Escolha as suas informações

Quinzena de Cinema Português: “Cartas da Guerra” estreia no Luxemburgo
“Cartas da Guerra” é considerado um dos filmes portugueses do ano.

Quinzena de Cinema Português: “Cartas da Guerra” estreia no Luxemburgo

Foto: Promocional
“Cartas da Guerra” é considerado um dos filmes portugueses do ano.
Cultura 3 min. 07.12.2016

Quinzena de Cinema Português: “Cartas da Guerra” estreia no Luxemburgo

Filmes recentes e selecionados para festivais internacionais marcam a Quinzena de Cinema Português, que decorre até 18 de dezembro.

Filmes recentes e selecionados para festivais internacionais marcam a Quinzena de Cinema Português, que decorre até 18 de dezembro.

António altera o seu quotidiano ao ser enviado para a guerra colonial, em Angola. Longe de Maria José, a esposa, começa escrever-lhe cartas de amor. A mente do médico, aspirante a escritor, homem apaixonado e, agora, soldado, fervilha numa das zonas mais violentas da guerra. Esta é a sinopse de “Cartas da Guerra”, a terceira longa-metragem do realizador Ivo M. Ferreira, que está na programação da Quinzena de Cinema Português que começou segunda-feira e se estende até dia 18. Baseado no livro de António Lobo Antunes, antes dele mesmo ter publicado qualquer romance, o filme é também a visão do realizador sobre a guerra. Esta é a ante-estreia internacional da longa-metragem que tem lançamento comercial marcado para 2017 em países como França e Brasil. no Luxemburgo, a projeção acontece no dia 14, no cinema Utopolis, em Kirchberg.

A novidade da edição 2016 desta Quinzena prende-se na “descentralização do programa”, diz Joaquim Prazeres, responsável pelo Instituto Camões, que a par com a Embaixada de Portugal, organiza o certame. Além de duas salas escuras na capital luxemburguesa, também os cinemas de Esch/Alzette, Rumelange, Mondorf-les-Bains e Mersch recebem filmes”, explica o coordenador.

A 15 de dezembro, também o Instituto Camões terá um programa para os cinéfilos. As curtas-metragens “Sol Branco” e “Campo de Víboras” da lusodescendente Cristèle Alves Meira serão o mote para uma apresentação da própria realizadora sobre as diferenças cinematográficas entre curtas e longas-metragens. Nascida em França, mas oriunda de uma família de Trás-os-Montes, Cristèle Alves Meira, inspira-se nas suas experiências de Verão e histórias do Vimioso, terra natal dos seus pais. Nas duas curtas existem desejos de fuga.

“Pátio das Cantigas”, readaptado por Leonel Vieira em 2015, que rapidamente se transformou num dos filmes da década, faz também parte do cartaz. O clássico de Ribeirinho, lançado em 1942, marcou várias gerações. No entanto, Leonel Vieira conseguiu no século XXI um ’remake’ à altura da época de ouro do cinema português.

“Capitão Falcão” é o mais patriótico dos super-heróis nacionais e apenas responde a António de Oliveira Salazar. Com Puto Perdiz, o seu ajudante, combate as ameaças à nação. Mas os ventos da democracia sopram e não sabemos se o super-herói consegue salvar o dia. As dúvidas sobre o sistema em que sempre acreditou começam a levantar-se... Esta comédia de acção, do realizador João Leitão, retrata de forma divertida uma das épocas mais negras da história de Portugal.

Com um elenco feminino de luxo, “Jogo de Damas” abriu o argumento também às actrizes que o protagonizam. Fátima Belo, Rita Blanco, Maria João Luís, Ana Nave e Ana Padrão dão vida a um grupo de mulheres que se junta em torno de um funeral e reflecte sobre as razões da existência.

“O amor é lindo”, “Montanha” e “A esperança esta onde menos se espera” são os filmes que completam a programação desta quinzena. “Um programa atual, recente e de qualidade” resume Joaquim Prazeres, na qual o público português e estrangeiro terá oportunidade de ver o que de melhor se faz em Portugal, sabendo que todos os filmes têm sido aplaudidos pela crítica internacional.

Consulte o cartaz:

Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira (fr): 14 de dezembro, 19 h, Utopolis, Kirchberg.

Capitão Falcão, de João Leitão (fr): 16 dez., 19h15, Utopolis, Kirchberg.

Jogo de Damas, de Patrícia Serqueira (fr): 7 dez., Ciné Kursaal, Rumelange; 15 de dez., Ciné Wasserhaus, Mondorf.

O amor é lindo porque sim!, de Vicente Alves do Ó: 11 dez., 19h, Utopolis, Kirchberg; 12 de dez., Ciné Kursaal, Rumelange.

A esperança está onde menos se espera, de Joaquim Leitão (ing.): 17 dez., 20h, Kinosch, Esch-sur-Alzette.

O Pátio das Cantigas, de Leonel Vieira (fr): 8 dez., 18h30 , Ciné Wasserhaus, Mondorf; 10 dez., 16h, Kursaal, Rumelange; 18 dez., 19h, Ciné Ermesinde, em Mersch.

Montanha, de João Salaviza (fr): 9 dez., 20h, Kinosch, Esch-sur-Alzette; 13 dez., Ciné Ermesinde, em Mersch.

Sol branco e Campo de Víboras Cristèle Alves Meira: 15 dez., 18h30, Instituto Camões, Merl.

O actor David Mourato, de 14 anos, é o protagnoista de “Montanha”, de João Salaviza.
O actor David Mourato, de 14 anos, é o protagnoista de “Montanha”, de João Salaviza.

Vanessa Castanheira

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Quinzena do Cinema Português: O regresso do cinema de Portugal
A Quinzena de Cinema Português regressou ao Luxemburgo neste final de ano quando já se podia pensar que 2016 não ia ter a já habitual mostra de cinema luso. Ainda antes do ano terminar, o Centro Cultural e a Embaixada conseguiram por de pé uma seleção de sete longas metragens que representam bem o cinema que se foi fazendo “lá em baixo” nos últimos tempos.
Cristèle Alves Meira, realizadora luso-descendente, apresenta duas crutas metragens no dia 15 de dezembro no Instituto Camões.
De 5 a 18 de dezembro: "Cartas da Guerra" estreia no Luxemburgo
António é enviado para uma das zonas mais violentas em Angola, durante a Guerra Colonial. Médico, soldado, aspirante a escritor e apaixonado pela esposa, António escreve cartas a Maria João. Baseado no romance de António Lobo Antunes, “Cartas da Guerra”, do realizador português Ivo M. Ferreira abre a Quinzena de Cinema Português, que decorre de 5 a 18 de Dezembro em sete espaços do Luxemburgo.
"Cartas da Guerra" estreou-se este ano e tornou-se num sucesso de bilheteira
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo: Como manter excelentes relações com a família
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”