Escolha as suas informações

Sara Sampaio no Grão-Ducado?
Cultura 2 min. 01.11.2018 Do nosso arquivo online

Sara Sampaio no Grão-Ducado?

Sara Sampaio no Grão-Ducado?

Foto: DR
Cultura 2 min. 01.11.2018 Do nosso arquivo online

Sara Sampaio no Grão-Ducado?

Vamos poder ver a top model, sem asas, no filme "Carga" que passa no Festival de Cinema Português no Luxemburgo. Um acontecimento com outras descobertas, como a "Peregrinação" de João Botelho.

Todos sofremos da mesma dificuldade: quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou aceitar o convite da tia Maria José para jantar…

É por causa das refeições em casa da tia que uma iniciativa como o Festival de Cinema Português no Luxemburgo é essencial para matar a sede de cinema luso. E este ano temos a abrir a mostra “Peregrinação”, de João Botelho, e a encerrá-la um belíssimo filme luso-brasileiro de Cacá Diegues, “Grande Circo Místico”. E pelo meio muitas obras a não perder, entre as quais “Carga”, o filme de estreia da manequim Sara Sampaio que vai ser projetado no Kinepolis a 20 de novembro.  

Desde 2009 que o Luxemburgo tem a sorte de ver cinema português, pelo menos uma vez por ano, e 2018 volta a não ser exceção. Agora com uma duração mais reduzida, a “Quinzena” passou a chamar-se “Festival de Cinema Português” e terá lugar entre 16 e 25 de novembro na Cinemateca do Luxemburgo, no cinema Utopia e no Centro Cultural Português, em Luxemburgo-Merl.

Desde 2007, em setembro, o cinema de terror espalha-se pela cidade de Lisboa graças ao MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, que tem levado até Portugal os melhores filmes do género produzidos um pouco por todo o mundo. Uma das organizadoras do MOTELX tem laços com o Luxemburgo, pois foi no Grão-Ducado que cresceu, e por isso propôs ao Centro Cultural Português uma noite de cinema de terror na mostra que se realiza em novembro.

O “coup de coeur” de muitos cinéfilos no festival de Cannes deste ano foi um filme luso-brasileiro chamado “O Grande Circo Místico” que vai encerrar o festival no dia 25 de novembro na Cinemateca, ainda antes de estrear em Portugal.

Entre os produtores está a Fado Filmes, de Luís e Gonçalo Galvão Teles (que têm forte ligação ao Luxemburgo, tendo ambos vivido no Grão-Ducado).

O filme “Peregrinação”, de João Botelho, abre no dia 16 de novembro o festival na sala da Cinemateca do Luxemburgo. Trata-se “simplesmente” do candidato de Portugal a uma nomeação aos Óscares e aos Goya de 2019. Botelho tem outra película no festival, “O filme do Desassossego” que será projetado a 19 de novembro, igualmente na Cinemateca.

“Peregrinação” transpõe para o grande ecrã episódios da obra homónima de Fernão Mendes Pinto. Trata-se de um relato da presença dos portugueses no Oriente, de uma crónica de viagens e de duas décadas de vivência do autor.

O programa completo do festival pode ser encontrado em linha na página Facebook do Centro Cultural ou na página daquela rede social intitulada “Cinema Português no Luxemburgo”.

Raul Reis


Notícias relacionadas

Termina este domingo: Festival de Cinema Português
Passou de quinzena a festival. A mostra anual de filmes lusos no grão-ducado agora intitulada 'Festival de Cinema Português no Luxemburgo' decorre até 25 de novembro em várias salas de cinema da capital, incluindo, pela primeira vez, a Cinemateca.
Crítica de cinema: Devagar devagarinho
Há décadas que milito para que os portugueses do Luxemburgo possam ver cinema português no Grão-ducado. As obras portuguesas continuam a ser exceção nas salas e as raras oportunidades são as mostras organizadas por estruturas associativas ou pela Embaixada de Portugal no Luxemburgo.
“A Canção de Lisboa” é um dos maiores êxitos de bilheteira de 2016. O filme será projetado no Luxemburgo no dia 15 de novembro.
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo: Como manter excelentes relações com a família
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”