Escolha as suas informações

Livro “Somos Todos Primos” revela diálogo de emoções na língua de Camões
Cultura 2 min. 16.03.2016 Do nosso arquivo online
Salão do Livro

Livro “Somos Todos Primos” revela diálogo de emoções na língua de Camões

Os autores Carlos Cardoso e Alda Batista com o cônsul de Portugal, Rui Monteiro
Salão do Livro

Livro “Somos Todos Primos” revela diálogo de emoções na língua de Camões

Os autores Carlos Cardoso e Alda Batista com o cônsul de Portugal, Rui Monteiro
Foto: Vasco Santos
Cultura 2 min. 16.03.2016 Do nosso arquivo online
Salão do Livro

Livro “Somos Todos Primos” revela diálogo de emoções na língua de Camões

É uma co-autoria e uma história de colaboração invulgares, aquela que uniu os escritores Alda Batista e Carlos Cardoso e os levou ao 16º Salão do Livro do Festival das Migrações.

É uma co-autoria e uma história de colaboração invulgares, aquela que uniu os escritores Alda Batista e Carlos Cardoso e os levou ao 16º Salão do Livro do Festival das Migrações.

A portuguesa e o são-tomense começaram a colaboração mesmo antes de se conhecerem pessoalmente, através da Associação de São Tomé e Príncipe no Luxemburgo, resultando este contacto numa primeira obra poética, exposta exclusivamente nesta mostra anual e mesmo antes do seu lançamento oficial.

A escritora conimbricense descreve a sua obra como “uma simbiose e um diálogo de emoções”, sentindo que a poesia que está patente na obra conjunta retrata uma partilha de “sensações e desejos ligados estreitamente pela língua portuguesa”, traço central e unificador.

“Somos todos primos, numa primeira dimensão; somos da mesma família porque partilhamos a mesma língua, temos uma história e uma cultura comuns, em parte, e é esta dimensão comum que exploramos no livro”, disse a escritora ao CONTACTO.

O poeta são-tomense Carlos Cardoso reside na Holanda
O poeta são-tomense Carlos Cardoso reside na Holanda
Foto: Vasco Santos

Sobre o desenrolar da colaboração à distância e, posteriormente, em pessoa, o poeta Carlos Cardoso fala de um “vínculo quase imediato” com a co-autora que facilitou o processo criativo e lhes permitiu trabalhar conjuntamente.

“Houve sintonia desde que começámos a comunicar. É bom trabalhar com alguém com quem se tem este tipo de ligação, mesmo sem nos conhecermos, pois éramos estranhos um para o outro, mas até temos os mesmos objectivos e preocupações para com a comunidade.”

Carlos fala de um sonho com que não havia sonhado. “Levou alguma persistência, mas consegui convidar uma estranha que falava a mesma língua, evidentemente, mas também no sentido poético. Eu hoje considero a Alda como um membro da minha família.”

Alda Batista, nascida em Coimbra, cidade onde terminou os estudos e ainda começou a sua vida profissional, acabou por vir trabalhar para o Serviço de Tradução Portuguesa do Tribunal de Contas Europeu no Luxemburgo em 1995.

Carlos Cardoso nasceu em São Tomé e Príncipe e depois uma breve passagem por Portugal na adolescência, encontra-se actualmente em Roterdão, nos Países Baixos, onde é técnico de manutenção de máquinas industriais e é locutor na Rádio Voz de Cabo Verde.

O livro “Somos Todos Primos: Um Diálogo de Emoções” tem lançamento marcado para Maio deste ano em Lisboa.

Alda Batista reside e trabalha como tradutora no Luxemburgo
Alda Batista reside e trabalha como tradutora no Luxemburgo
Foto: Vasco Santos

Vítor Hugo Silva


Notícias relacionadas

Alda Batista, Carlos Cardoso, Hélder Diniz e Carlos Vieira são os quatro escritores lusófonos que esta tarde, a partir das 18h, vão participar na iniciativa “Escritas da Lusofonia”, que vai decorrer na sede da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL), em Strassen, na capital luxemburguesa.
Alda Batista