Escolha as suas informações

Utopolis Belval e Kirchberg: Guerra das Estrelas VII - A força já despertou
Cultura 2 2 min. 17.12.2015

Utopolis Belval e Kirchberg: Guerra das Estrelas VII - A força já despertou

O filme "Star Wars VII: O despertar da Força", da saga galáctica "Guerra das Estrelas", criada há quase 40 anos por George Lucas estreou quarta-feira no Luxemburgo e hoje em Portugal.

O filme "Star Wars VII: O despertar da Força", da saga galáctica "Guerra das Estrelas", criada há quase 40 anos por George Lucas estreou quarta-feira no Luxemburgo e hoje em Portugal.

No Grão-Ducado, o filme pode ser visto nas salas de cinema Utopolis de Kirchberg e de Belval.

"O despertar da força", realizado por J.J. Abrams, é o sétimo filme de uma série idealizada pelo realizador norte-americano George Lucas e que se tornou num fenómeno da cultura popular, marcando várias gerações de espectadores ao longo dos últimos 40 anos.

A história da saga "Guerra das Estrelas" - dividida em duas trilogias - decorre numa "galáxia muito, muito distante", onde a luta entre o Bem ("o lado bom da Força" ou "a luz da Força") e o Mal ("o lado obscuro da Força"), entre os dois lados da Força, é travada genericamente entre os cavaleiros Jedi e os aliados de Darth Vader. A série foca-se sobretudo no percurso de Anakin Skywalker, até se transformar num dos mais famosos vilões da sétima arte.

A primeira trilogia integra "A Guerra das Estrelas, episódio IV" (1977), "O Império contra-ataca, episódio V" (1980) e "O regresso do Jedi, episódio VI" (1983) e a segunda por "A ameaça fantasma, episódio I" (1999), "O ataque dos clones, episódio II" (2002) e "A vingança dos Sith, episódio III" (2005).

Em termos de cronologia da narrativa da saga, a primeira trilogia diz respeito aos episódios quatro, cinco e seis. A segunda trilogia, mais recente, inclui os episódios um, dois e três.

O que traz este novo filme?

Em "O despertar da força", que agora chega aos cinemas, a história acontece 30 anos depois do enredo de "O regresso do Jedi", daí que inclua alguns dos actores do elenco da primeira trilogia, como Harrison Ford (Han Solo), Carrie Fisher (Princesa Leia Organa), Mark Hamill (Luke Skywalker) e Peter Mayhew (Chewbacca).

Neste novo filme, o público descobre que Han Solo e a princesa Leia tiveram um filho, que Luke Skywalker se exilou há anos num planeta distante, há também dois novos vilões, Kylo Ren (Adam Driver) e Snoke (Andy Serkis), e dois novos heróis, Finn (John Boyega) e Rey (Daisy Ridley), que prometem fazer continuar a saga por longos anos.

Regressam ainda personagens icónicas como os andróides R2-D2 e C-3PO e há um novo robot-rolante que vai merecer todas as atenções, o simpático BB-8.

A rodagem foi entregue a J.J. Abrams, produtor da série televisiva "Lost" e realizador, entre outros, de "Missão Impossível" e do renovado "Star Trek". J.J. Abrams sublinhou em entrevistas que este não seria um regresso nostálgico ao passado.

O filme é também o primeiro desde que os estúdios Disney assumiram os comandos da série, adquirida a George Lucas em 2013 por quatro mil milhões de dólares.

De acordo com o New York Times, a Disney espera ter uma receita de bilheteira global de 2,5 mil milhões de dólares e uma previsão de 5 mil milhões de dólares por vendas de produtos associados à série. Até 2020 deverão estrear mais quatro novos filmes da saga.

Veja aqui a reacção dos fãs luxemburgueses da Guerra das Estrelas:



Notícias relacionadas

"Uma História de Star Wars" estreia-se em Cannes
O filme "Han Solo: Uma História de Star Wars", centrado na personagem Han Solo da saga "Guerra das Estrelas", vai estrear-se no festival de cinema de Cannes, que decorre em maio em França, foi hoje anunciado.
Star Wars - The Last Jedi: O eterno combate do Bem e do Mal
Esta nova tirada da saga de Star Wars que George Lucas criou é um filme sobre a dualidade, uma espécie de ensaio sobre o yin e o yang, uma abordagem ao delicado equilíbrio entre forças opostas. E toda a obra vive momentos de oposição: batalhas e intimidade, ternura e violência, humor e seriedade, confiança e dúvida e mesmo opondo passado e futuro.
Quem és tu romeiro?