Escolha as suas informações

Vamos voltar às salas de cinema e em força!
Comentário Cultura 3 min. 25.06.2020

Vamos voltar às salas de cinema e em força!

"1917" conta a história de dois soldados na I Guerra Mundial a quem é dada uma missão quase impossível.

Vamos voltar às salas de cinema e em força!

"1917" conta a história de dois soldados na I Guerra Mundial a quem é dada uma missão quase impossível.
Foto: Divulgação.
Comentário Cultura 3 min. 25.06.2020

Vamos voltar às salas de cinema e em força!

António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
O desconfinamento das salas de cinema está em curso. A prudência é o segredo no combate à pandemia e todos os países tentam reabrir a economia sem por em perigo a saúde dos seus cidadãos.

Entre as decisões necessárias, mas potencialmente perigosas, está o regresso de espetáculos destinados ao grande público, tais como os cinemas ou os concertos de música. O Luxemburgo já reabriu as salas mas com cuidados redobrados pois – sabe-se agora – um dos focos iniciais da pandemia no Grão-Ducado foi, no início de março, o LuxFilmFest que acabou por fechar poucos dias antes da data prevista para o seu encerramento.

As salas de cinema estão abertas com todos os cuidados necessários e, sinceramente, parece-me existir um risco de contágio muito inferior numa sala que respeite o distanciamento oficial do que em qualquer restaurante. Ver um filme numa sala de cinema é uma experiência única e devemos aproveitar todas as oportunidades possíveis para o fazer. Esta afirmação pode parecer contraditória vinda de alguém que durante o confinamento ocupou estas páginas a aconselhar filmes disponíveis em 'streaming', mas não o é.

As plataformas do tipo Netflix, Prime ou similares, não são o diabo, antes pelo contrário. Estes serviços podem vir a salvar o cinema e a produção de séries, em tempos de confinamento, permitiram a todos nós continuar a usufruir da Sétima Arte 'on demand'. Contudo, nada bate a experiência de ver uma bela obra cinematográfica numa sala.

Há uns três anos atrás, em plena polémica sobre as produções Netflix e a sua participação nos festivais de cinema, o diretor do festival de Cannes, Thierry Frémaux, manifestava a sua crença de que as salas de cinema não vão desaparecer, porque ver um filme num grande ecrã é uma experiência com um "impacto social". Frémaux acrescentava então que a coexistência de várias plataformas de consumo de cinema, como a televisão, o computador ou o telemóvel, são um sinal dos tempos, de modernidade tecnológica, mas a experiência de ver cinema é para ser vivida dentro de uma sala, escura e com um grande ecrã. 

"Não sou contra os multiplexes, mas não quero limitar a experiência do cinema aos multiplexes. Nós precisamos de filmes com impacto social, de ter a sala, o cartaz lá fora, ter essa experiência", disse Thierry Frémaux. E deu como exemplo o filme "Okja", de Bong Joon-ho, produzido pela plataforma digital Netflix, que tinha sido exibido nesse ano no festival de Cannes e que causou polémica por não lhe ter sido permitida a estreia no circuito comercial em França.


Cinemas Kinepolis já têm bilhetes à venda
A reabertura das salas acontece já no próximo dia 17 de junho.

Entretanto, a posição de Frémaux extremou-se, pois o francês proibiu as produções que não tenham assegurada distribuição em salas de irem ao festival que dirige, mas essa é outra história...

Hoje em dia, abrir uma sala de cinema ou mantê-la aberta é um exercício de equilibrismo que apenas alguns grandes grupos poderosos conseguem efetuar. E a pandemia veio, obviamente, complicar a situação financeira dos cinemas em todo o mundo. Além do longo período de encerramento, os cinemas regressam agora à atividade com poucas novidades para propor. 

Uma boa parte dos distribuidores decidiram adiar as estreias das suas principais obras para o final do ano ou, inclusivamente, para 2021. Apesar disso, os cinemas do Luxemburgo não deixam de propor excelentes filmes para as próximas semanas. Uma boa ideia será, por exemplo, ir ver filmes oscarizados em 2020 ou em anos anteriores que agora voltaram às salas. "Parasite", "1917", "Lala Land", "Dunkirk", "Joker", "Bohemain Rhapsody" ou "A Star is Born" são algumas das sugestões disponíveis nos cinemas do Luxemburgo.

Tal como acreditamos que vai ficar tudo bem, acreditemos no cinema. Porque ir ver um filme a uma sala de cinema será sempre diferente da sua sala de estar, ainda que o seu ecrã e o seu sistema de som sejam excelentes. Ir ao cinema é como ir a um concerto: todos adoramos ouvir um tema musical no nosso telefone, mas ir a um concerto é muito diferente.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Primeira sala 4DX de cinema imersivo abre hoje no Luxemburgo
Apesar de o número de espectadores ter diminuído drasticamente no ano passado, o grupo Kinepolis anunciou a abertura de uma sala 4DX - uma tecnologia multidimensional que torna a experiência de ver um filme mais imersiva - esta quarta-feira em Kirchberg.
Sara Sampaio no Grão-Ducado?
Vamos poder ver a top model, sem asas, no filme "Carga" que passa no Festival de Cinema Português no Luxemburgo. Um acontecimento com outras descobertas, como a "Peregrinação" de João Botelho.
Crítica de cinema: Devagar devagarinho
Há décadas que milito para que os portugueses do Luxemburgo possam ver cinema português no Grão-ducado. As obras portuguesas continuam a ser exceção nas salas e as raras oportunidades são as mostras organizadas por estruturas associativas ou pela Embaixada de Portugal no Luxemburgo.
“A Canção de Lisboa” é um dos maiores êxitos de bilheteira de 2016. O filme será projetado no Luxemburgo no dia 15 de novembro.