Escolha as suas informações

Promissora jovem fadista no Luxemburgo: Cláudia Madur impressionou com Fado intemporal
Cultura 2 min. 16.11.2014

Promissora jovem fadista no Luxemburgo: Cláudia Madur impressionou com Fado intemporal

Tozé Cerdeira (esq.), na guitarra portuguesa, e Joaquim Caniço, na viola, acompanharam Cláudia Madur

Promissora jovem fadista no Luxemburgo: Cláudia Madur impressionou com Fado intemporal

Tozé Cerdeira (esq.), na guitarra portuguesa, e Joaquim Caniço, na viola, acompanharam Cláudia Madur
Foto: Patrícia Marques
Cultura 2 min. 16.11.2014

Promissora jovem fadista no Luxemburgo: Cláudia Madur impressionou com Fado intemporal

O restaurante Odeon, em Weimerskirch, na capital luxemburguesa, teve casa cheia ao jantar na sexta-feira com uma centena de pessoas que aguardavam ansiosamente para escutar a bela voz da jovem fadista de origem portuense, Cláudia Madur que esteve de passagem no fim-de-semana no Grão-ducado para duas actuações.

O restaurante Odeon, em Weimerskirch, na capital luxemburguesa, teve casa cheia ao jantar na sexta-feira com uma centena de pessoas que aguardavam ansiosamente para escutar a bela voz da jovem fadista de origem portuense, Cláudia Madur que esteve de passagem no fim-de-semana no Grão-ducado para duas actuações.

A fadista de 30 anos de idade e psicóloga de profissão, nascida em Baião, distrito do Porto, surpreendeu o público com temas do seu álbum “Fado sem tempo”, com poemas originais (alguns de sua autoria) interpretados em melodias de fados tradicionais, acompanhada à guitarra portuguesa por Tozé Cerdeira e na viola por Joaquim Caniço.

Ovacionada várias vezes pelo público após temas como “Porto sentido”, “Casa portuguesa”, ou quando cantou “Rosa ao peito (Rosa branca),” a fadista explicou ao CONTACTO um pouco do seu percurso.

A fadista Cláudia Madur
A fadista Cláudia Madur
Foto: Patrícia Marques

Aos 6 anos de idade iniciou a sua formação musical na “Casa da Música de Baião”, estudando inicialmente clarinete e mais tarde piano. Porém, desde pequena que adora poesia (que também escreve) e como o fado é composto na sua essência por belas poesias rapidamente percebeu que a sua vocação era o canto e é com orgulho que diz “Dedico-me a esta paixão pelo fado que eu já canto profissionalmente há cerca de 10 anos porque o fado traz em mim uma grande saudade, nostalgia o que me dá um grande conforto e preenche toda a minha alma, todo o meu ser”.  

O título do primeiro e único álbum de Cláudia “Fado sem tempo” explica-se por ser um fado intemporal, como elucidou, “O que me preenche é o fado tradicional com poemas ajustados à minha essência e à minha personalidade. Felizmente como o fado foi recentemente galardoado como património da humanidade, isso permite-nos levar o fado pelo mundo fora, o que me deixa muito feliz, tenho viajado bastante. Chegar aqui hoje e ver a sala repleta e acarinharem-me desde a entrada, faz-nos esquecer as saudades da nossa família por viajarmos tanto e vivemos intensamente este momento”.

Foto: Patrícia Marques

A fadista e os seus músicos actuaram igualmente no Restaurante Fandango em Windhof no Sábado à noite.

Mais informações sobre Cláudia Madur estão disponíveis no sitewww.claudiamadur.com ou na sua página do Facebook em “Cláudia Madur”.

Patrícia Marques


Notícias relacionadas