Prémio artístico internacional

Nelson Neves e canadiana de origem luxemburguesa distinguidos em Itália

Nelson Neves recebeu o prémio "Guerreiros de Riace 2017" no domingo, em Lecce, Itália.
Nelson Neves recebeu o prémio "Guerreiros de Riace 2017" no domingo, em Lecce, Itália.
Foto: associação cultural “Italia in Arte nel Mondo”

O artista plástico luxemburguês de origem cabo-verdiana Nelson Neves foi distinguido no domingo em Itália com o prémio internacional “Guerreiros de Riace 2017”.

O galardão, atribuído anualmente pela associação cultural “Italia in Arte nel Mondo”, foi entregue no antigo e monumental teatro Paisiello, na cidade de Lecce, no sul da Itália, a artistas de vários países. Entre eles, destaque para a canadiana de origem luxemburguesa Angèle Lux e a pintora, ilustradora e vitralista portuguesa Sónia Domingues.

Nelson Neves representava o Luxemburgo e Cabo Verde, mas a "descoberta" de outro "representante" do Grão-Ducado acabou por ser uma surpresa, revela o pintor. "Depois da gala, durante uma troca de impressões, descobri que os pais da Angèle Lux são do Luxemburgo. Eles emigraram há muito tempo para o Canadá, onde ela acabaria por nascer [em 1961]. Disse-me que ainda tem família no norte do Luxemburgo", conta Nelson Neves ao Contacto.

Depois da conversa, ficou a promessa de que Nelson Neves vai ser convidado a expor no Canadá e de que Angèle Lux fará o mesmo na terra dos pais. Além de Canadá, Nelson Neves foi também convidado a expor em Casablanca, Marrocos, pelo pintor e professor de Artes Plásticas local Abdel-Ilah Chahidi.

Mais Galerias

Reconhecimento de carreira dedicado à primeira geração de cabo-verdianos

O prémio de mérito “Guerreiros de Riace 2017” foi entregue como reconhecimento pelos 16 anos de carreira de Nelson Neves e pela divulgação da arte contemporânea através de exposições na Europa e em Cabo Verde, também enquanto embaixador do Instituto Europeu das Artes Contemporâneas no Luxemburgo.

O galardão foi dedicado à primeira geração de cabo-verdianos no Grão-Ducado. "É um reconhecimento que dedico à primeira geração de cabo-verdianos que chegou ao Luxemburgo. Foi graças a eles que muitos cabo-verdianos vieram para cá, ajudando as suas famílias e Cabo Verde a ir para a frente. É também um prémio que me dá mais coragem para continuar a divulgar a arte contemporânea", sintetiza.

Além de exposições, Nelson Neves tem levado a cabo oficinas de pintura com crianças, com pessoas portadoras de deficiência e reclusos, "uma experiência rica e gratificante que prova que a arte não tem barreiras, nem de idade, nem físicas, mentais ou de liberdade", diz o pintor nascido na ilha cabo-verdiana de Santo Antão.

Henrique de Burgo

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.