lugar de João Cancelo, afastado à última hora por acusar positivo de covid. Portugal tem um case study com os laterais, chi-ça: em 1986, Bandeirinha substitui Veloso; em 2002, Kenedy vai ao ar: agora é Cancelo. Que saga.

 A Espanha queixa-se do mesmo, por força da ausência do capitão Busquets, e, uma semana depois do 0:0 vs Portugal em Madrid, volta a deixar-se anular, vs Suécia em Sevilha. Disso se aproveita a Eslováquia para dormir em primeiro lugar (o tal 2:1 à Polónia de Paulo Sousa). A vizinha República Checa é também dona da liderança no grupo D, graças ao 2:0 vs Escócia em Glasgow. Isto de jogar em casa nem sempre traz benefícios e Portugal dirá de sua justiça este sábado em Munique, vs Alemanha. Quem faz de Éder?

 

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Embarcamos na história para contar o currículo assim-assim de Portugal vs. África para alertar a malta, como quem diz "isto é tudo menos favas contadas".
Jogadores do Gana na sessão de treinos, em Doha, na preparação do jogo com Portugal.
Um seleccionador chega aos 100 jogos pela primeira vez na história centenária de Portugal. As vitórias vs campeões mundiais de Fernando Santos.
Fernando Santos numa sessão de treinos na Cidade do Futebol, em Oeiras, a 8 de junho de 2022.