Escolha as suas informações

Começa o ano, acaba a primeira volta. E o campeão de inverno é?
Desporto 4 min. 10.01.2022
Liga portuguesa

Começa o ano, acaba a primeira volta. E o campeão de inverno é?

Liga portuguesa

Começa o ano, acaba a primeira volta. E o campeão de inverno é?

Foto: Rodrigo Antunes/Lusa
Desporto 4 min. 10.01.2022
Liga portuguesa

Começa o ano, acaba a primeira volta. E o campeão de inverno é?

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
Fim de papo. Acaba a primeira volta e o FC Porto assume-se como líder isolado, sem qualquer derrota, à conta de uma reviravolta memorável na casa do Estoril.

Tchan tchan tchan tchaaaaaaan

É o FC Porto, autor da 12.ª vitória seguida na 1.ª divisão, a 15.ª na época (só Marítimo e Sporting travam a labareda do dragão).

A jornada começa na 6.ª feira, com derrota surpresa do Sporting nos Açores. Surpresa porque o Sporting não perdera ainda no campeonato, com um total de 12 vitórias e quatro empates. Surpresa porque o Sporting nunca perdera com o Santa Clara em toda a sua história, com cinco vitórias e um empate em Ponta Delgada. E surpresa porque o Sporting parte em vantagem por Palhinha aos 10 minutos e ainda faz o 2:1 por Sarabia aos 50’ antes de se ir abaixo com o 3:2.

Mérito maiúsculo para o Santa Clara, cujo início de época é mais madrugador que o normal pela presença nas provas da UEFA e é abanada pela compra do clube por parte de um empresário turco de que resultam algumas decisões em cima do joelho como a saída do goleador brasileiro Carlos Jr. Mérito também para o jovem treinador Tiago Sousa – apenas 37 anos, sem experiência de 1.ª, chamado à pressa como 112 e já com duas vitórias em casa, uma vs Vitória SC e agora vs Sporting.

O Sporting, sem Rúben Amorim no banco por culpa do covid, entra mais solto e adianta-se cedo. Normal, o Sporting tem o chip de equipa vencedora e quer acabar a primeira volta sem derrotas, à imagem da época anterior. O Santa Clara reage com galhardia e empata por Jean Patric à passagem da meia-hora. Na segunda parte, o Sporting volta a entrar afoito e consegue adiantar-se, de novo. Agora com um golazo do espanhol Sarabia, uma contratação feliz ao PSG por troca com o lateral Nuno Mendes. No quadradinho seguinte, Jean Patric semeia o pânico e fabrica o 2:2 de Lincoln.

Que frenesim, parada e resposta. O campeão é posto em sentido. E nunca mais se levanta. Aos 78’, jogada rápida do Santa Clara com Lincoln a libertar o recém-entrado Ricardinho, cujo remate por alto desfaz dúvidas quanto ao vencedor. Já no desespero, o Sporting ainda perde um jogador, com a expulsão de Daniel Bragança com vermelho directo (o médio entra aos 83’ e vai para a rua aos 90’ por pisão sobre Ricardinho, o tal do 3:2).

No dia seguinte, o FC Porto joga na Amoreira com a possibilidade de se isolar no primeiro lugar. Pormenor, o Estoril não ganha em casa ao FC Porto desde 1977. Na altura, Sérgio Conceição ainda tem dois anos. Daí para cá, em 46 anos, há sete empates e sete vitórias portistas na Linha. E agora? Até ao intervalo, a tendência é estorilista. Com surpresa e naturalidade, já há 2:0. Cortesia Arthur Gomes, numa arrancada nas costas de Corona, e André Franco, de penálti, a castigar falta de Wendell sobre o irrequieto Chiquinho.

O intervalo faz bem, muito bem, ao Porto. Logo aos 47’, Taremi reduz em recarga a uma defesa impossível de Thiago Rodrigues. O guarda-redes do Estoril ainda acumularia duas defesas do arco da velha até ao empate de Luis Díaz, servido por Taremi, aos 84 minutos. A bola vai ao meio e Sérgio Conceição chama o filho Francisco para a linha lateral. O miúdo entra para o lugar do central Fábio Cardoso, é a derradeira cartada e surte o efeito desejado. Á jogada desenhada pelo inevitável você-Luis-sabe-muito-bem-Díaz-quem, Francisco emenda à boca da baliza e sai a festejar para o abraço caloroso do pai. Ainda antes dos descontos, o Porto consegue dobrar o cabo das tormentas. De 0:2 para 3:2 é algo inaudito desde Maio 1976 – na altura, o Porto comete a proeza na Luz, com Toni e Vítor Martins a dar vantagem ao Benfica antes de Ademir, Júlio e Júlio garantirem o inesperado sucesso.


Conta-me como foi da bola
Efemérides e histórias caricatas do futebol pelo jornalista Rui Miguel Tovar.

Com a vitória sofrida, o FC Porto soma e segue na frente, agora com três pontos à maior do Sporting. E o Benfica? Só joga no domingo, e falha a goleada ao Paços de Ferreira por inoperância ofensiva e ainda duas bolas à barra, por Gonçalo Ramos e Darwin. No meio dessa superioridade – mais notória ainda com a expulsão do pacense Denilson Jr aos 40’ por atingir Grimaldo – valem os golos de João Mário aos 45’+2 mais Grimaldo aos 75’. É o primeiro jogo do Benfica em casa na ressaca da saída de Jorge Jesus e Nélson Veríssimo consegue espantar a crise xxl provocada pelas duas derrotas seguidas vs FC Porto no final de 2021, uma para a Taça de Portugal e outra para a 1.ª divisão.

Contas feitas, Porto 47 pontos, Sporting 44 e Benfica 40. No início da segunda volta, já no próximo fim-de-semana, o Porto visita o último classificado Belenenses SAD, no Jamor, enquanto o Sporting vai a Vizela. Já o Benfica continua em casa, agora vs Moreirense. A meio da semana, habemus Taça de Portugal. Jogam-se os quartos-de-final com Leça-Sporting na 3.ª feira, Rio Ave-Tondela e Vizela-FC Porto na 4.ª mais Portimonense-Mafra na 5.ª. Das oito equipas ainda em prova, há ainda uma da 4.ª divisão e duas da 2.ª. A magia segue dentro de momentos.

Resultados:

  • Santa Clara 3:2 Sporting
  • Vizela 0:1 Moreirense
  • Estoril 2:3 FC Porto
  • Boavista 1:1 Tondela
  • Portimonense 1:2 Marítimo
  • Benfica 2:0 Paços de Ferreira
  • Braga 2:2 Famalicão
  • Belenenses SAD 2:1 Arouca
  • Gil Vicente x Vitória SC (esta segunda-feira)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Golo supersónico de Evanilson aos 33 segundos orienta Porto para uma vitória categórica (3:0) na Taça de Portugal num triste espectáculo de futebol sem bola