Escolha as suas informações

Egan Bernal, da bicicleta de montanha à vitória na Volta a França
Desporto 2 min. 29.07.2019

Egan Bernal, da bicicleta de montanha à vitória na Volta a França

O colombiano Egan Bernal ganhou a Volta a França aos 22 anos, um dos mais jovens vencedores de sempre da mais importante prova velocipédica do mundo.

Egan Bernal, da bicicleta de montanha à vitória na Volta a França

O colombiano Egan Bernal ganhou a Volta a França aos 22 anos, um dos mais jovens vencedores de sempre da mais importante prova velocipédica do mundo.
Foto: AFP
Desporto 2 min. 29.07.2019

Egan Bernal, da bicicleta de montanha à vitória na Volta a França

Álvaro CRUZ
Álvaro CRUZ
Com apenas 22 anos, Bernal (INEOS) tornou-se o primeiro colombiano a conquistar a Volta a França em bicicleta. Foi o terceiro mais jovem a vencer a 'Grande Boucle', depois do francês Maurice Garin, em 1904, e do luxemburguês François Faber, em 1909, assumindo-se como o grande protagonista da maior prova velocipédica do mundo.

"Vestir a camisola amarela é a maior emoção da minha vida. Ainda não consigo acreditar. Fiquei com vergonha, quase chorei na subida ao pódio. Vi o meu pai e a minha namorada, à minha frente, a chorarem. Foi muito emocionante", disse Bernal pouco antes de partir para a derradeira etapa que lhe garantiria a vitória no Tour. Uma vitória tão merecida quanto inesperada.

Egan Arley Bernal Gómez nasceu em Bogotá, a 13 de janeiro de 1997. O pai, alemão, antigo ciclista de estrada, iniciou-o desde os cinco anos na modalidade. Aos oito, participou na sua primeira corrida, ganhou-a, e o prémio foi uma bolsa de formação numa escola de ciclismo em que permaneceu mais de um ano.

Depois, passou a praticar em provas de montanha, nas quais conseguiu medalhas de prata e bronze nos mundiais de 2014 e 2015 em categoria júnior. Ainda em 2015, foi campeão pan-americano júnior, conquistou a World Junior Séries, na Califórnia, e em 2016 transferiu-se para o ciclismo de estrada, assinando um contrato com a equipa italiana Androni Giocattoli-Sidermec, com a qual venceu várias provas, acabando por transferir-se para a Sky, em 2018.

Na categoria WorldTour mostrou estar à altura dos melhores, conseguindo vitórias no Tour Down Under, Volta a Catalunha e Tour da Romandia, vencendo ainda o campeonato da Colômbia de ciclismo em contrarrelógio e o prémio Colômbia Oro e Paz, impondo-se aos melhores ciclistas do seu país.

Mas foi em 2019 que o mundo do ciclismo começou a fixar o nome de Egan Bernal. Depois de algumas quedas que o prejudicaram em 2018, o jovem colombiano começou da melhor forma a presente temporada com vitórias na clássica Paris-Nice e na Volta à Suíça.

A chegada aos Campos Elísios, em Paris.
A chegada aos Campos Elísios, em Paris.
Foto: AFP

Tudo apontava para que fosse uma das principais apostas da Ineos no Giro mas uma queda que lhe provocou uma fratura da clavícula retirou-lhe a hipótese de fazer a corrida transalpina, passando dessa forma a ser opção para o Tour. "As coisas acontecem por alguma razão, é incrível. Se tivesse ido à Volta a Itália, se não tivesse caído, não estava agora aqui com a camisola amarela", confidenciou a duas etapas do final do Tour.

Em Bruxelas, o sul-americano recomeçou. Três semanas antes da Volta a França. E fez história. Estava escrito no destino. Um destino que não se resumiu às vontades da natureza. Ninguém conseguirá dizer ao certo o que se passaria se a antepenúltima etapa do Tour que terminava em Tignes não tivesse sido neutralizada a cerca de 30 quilómetros, assim como ninguém conseguirá dizer ao certo o que se passaria na penúltima tirada a acabar em Val Thorens se não tivesse sido reduzida a menos de metade, também por más condições climatéricas. Uma coisa é certa: Egan Bernal estava preparado para fazer a diferença nas últimas subidas da Volta à França e provo-o.

Atacou quando tinha de atacar e passou para a frente quando tinha de passar. Chegou a líder da prova no momento certo, aguentou de amarelo 59km até Val Thorens e acabou por sagrar-se vencedor, nos Campos Elísios, onde subiu ao pódio, em lágrimas, que exteriorizavam um sonho que se pensa impossível mas que se torna realidade.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.