Escolha as suas informações

"The Father". Em nome do pai
Opinião Cultura 3 min. 19.04.2021

"The Father". Em nome do pai

"The Father". Em nome do pai

Foto: DR
Opinião Cultura 3 min. 19.04.2021

"The Father". Em nome do pai

António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
Florian Zeller leva ao cinema "The Father", a sua própria peça, e nesta primeira realização está nada mais nada menos do que a disputar o Óscar de melhor filme.

"The Father" também marca o encontro do dramaturgo francês com Anthony Hopkins, o ator que sonhava interpretar a personagem central, um octogenário com demência. Florian Zeller está naturalmente encantado com o facto de o seu filme ter sido indicado para um Óscar em seis categorias, um reconhecimento que ele vê como um inesperado presente.

A ideia de trazer para o grande ecrã a peça que estreou nos palcos de Paris, em 2012, surge sobretudo da vontade de trabalhar com Anthony Hopkins. Mesmo que isso o obrigasse a um desafio cultural: transpor a história para o contexto britânico e rodar o filme em Londres e na língua de Shakespeare.

No mundo anglo-saxão, a peça já tinha triunfado nos palcos, obtendo elogios da crítica, e estabelecendo Florian Zeller como um grande dramaturgo.

A história da peça tem, antes de mais, ressonâncias pessoais para o seu criador, porque, Zeller foi criado pela avó e pode testemunhar, desde os 15 anos, as fases que marcam uma pessoa aos poucos vítima de demência. "Eu sei o que é sentir-se impotente diante de alguém que amamos, quando o amor por essa pessoa deixa de ser suficiente", disse o realizador em entrevista recente à imprensa francesa.

Florian Zeller ficou sobretudo surpreso e comovido com a reação do público à peça, que foi igual em todos os países. "A arte serve para nos lembrar que não somos apenas indivíduos isolados uns dos outros. Pertencemos a algo maior do que nós", conclui o francês.

A reação do público foi complementada por depoimentos que recebeu de pessoas que queriam compartilhar as suas histórias com ele. Terá sido isso que convenceu Florian Zeller a levar a peça para os cinemas.

Florian Zeller começou a acreditar que a linguagem cinematográfica talvez pudesse proporcionar uma experiência ainda mais envolvente do que o teatro: "o cinema deu-me a oportunidade de empurrar o conceito de um labirinto mental no qual o espetador é projetado ainda mais longe".

E o resultado é, de facto, envolvente: o público consegue entrar no cérebro deste homem desorientado e acaba por viver essa perda de orientação. Por não se sentir à vontade inglês, Florian Zeller recorreu a Christopher Hampton, um veterano dramaturgo e argumentista britânico para escrever a adaptação da peça.

Graças à atuação em "The Father", Anthony Hopkins é finalista do Óscar na categoria de melhor ator.
Graças à atuação em "The Father", Anthony Hopkins é finalista do Óscar na categoria de melhor ator.
Foto: DR

Zeller assume que Hampton não só traduziu mas que foi também foi o responsável por transpor a história para Inglaterra e para incutir a alma do país no filme. Graças à sua atuação neste filme, Anthony Hopkins é finalista do Óscar na categoria de melhor ator.

Para Zeller, o rosto de Anthony Hopkins impunha-se cada vez que pensava na adaptação ao cinema: "não conseguia imaginar mais ninguém. Anthony é, na minha opinião, o maior ator vivo", declarou durante as rodagens o realizador.E acabou por ser Hopkins a achar uma boa ideia que o protagonista tivesse o seu nome igual ao dele. Esta ligação mais profunda entre o ator e a sua personagem foi certamente uma experiência difícil, e o resultado é intenso, com cenas emocionalmente difíceis.

Nas cenas finais, Hopkins atinge as profundezas da solidão e do desespero. Ao longo da sua carreira este brilhante ator foi oferecendo prestações inolvidáveis mas esta fica entre os mais extraordinários momentos de uma carreira ímpar.

A incrível facilidade com que passa de um pensamento ou de uma emoção para outra prova que estamos perante um dos maiores intérpretes de sempre. "The Father" é a sua obra-prima, e que talvez o seja também e unicamente por causa de Hopkins.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.