Escolha as suas informações

A primeira grande entrevista de Cristiano Ronaldo
Desporto 4 min. 16.07.2022
Futebol

A primeira grande entrevista de Cristiano Ronaldo

Futebol

A primeira grande entrevista de Cristiano Ronaldo

Foto: Lusa / Arquivo
Desporto 4 min. 16.07.2022
Futebol

A primeira grande entrevista de Cristiano Ronaldo

Rui Miguel Tovar
Rui Miguel Tovar
Tudo o que sempre sonhou saber sobre Cristiano Ronaldo mas nunca ousou perguntar. Por Rui Miguel Tovar.

Capítulo 6. A primeira grande entrevista

Campeão português em título, o Sporting 2002-03 convive com novidades alarmantes. João Vieira Pinto fora expulso no último jogo de Portugal no Mundial-2002 vs Coreia do Sul por esmurrar o árbitro argentino Ángel Sánchez e está em risco de ser condenado pela FIFA a uns quantos meses de suspensão, o Bota de Ouro Jardel enreda-se ainda mais nas malhas da droga, quer sair do Sporting e nem sabe a quantas anda, os centrais André Cruz e Phil Babb saem pelo próprio pé sem chegar a acordo para a renovação, o médio Hugo Viana sai para o Newcastle de Bobby Robson a troco de 12,5 milhões de euros. Como se isso fosse pouco, o ranking de Portugal é um dos piores de sempre e isso implica a entrada inédita do campeão na pré-eliminatória e ao Sporting calha-lhe a fava chamada Inter.


Ronaldo e mãe, Dolores Aveiro, em 2008.
A mãe de Cristiano Ronaldo (e o sete) sempre presente
Tudo o que sempre sonhou saber sobre Cristiano Ronaldo mas nunca ousou perguntar. Por Rui Miguel Tovar.

A pré-época começa em Alcochete a 1 Julho, dia do 96.º aniversário do clube, e há uma novidade no plantel principal chamada Cristiano Ronaldo. Seguem-se seis semanas de trabalho intenso. No primeiro jogo desse Verão, dia 6, vs Samouquense, o treinador romeno Laszlo Bölöni inclui-o no onze, primeiro como extremo-esquerdo, depois como segundo avançado. Cristiano joga a primeira parte e marca um dos golos num jogo de sentido único frente a uma equipa da 1.ª divisão distrital da AF Santarém e em que Bölöni faz uso do apito sempre que um jogador se demore a libertar a bola. Ronaldo é um dos mais visados, o rapaz agarra-se à bola e quer mostrar serviço.

Há elogios da imprensa desportiva, sim, embora a figura do jogo seja o romeno Marius Niculae, de regresso aos relvados seis meses e dois dias depois de uma operação ao joelho esquerdo. Seja como for, o jornal do Sporting aproveita a ocasião para entrevistar Cristiano. É a sua primeira grande entrevista e vale três páginas na edição de 9 Julho 2002. Ouçamo-lo:

Tenho realizado um bom trabalho e tenho tido o apoio de todos os meus companheiros. Felizmente tem corrido tudo muito bem.

A maior diferença é que estou a trabalhar com jogadores mais velhos e experientes. Isto é favorável, porque é através dos ensinamentos deles que vou aprender a melhorar a minha performance.

A nível pessoal, estou a ter uma ascensão natural porque, embora ainda tenha idade de júnior e já esteja a integrar o plantel sénior, é uma situação normal num clube com aposta na formação.

Desde que cheguei ao Sporting, tinha 12 anos, o meu objectivo principal sempre foi o de um dia chegar a fazer parte do plantel principal. E agora o meu principal objectivo é fazer dos 18 convocados por Bölöni. Se tal não acontecer, vou continuar a trabalhar. [e a equipa B] é uma oportunidade de rodar e ganhar experiência.

[as saídas de André Cruz, Phil Babb e Hugo Viana] prejudicam um pouco o grupo, porque eram peças fundamentais para a equipa. Mas também é preciso ter em consciência de que os jogadores que ficaram no plantel têm muita qualidade e vão lutar para colmatar essas saídas.

[eventual suspensão de João Vieira Pinto pela FIFA] todos sabem das qualidades dele como profissional e pessoa. É um jogador muito importante para a equipa e só espero que não seja castigado; ou, se for, que seja por um curto espaço de tempo.

O João Vieira Pinto e o César Prates sempre foram os jogadores que mais me impressionaram e quem mais admirava.

As férias [na Madeira] correm sempre bem, porque tenho a oportunidade de estar com os familiares e amigos que estão longe.

Sou um jogador rápido e acho que também sou bom a nível técnico. Ainda tenho muito para aprender, sobretudo ao nível do jogo aéreo. Pode ser que o Mário Jardel me dê uma ajuda para melhorar este aspecto.

No início do Sporting, quando tinha 12 anos, foi muito complicado [adaptar-me a Lisboa longe da família] porque só podia ver a minha família nas férias, mas habituei-me com o passar do tempo. Neste momento, já tenho a minha mãe a viver comigo, porque aluguei uma casa na Quinta do Lambert e assim as coisas tornam-se mais fáceis, porque o apoio da família é fundamental.


Cristiano Ronaldo, celebra um golo contra a seleção da Holanda. EPA/OLIVER BERG
Tudo o que sempre quis saber sobre Cristiano Ronaldo mas nunca ousou perguntar
Histórias sobre o lado menos conhecido do jogador português. Por Rui Miguel Tovar.

[carreira escolar] Não correu muito bem. No início, ainda consegui conciliar os estudos com o futebol, mas depois comecei a faltar devido aos compromissos da selecção e ao horário dos treinos. Para ser franco, a vontade de estudar também não era muita e acabei por ficar no 8.º ano.

[as obras do novo Estádio José Alvalade] Sonho com o dia em que jogar lá com a camisola do Sporting. É, sem sombra de dúvida, uma obra extraordinária.

[maior virtude] Sou muito alegre e amigo dos meus amigos.

No dia seguinte, dia 10 Julho, o Sporting dá 5:0 vs Rio Maior, então campeão distrital da 1.ª divisão da AF Santarém. Desta vez, Ronaldo é suplente e só entra na segunda parte para se juntar aos titulares – entre eles, um central chamado Képler Laveran Lima Ferreira emprestado pelo Marítimo (isso mesmo, Pepe) (esse, o do FC Porto). Conhecem-se em Alcochete e forjam uma amizade até aos dias de hoje. Juntos, ganham a Liga dos Campeões pelo Real Madrid e o Euro-2016 por Portugal, precisamente a 10 Julho.

(Autor escreve de acordo com a antiga ortografia.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas