Escolha as suas informações

Anúncio feito hoje na CNN: Luís Figo assume corrida à presidência da FIFA

Anúncio feito hoje na CNN: Luís Figo assume corrida à presidência da FIFA

REUTERS
Desporto 3 min. 28.01.2015

Anúncio feito hoje na CNN: Luís Figo assume corrida à presidência da FIFA

O antigo futebolista internacional português Luís Figo anunciou hoje a sua candidatura à presidência da FIFA, justificando a decisão na vontade de mudar o que entende ser a má imagem do organismo.

O antigo futebolista internacional português Luís Figo anunciou hoje a sua candidatura à presidência da FIFA, justificando a decisão na vontade de mudar o que entende ser a má imagem do organismo.

“Preocupo-me com o futebol e não gosto do que vejo em relação à imagem da FIFA, não apenas agora, mas nos últimos anos”, começou por dizer Figo, de 42 anos, numa entrevista à cadeia televisiva CNN, em que revelou a entrada na corrida ás eleições de 29 de maio.

Luís Figo revelou ter tomado a decisão de concorrer à presidência do organismo quando se soube da investigação à atribuição dos Mundiais de futebol à Rússia (2018) e ao Qatar (2022) e ao que aconteceu posteriormente.

“Depois desse momento e do relatório [de Michael Garcia, da Comissão de Ética do organismo] que não foi publicado, foi o momento em que decidi que algo tinha que ser feito”, justificou o antigo jogador, aludindo às fortes suspeitas de corrupção no processo.

Figo não compreende porque não foram divulgadas as conclusões na sua totalidade: "Se és transparente e pedes uma investigação, um relatório, do qual não há nada a esconder, por que não se torna público esse relatório? Se não tens nada a esconder, tens de o publicar", sublinhou.

Na sua opinião, publicar o relatório "era a coisa mais fácil de fazer se toda a gente duvida do que aconteceu".

O mais internacional dos futebolistas portugueses (127 jogos) lembrou ainda a reação dos adeptos no Mundial2014 do Brasil, onde esteve, com a imagem do organismo a ser abalada e disse que “algo terá que mudar: na liderança, na governabilidade, na transparência”.

Figo, que se formou no Sporting e terminou a carreira no Inter Milão, depois de passar por FC Barcelona e Real Madrid, indicou que preenche os critérios de elegibilidade da FIFA, contando com o apoio de pelo menos cinco federações e com o facto de se ter mantido ligado ao futebol nos últimos anos.

“Nos últimos anos desempenhei várias funções no Inter Milão, com a seleção portuguesa e na UEFA”, sublinhou.

O antigo jogador, que já foi Bola de Ouro (1999) e melhor jogador do Mundo da FIFA (2000) - antes de os prémios serem unificados -, revelou também que a prioridade é “saber o que as federações precisam” e “aumentar a solidariedade e os pagamentos às federações”.

A possibilidade de enfrentar Joseph Blatter não assusta o ex-jogador, com Figo a salientar que “ninguém é invencível” e que “é um desafio fantástico” convencer as pessoas para que o sigam e que o apoiem.

Luís Figo é o sexto a manifestar interesse, depois de Joseph Blatter, atual presidente, Michel van Praag, presidente da federação holandesa, David Ginola, ex-jogador francês, Jerome Champagne, candidato independente francês, e o príncipe Ali bin Al Hussein da Jordânia, vice-presidente da FIFA.

As eleições para a presidência da FIFA, cujo prazo de candidatura termina a 29 de janeiro, decorrem a 29 de maio, no segundo de dois dias do congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça.

 


Notícias relacionadas