Escolha as suas informações

Conta-me como foi da bola. A despedida de Stanley Matthews
Desporto 5 min. 18.05.2020

Conta-me como foi da bola. A despedida de Stanley Matthews

Conta-me como foi da bola. A despedida de Stanley Matthews

Foto: DR
Desporto 5 min. 18.05.2020

Conta-me como foi da bola. A despedida de Stanley Matthews

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
Aos 55 anos, e depois de recusar treinar o Sporting, o primeiro Bola de Ouro faz dois jogos pelo Hibernians (Malta).

Os jogadores não cospem. O árbitro é obedecido por todos e ninguém contesta o que quer que seja. Os jogadores não têm a mania de ganhar 10 metros para marcar um livre ou um lançamento. O jogador mais perto da bola entrega-a ao adversário sem pestanejar. Os jogadores não rebolam no chão cada vez que caem. Ninguém puxa a camisola a ninguém. Ninguém salta para cabecear com os braços tipo polvo, a tentar acertar em alguém. Um tackle é uma técnica para roubar bolas e não para fazer faltas. Isto não é ficção nem um episódio do Futurama. É o futebol tal e qual como o deixou Stanley Matthews, o mítico feiticeiro inglês, que se retirou do futebol aos 55 anos de idade, a jogar na ilha de Malta, pelo Hibernians Paola, no dia 20 maio 1970.

Internacional inglês de inegável categoria e primeiro Bola de Ouro da história, em 1956, Matthews foi um fantástico extremo-direito que brilhou em 34 épocas seguidas na 1.ª divisão inglesa, com um total de 1.422 jogos. Pela selecção inglesa, acumula 54 jogos, um deles no Mundial-50. Antes, três anos antes, Portugal é abalroado pela Inglaterra em pleno Jamor. Muda aos cinco, acaba aos dez. O guarda-redes Azevedo, sem culpa no cartório, é substituído por Capela ainda antes da meia-hora. Os jornais portugueses fazem eco do génio Matthews e relegam para segundo plano a dupla Lawton-Mortensen, com quatro golos cada.

Os defesas Álvaro Cardoso e Francisco Ferreira, já naquela altura jogadores de craveira internacional e capitães de Sporting e Benfica, respectivamente, andam às voltas com Matthews, juntamente com Feliciano, uma das Torres de Belém. É nesse maio 1947 que Matthews troca o Stoke City pelo Blackpool, equipa que representaria até 1961, altura em que regressou à base (Stoke) para mais quatro épocas de intenso fulgor futebolístico. Nesse período, Matthews recebeu um convite de Portugal. Mais concretamente, do Sporting, que só o queria como treinador, uma vez que não tinha dinheiro para pagar a carta de desobrigação, avaliada em 20 mil libras. Entre algumas goleadas (9-1 ao Lusitano Évora, 7-2 ao V. Setúbal e 6-0 á CUF), o Sporting perdera em casa com a Académica e fora com o Benfica. O empate na Covilhã (2-2), em dezembro, foi a gota de água que transbordou o copo da paciência dos dirigentes leoninos relativamente aos resultados de Joseph Szabo. O chicote estalou, sem remissão, e tratou-se de procurar um substituto.

O presidente Goes Mota falou e disse Stanley Matthews. O convite foi-lhe endereçado numa carta registada, em nome do Sporting com destino à sede do Blackpool. A resposta foi um eloquente “vou pensar”, ao que se seguiu uma segunda carta a recusar o convite, sempre em tom cortês, com muitos agradecimentos pelo meio, que isto nos outros tempos era assim. Matthews, esse, continuou a encantar plateias e até foi eleito o primeiro Bola de Ouro de sempre no ano em que o Blackpool não perdeu um único jogo oficial (1956). Se ele tivesse aceitado o convite do Sporting, Di Stéfano seria o Bola de Ouro-56. E não é que o hispano argentino também recebeu um convite do Sporting, em 1974. Adiante. Quis o destino, e a sua vontade, que Matthews acabasse a carreira no Hibernians, em Malta, quando nada o fazia prever, já que pendurara as chuteiras cinco anos antes, pelo Stoke, num emocionante jogo de despedida que contou com as presenças de Di Stéfano (outra vez ele), Puskas e Yashin. Num golpe de marketing, o Hibernians apresentou Matthews como reforço e este fez dois jogos na liga nacional, apontando um golo, o último da sua gloriosa carreira. Acontece que o Hibernians, o único clube maltês que nunca desceu de divisão, perdeu os últimos três jogos do campeonato, entregando assim de bandeja o título de campeão ao Floriana, o que motivou a saída do treinador, o padre Hilary Tagliaferro. Como ainda faltava a final da Taça de Malta, o Hibernians convidou então Matthews para assumir o comando técnico. Aceite o desafio. E com óptimo resultado: 2-1 ao Valletta. Desta forma, o Hibernians entrava nas competições europeias, via-Taça das Taças.

O sorteio da primeira ronda ditou como adversário o Real Madrid, pentacampeão europeu entre 1956 e 1960 e a participar pela primeira vez numa prova da UEFA sem ser a Taça dos Campeões! Ou seja, os aristocratas contra os parentes pobres do futebol europeu. À primeira vista, uma eliminatória desequilibrada mas isso não desmotivou a BBC, que enviou uma equipa de enviados especiais. Nem Matthews, que convocou todos os seus jogadores para um estágio em Malta, a partir de 20 Julho, quando o jogo estava marcada para 16 Setembro, em Paola.

A surpresa tomou conta da Europa, quando o jogo acabou com um empate a zero. Tal como o Manchester United de Best, Law e Bobby Charlton empatara lá duas épocas antes, na época em que curiosamente se sagraram campeões europeus pela primeira vez (4-1 ao Benfica, em Wembley), também o colosso Real Madrid saiu de Malta meio envergonhado. O grande Stanley Matthews é que não estava pelos ajustes e abandonou o relvado com cara de poucos amigos. Entrevistado pela BBC, o inglês, já Sir por ordem da Rainha, desabafou: “Empatámos e eles [jogadores do Hibernians] todos contentes. Não percebi a alegria pelo nulo. Devíamos ter ganho mas falhámos tantas oportunidades que, provavelmente, nem de penálti...”

Para a segunda mão, no Santiago Bernabéu (5-0 para o Real Madrid), ainda se especulou que Matthews jogasse, apesar dos 55 anos, mas tal não aconteceu, simplesmente porque não lhe apeteceu. “Em Malta, nunca jogaria porque é pelado mas aqui num relvado tão bonito até dá gosto mas prefiro ser treinador full-time.” Outros tempos. Em que não havia data limite de inscrição de jogadores.E os jogadores não cuspiam. E o...

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas