Escolha as suas informações

Conta-me como foi da bola: Artur Jorge, o artista completa 75 anos
Desporto 13 min. 19.02.2021 Do nosso arquivo online

Conta-me como foi da bola: Artur Jorge, o artista completa 75 anos

��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������

Conta-me como foi da bola: Artur Jorge, o artista completa 75 anos

Desporto 13 min. 19.02.2021 Do nosso arquivo online

Conta-me como foi da bola: Artur Jorge, o artista completa 75 anos

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
Esquecemo-nos, imperdoável: o homem sopra as velas no dia 13 e esquecemo-nos, baahhhhh; desculpa Rei Artur

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Uma coisa é acertar um pontapé de moinho assim de repente e nunca mais repetir a façanha. Outra coisa é aperfeiçoar o pontapé de moinho uma dezena de vezes. Quem o consegue assim de repente, é um feito formidável, de arrancar aplausos da bancada, até por parte dos adeptos adversários. Porque não, o fair-play é isso mesmo. Quem o consegue uma dezena de vezes, só pode ser um génio. É impossível um john doe levantar o corpo de modo a que fique paralelo ao relvado (ou pelado, mais doloroso ainda) antes de cruzar as pernas como se fosse uma tesoura para dar mais potência à bola. O gesto perfeito só se atinge com aplicação extrema. E técnica apurada. Artur Jorge é, neste ranking, o nosso rei do pontapé de moinho. Curiosamente, o homem é rei em diversos assuntos, como presidente presidente do Sindicato dos Jogadores, primeiro treinador português a sagrar-se campeão europeu (Porto 1987), primeiro treinador português a levantar uma Taça lá fora (PSG 1993), primeiro treinador a vencer um campeonato no estrangeiro (Paris SG 1994) e, extra-futebol, primeiro homem da bola a escrever um livro de poesia, chamado “Vértigo de Água”.

Posto isto, voltamos ao ponto de partida: o pontapé de moinho ou de tesoura. Até tem mais lógica ser o de moinho, porque o primeiro lance genial de Artur Jorge observado in loco pelos jornalistas portugueses e não só é na Holanda, durante o Europeu sub-18. Outra curiosidade, é 1 Abril. De 1964. Portugal é treinado pelo senhor Gastão Silva e o seu guarda-redes é um tal Damas. Que fará carreira de sonho no Sporting. No ataque, o 9 é Jorge. Às vezes, Jorge Teixeira. O Artur vem mais tarde, sabe-se lá porquê. O que se sabe é que o jogo é o último da fase de grupos, com a Checoslováquia, em Utrecht. Antes, a selecção dera água pela barba à Itália e Grécia, ambas por 2-1. Artur Jorge pica o ponto uma, outra vez e mais uma. Três golos em dois jogos. Assume-se como craque. E vai acrescentar mais volume a essa distinção na vitória inequívoca por 4-0, muito por culpa do lance do primeiro golo, ainda antes de concluído o primeiro minuto. A bola sai nossa e atacamos sem rodriguinhos. O extremo-esquerdo João Carlos atira à trave e Artur Jorge, todo no ar, naquele exercício aerodinâmico de difícil execução e cheio de repentinismo, faz a recarga com êxito. A bola entra nas malhas à guarda de Patrhasek, os holandeses aplaudem ruidosamente. Os portugueses nem se fala. É um gesto técnico elástico, do mais acrobático que há aí na praça. Artur Jorge é rei.

O Euro sub-18 continua e Portugal é afastado da final pela Inglaterra sem apelo nem agravo: 4-0 em Haia. Quem não joga? Artur Jorge. Entra Carmo Pais. Nada a fazer, ao intervalo já há 3-0. Os ingleses, dizem os jornais da época, entram como cães em vinha vidimada. Resta-nos a consolação. No jogo de atribuição do terceiro e quarto lugares, aparece-nos a Escócia à frente. O 2-2 no final dos 80 minutos implica prolongamento. Aos 85', Artur Jorge é o nosso salvador. Ele que, atenção, havia feito a assistência para o 1-0 de Nélson e criara a manobra de diversão para o penálti do 2-0, também de Nélson. “Jogámos sempre unidos, de olho na vitória. Quando se entra em campo com confiança nas reais capacidades de um e do outro lado, é mais fácil conviver durante os 80 minutos. Como jogamos constantemente ao ataque, sabemos de antemão que vamos criar uma série de oportunidades e, dessa forma, o golo está mais perto. Pessoalmente, claro que me sinto feliz e preenchido com os cinco golos, mas o colectivo está à frente de todos os interesses e acabar em terceiro é um prémio para uma equipa recheada de talentos. Vão ouvir falar de nós daqui a uns (poucos) anos.” Com o 3-2 final, Artur Jorge proclama-se melhor marcador do torneio e inicia uma carreira fulgurante a todos os títulos.

Como júnior, é campeão português nesse mesmo ano de 1964. É o segundo título do FC Porto na categoria e o primeiro sem qualquer derrota. Aliás, dos quartos-de-final até à final, é um fartar de vilanagem: 4-0 e 4-0 ao Covilhã, 4-1 e 1-0 à Sanjoanense mais 1-0 ao Sporting, em Leiria. O Sporting de Damas. O Porto de Artur Jorge, capitão por natureza. É ele quem levanta o troféu e é carregado em ombros pelos companheiros de equipa à volta do estádio. O golo solitário, esse, pertence a Ernesto, na sequência de um livre batido por Sucena. “Está a ser um ano vertiginoso, só a acumular boas experiências, tanto cá como lá fora. A ver se dou o salto para a equipa principal, porque não há fome que não dê em fartura.”

Na mouche, Artur Jorge é feito sénior pelo brasileiro Otto Glória, o homem responsável pelo profissionalismo no Benfica (lembra-se do motivo da saída de Rogério Pipi?) e, depois, seleccionador dos Magriços no Mundial-66. A estreia acontece em Peniche, a 13 Setembro, para a Taça de Portugal. E, surpresa das supresa, dá golo. Aos 75 minutos, lançado em profundidade, o número 9 acomoda-se com a bola, vê o posicionamento do guarda-redes Balacó e fixa o insosso 1-1 com a equipa da 2.ª divisão. O segundo jogo ao serviço do Porto é mais sério. Nada mais nada menos com o Benfica, nas Antas. E é um dia histórico, porque Eusébio é expulso pela única vez na carreira. “Empatámos [1-1] e o Eusébio foi expulso na primeira parte [38 minutos]. Lembro-me perfeitamente do lance, um bocado caricato porque ele estava a ajeitar a bola para marcar um livre e, de repente, já estava fora do campo. Ao que parece, o árbitro [Porfírio Silva, de Aveiro] disse-lhe para não mexer na bola mas... Do que me lembro é de ouvir os aplausos nas Antas. Mas não eram aplausos de ironia, nada disso. Tanto assim é que as palmas aumentaram de tom quando o Otto Glória se levantou e cumprimentou o Eusébio, como que a dizer "foste mal expulso, mas sai de cabeça erguida". E a verdade é que Eusébio nem sequer foi castigado.”

Até final dessa primeira época de sénior, Artur Jorge joga em Alvalade (25 Outubro) e marca o primeiro golo na 1.ª divisão em Setúbal, nos Arcos. À baliza, Félix Mourinho. Um clássico das redes. O golo é o da vitória, 1-0. De cabeça, a 15 minutos do fim. No Verão de 1965, a curiosidade de aprender e estudar leva-o para Coimbra. Assina pela Académica. O Porto faz parte do passado. Futebolístico, claro está. “Sempre fui portuense e portista. Como a minha família. Nasci no Porto e cheguei a ver, veja lá bem, jogos na Constituição [campo do Porto, de 1912 a 1952]. Lembro-me nitidamente de um FC Porto-Oriental e eu lá todo espremido entre os adeptos, que, não sendo muitos, entre 4 a 5 mil, enchiam aquele campo e conferiam uma atmosfera especial. Também vi jogos no Estádio do Lima [só utilizado para jogos grandes por ter mais lugares que o da Constituição]. Nessa altura, o Porto nem sempre era a terceira potência do futebol português. Agora, com o passar dos anos, com o Estádio das Antas, o Dragão e o centro de estágio no Olival, percebemos a real dimensão do clube. No meu tempo de criança, ninguém sonhava sequer que o FC Porto pudesse ser campeão europeu. Quando muito, campeão nacional e e... Agora é uma máquina que não vai parar. Se for travada, será um dano insignificante como uma folha de papel contra um Fórmula 1.” Quem fala assim não é gago. E Artur Jorge não o era decidamente.

A queda para o estudo e, sobretudo, para a Literatura leva-o a um outro patamar. Porque a Académica é um outro mundo. Tal como a Coimbra daquele tempo. Nota-se a força estudantil no querer maiúsculo de levar o país para a frente, de sair do marasmo, de experimentar uma vida sem isolamento. Artur Jorge respira esse ar e ajuda a Académica a bater o pé aos grandes de Lisboa. Na primeira época, é o segundo melhor marcador da equipa na 1.ª divisão, com 13 golos, só atrás dos 17 de Ernesto (o tal do golo da vitória na final do campeonato nacional de juniores). Na segunda, é o rei. Ao todo, 25 golos em 26 jogos. Chi-ça, que categoria. Das 13 equipas em prova, só não marca a Porto e Vitória SC. Há um póquer ao Belenenses (6-0) e dois hat-tricks em menos de um mês (Sanjoanense, Vitória FC).

Prepare-se, a época 1967-68 é ainda melhor. “Fui o segundo melhor do campeonato, com 28 golos. Melhor só o Eusébio, com 42. Nesse ano, ele até foi Bota de Ouro. Ora, a Associação de Estudantes de Coimbra deu-me um prémio: o de melhor marcador do campeonato, sem penáltis. O Benfica marcava muitos penáltis. Ai, ai... O incomparável Eusébio. É do que tenho mais saudades. Tive a sorte de jogar e conhecer um fenómeno sem igual como ele.” É verdade, a sorte e, vá, também o azar. Estamos a 8 janeiro 1966, há um Benfica-Académica. O Sporting lidera então o campeonato sem uma única derrota (11 vitórias e três empates) e acabara de golear por 5-0 o lanterna vermelha Lusitano de Évora. À mesma hora, também em Lisboa, só que na Luz, o Benfica goleia 4-0. Simões marca logo no primeiro minuto, Eusébio aumenta aos 51'. Do que Eusébio não se lembra de nada, mesmo nada, é dos outros golos, de José Augusto e Simões. Porque a essa hora, já está inconsciente, vítima de traumatismo craniano. Transportado de ambulância à Clínica de São Lucas, só lá é que recupera os sentidos. E lembra-se então do motivo da lesão: um duelo pelo ar com Artur Jorge. ”Sabe, não foi nada de grave. Foi um lance como tantos outros. Saltámos e o Eusébio é que ficou no chão. Mas foi tudo tão normal e calmo que nem houve polémica. Se fosse realmente grave, eu teria ido ao hospital visitá-lo ou a Académica ter-me-ia chamado à atenção para esse facto. Na Académica, eu ajudava muitas vezes a defesa, nas bolas paradas: cantos e livres. Ia para a minha grande área e marcava quem me aparecesse à frente. Nos jogos com o Benfica, calhava-me o Torres. Como ele não estava [o quinteto ofensivo é José Augusto, Eusébio, Nelson, Serafim e Simões], calha-me o Eusébio, não sei bem o porquê mas o choque deu-se efectivamente. Olhe, se calhar foi aí que percebi que o Eusébio é humano."Um segundo depois e Artur Jorge volta atrás. "Mas toda a gente sabe que ele é do outro mundo, certo? Joguei com ele no Benfica, entre 1969 e 1974, e nem lhe conto. O Eusébio é um fenómeno sem igual. Na altura, o ataque do Benfica era ele, eu, Nené, Vítor Baptista, Simões e Jordão. O Eusébio recuou no terreno, como se fosse número 10, e eu era o avançado-centro." É aqui que queremos chegar, Artur Jorge sai da Académica para o Benfica. Sai-lhe a sorte grande é o que é. “Fui o melhor marcador do campeonato nacional em 1971 e 1972.” E acrescentamos nós, quatro hat-tricks em 1971 mais um póquer, um hat-trick e seis bis em 1972. “No ano seguinte, em 1973, foi Eusébio o melhor marcador do campeonato e da Europa. Sem lesões nem idas ao hospital.” Incrível, arrepiante.

Com Eusébio no plantel e a jogar, Artur Jorge é o rei do golo. José Torres, no seu tempo (1963), é uma vez. Artur Jorge é duas. Fora esses golos do campeonato, há ainda as jornadas da Taça de Portugal. Um dia há especial, o dos 6-0 ao Porto, na Luz. “Esse ficou-me na memória, porque marquei dois golos. Ou um. Sempre houve polémica. Um jornal deu-me o golo, o outro concedeu autogolo ao Valdemar. Bem, isso até nem vem ao caso, a verdade é que foi 6-0 para o Benfica nas meias-finais da Taça de Portugal. Isso foi em 1971-72, quando o Benfica levava 12 jogadores à selecção e jogavam dez de uma vez. Pense bem, 6-0! Onde é que alguma vez nos tempos de hoje há este desequilíbrio entre as duas forças? Num futuro próximo, de 10, 20 anos, o Porto nunca mais perderá desta forma com o Benfica, como em 1972. Posso dizer que ao jogar nessa tarde dos 6-0 fiz parte de uma história irrepetível.”

Mil-nove-e-setenta-e-dois. Olha que belo número, é o ano em que Artur Jorge faz força para a criação de um Sindicato dos Jogadores. “Quando somos jovens, queremos mudar o mundo. Mas eu nem queria ir tão longe. Só queria que os jogadores de futebol fossem vistos como os restantes trabalhadores do país. Afinal, não descontávamos, não tínhamos condições de trabalho, nem uma série de coisas. Mas este país vivia um período especial. Estávamos sozinhos, fechados ao resto do mundo. Quis mudar isso, constitui o Sindicato dos Jogadores Profissionais em Fevereiro de 1972, juntamente com Eusébio, Simões (Benfica), Peres e Pedro Gomes (Sporting), Rolando (FC Porto). O Jorge Sampaio [futuro Presidente da República] foi o nosso advogado, com a missão de elaborar os estatutos para os apresentar ao líder do governo [Marcelo Caetano]. Nós só exigíamos justas condições, com cláusulas nos contratos, mais previdência e assistência obrigatórias profissionais. Mas isso era muito. Foi uma luta tremenda. É claro que adorava marcar golos, mas o melhor golo foi este, o da idealização de uma profissão de futebolista igual à dos outros.”

A vida não pára, sempre em movimento. Como se fosse um pontapé de moinho. Artur Jorge estabiliza-se no Benfica, é digno representante da selecção portuguesa na Minicopa-72 no Brasil e segue o seu caminho, ao lado de figuras com Jordão e Vítor Baptista. A seu tempo, terá de ceder o seu lugar de avançado-centro. Quando o faz, em 1975, muda-se para o Belenenses, onde ainda assina uma época de inegável mérito com golos ao Sporting e Benfica. Na época 1976-77, marca ao Porto no Restelo (2-0) e ao Benfica na Luz (1-1). Acaba a carreira aos 32 anos, vítima de uma perna partida durante um treino no Jamor. O resto é história. Bonita, por sinal. Gloriosa, evidentemente.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Solta-se o grito da ordem 19 anos depois, agora com um treinador jovem (Rúben Amorim, 37 anos) e três sub20 no onze ideal. A crónica do comenatador desportivo do Contacto, Rui Miguel Tovar.
Quando a morte sai à rua e leva um dos maiores goleadores da história portuguesa, só nos resta chorar a relembrar os seus infinitos momentos memoráveis. Um texto de Rui Miguel Tovar.
Uma equipa do Benfica muito segura de si conquistou este domingo o segundo triunfo por 3-0 sobre o Vitória de Setúbal no espaço de quatro dias, recuperando a margem de segurança na liderança da I Liga portuguesa de futebol.
Encarnados voltaram a aumentar para quatro pontos o avanço sobre os "Dragões"