Escolha as suas informações

Príncipe Félix foi a Cannes apoiar a produção luxemburguesa
Cultura 17.05.2015 Do nosso arquivo online
Cinema

Príncipe Félix foi a Cannes apoiar a produção luxemburguesa

Cinema

Príncipe Félix foi a Cannes apoiar a produção luxemburguesa

COUR GRAND-DUCALE/DAVID NIVIERE
Cultura 17.05.2015 Do nosso arquivo online
Cinema

Príncipe Félix foi a Cannes apoiar a produção luxemburguesa

O Festival de Cannes recebeu um ilustre convidado. O príncipe Félix deixou por uns instantes a sua casa no Castelo Crostes Lorgues, para se juntar aos profissionais do Luxemburgo que participam este ano em mais uma edição do festival

O Festival de Cannes recebeu um ilustre convidado. O príncipe Félix deixou por uns instantes a sua casa no Castelo Crostes Lorgues, para se juntar aos profissionais do Luxemburgo que participam este ano em mais uma edição do festival.

Uma visita que foi uma oportunidade para o príncipe ficar a conhecer a equipa de produção do filme "The All New Testament", uma co-produção luxemburguesa que está presente na seleção da Quinzena dos Realizadores, em Cannes. O filme estreou este domingo no Festival.

COUR GRAND-DUCALE/DAVID NIVIERE

O príncipe Félix visitou ainda o mercado internacional de cinema de Cannes. Um lugar para comprar e vender filmes de todo o mundo.

O Festival de Cannes é o evento de cinema mais importante do mundo. Por estes dias, Cannes alberga mais de 35 mil profissionais do cinema, incluindo mais de 4.000 jornalistas.

A ministra da Cultura do Luxemburgo, Maggy Nagel, também está em Cannes.

 

 


Notícias relacionadas

Julia Ducournau é a segunda mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes depois de Jane Campion, galardoada pelo filme “The Piano”, em 1993, e ex aequo com o chinês Chen Kaige por “Adieu ma concubine”.
O meu “coup de coeur” de Cannes é até agora um filme luso-brasileiro. A única longa metragem portuguesa na seleção oficial é um belíssimo filme do brasileiro Cacá Diegues: “O Grande Circo Místico”.
Vincent Cassel, o francês mais brasileiro da Sétima Arte, em “O Grande Circo Místico”.
Um dos mais conhecidos críticos luxemburgueses disse-me há já alguns meses que tinha tomado a decisão de não ir este ano ao festival de Cannes. Duvidei e perguntei-lhe porquê. Disse-me que não tinha vontade de ver os filmes que Cannes lhe propõe; porque são pretensiosos ou porque são sempre dos mesmos autores.
 O 70° Festival de Cannes começa hoje e decorre até 28 de maio.
É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes
Festival de Cannes 2015
Dizia-se em Portugal, a partir dos anos 70, que muitos dos nossos cineastas faziam filmes para mostrar em Paris em vez do nosso país. A expressão foi cunhada para definir, ironicamente, o cinema português que recebia influências da nova vaga francesa e de outras tendências que se seguiram.
Este ano, Miguel Gomes vai à Quinzena dos Realizadores, em Cannes, para apresentar o seu novo trabalho "Mil e uma noites"