Escolha as suas informações

Philharmonie: Festival Atlântico aposta nas fusões musicais
Carminho é a primeira fadista a atuar no festival

Philharmonie: Festival Atlântico aposta nas fusões musicais

Foto: Leo Aversa
Carminho é a primeira fadista a atuar no festival
Cultura 5 min. 27.04.2017

Philharmonie: Festival Atlântico aposta nas fusões musicais

Maria João, Rodrigo Leão, Carminho e Legendary Tigerman são alguns dos nomes apresentados para a edição deste ano do Festival Atlântico, na Philharmonie. Na apresentação da temporada, além dom programa habitual de música clássica, jazz e world music, é notório um novo horizonte musical, mais ecléctico e mais abrangente.

A segunda edição do festival Atlântico volta a surpreender e apresenta um cartaz ecléctico e também soberbo. De 8 a 14 de outubro desfilam pelo festival que decorre na Philharmonie do Luxemburgo nomes da música portuguesa e lusófona, e desta vez há uma novidade de peso, com a Orquestra Filarmónica do Luxemburgo (OPL) a juntar-se aos músicos convidados. Foi o que revelou a equipa da Philharmonie em conferência de imprensa que teve lugar ontem e durante a qual foi divulgado o programa da temporada 2017/2018 daquela sala (ver caixa).

Maria João, Rodrigo Leão, Carminho, Legendary Tigerman ou Tcheka são alguns dos artistas que passam pelos vários espaços de sala de maior referência do Grão-Ducado e das maiores da Europa.

O Festival Atlântico volta a construir pontes e casamentos musicais entre a bossa nova, o fado, a morna e, desta vez, também a música clássica. O português Francisco Sassetti, responsável pela programação da Philharmonie e mentor do Festival Atlântico, explica que o “conceito é para manter, o festival é para ficar, com novidades, é certo.”

Rodrigo Leão é um compositor único. No seu historial contam bandas lendárias como os Madredeus ou os Sétima Legião. Foi também o responsável pela banda sonora do filme “Gaiola Dourada”, que bateu recordes de bilheteira em França e em Portugal. A técnica exata ao piano e a leveza com que adorna as suas composições fizeram-no construir temas como “Ave Mundi”, “A ilha dos Açores” ou “Histórias”. Rodrigo Leão é impar e intemporal. A 8 de outubro sobe ao palco da Sala de Música de Câmara da Philharmonie com o australiano Scott Matthew para “um projeto novo que conjuga os estilos de songwriter numa pop melancólica”, adianta Sassetti.

No mesmo dia atua o cantor, compositor, guitarrista, baterista e percusionista brasileiro Vinícius Cantuária, um embaixador da bossa nova, sem necessidade de grandes apresentações, que interpretará Tom Jobim, outro nome incontornável da cultura brasileira.

A 11 de outubro chega a voz impressionante do cabo-verdiano Tcheka, para um momento a solo com a sua guitarra. Na bagagem traz a música tradicional do arquipélago de Cabo-Verde com aditivo de jazz e de música erudita.

No dia seguinte, atua a transversal Maria João, acompanhada por Egberto Gismonti. “É um duo de jazz, uma ponte entre Portugal e Brasil”, esclarece o programador. Uma noite de puro jazz em que atuam duas lendas vivas do improviso.

A alma do Atlântico

A 13 de outubro, a OPL funde-se com o multi-instrumentista brasileiro e o único nome repetido nas duas edições, Marcello Gonçalves, com a israelita Anat Cohen, Roberta Sá e com a direcção do português Pedro Neves. Este concerto é, para o Francisco Sassetti, “a alma do Atlântico”, há cruzamentos musicais e há casamentos de estilos. Francisco Sassetti mostra-se entusiasmado em relação a este concerto. “Promete-se uma primeira parte com reportório de música clássica e que depois passa para o cancioneiro brasileiro, sempre com sonoridades do universo clássico, dirigida por Pedro Neves, uma aposta pessoal, e com a voz da incontornável Roberta Sá.”

Depois deste momento de música clássica, o Atlântico volta a surpreender e apresenta sonoridades mais urbanas com um nome alternativo e conhecido do público que não está habituado à Philharmonie. O artista português Legendary Tigerman já passou pelo Luxemburgo e a sua qualidade prova porque razão veio, na sua estreia em terras grã-ducais, pela mão da Abadia Nëimenster e volta agora diretamente através da Philharmonie. Tigerman é tão andrógino como a sua música. É um one-show-man, um homem-orquetra, sozinho em palco, toca, canta e é exímio nos seus blues roqueiros. Paulo Furtado, de seu verdadeiro nome, não se pode explicar apenas com música, ele é cinematográfico.

O ano passado, os Dead Combo foram a surpresa do festival, este ano Tigerman não defraudará as expetativas do público mais alternativo e sedento de outros horizontes musicais e pontuais na Philharmonie.

Falar de Atlântico é falar de portugalidade e a novidade da segunda edição é a vinda de uma fadista. O ano passado “foi opção não apostar no fado, mas falar de música portuguesa é também falar de fado e mostrar outras fadistas”, justifica o responsável pelo programa. Carminho é a escolha, representa a nova geração, não é um nome menor, ganhou o seu espaço e conquista à primeira. Quem a conhece, apaixona-se. Carminho é uma fera em palco. É presença habitual em festivais de verão e se durante o dia é mais uma festivaleira, mesmo com 38 graus de calor, à noite sobe ao palco e prova com que alma é talhado o fado. Carrega em si a herança boémia de Lisboa, para muitos é a fadista mais tradicional deste novo boom do fado, mas que mergulhou no cancioneiro de Tom Jobim e que já partilhou palco com artistas de outras áreas musicais como Pablo Alborán, Maria Bethânia, Ney Matogrosso ou Miguel Araújo. Uma pequena confidência, o tema “Pica do 7”, escrito pelo cantautor português, interpretação sobejamente conhecida na voz de António Zambujo, foi criado para Carminho. Mas a fadista viria a ser aconselhada a não incluir o tema no seu álbum quando este foi editado no Brasil, onde a palavra “pica” é um palavrão. Ficou o Zambujo a ganhar. A confidência foi segredada ao público por Miguel Araújo, quando na semana passada atuou na Kulturfabrik, em Esch.

A terminar e “de forma divertida, informal e em festa”, diz Francisco Sassetti, “chega a Filarmónica de Pasárgada, de São Paulo”, Brasil. E é com este conjunto que a Philharmonie fecha a segunda edição do Festival Atlântico.

Os bilhetes gerais podem ser adquiridos a partir do mês de agosto, enquanto os ingressos individuais podem ser comprados mês antes do Atlântico.

Vanessa Castanheira/José Luís Correia

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Rodrigo Leão traz novo projeto ao Luxemburgo
Rodrigo Leão, com uma carreira que ficará na história da música portuguesa, vem ao Luxemburgo com Scott Matthew para apresentar um disco a quatro mãos, “Life is Long”. O concerto é já no próximo domingo, dia 8 de outubro, e faz parte do Festival Atlântico, que arranca esta semana na Philharmonie.
Rodrigo Leão e Scott Matthew trazem ao Luxemburgo “Life is Long”, um disco com letras do australiano e músicas do português. Foto: Rita Carmo RodrigoLeão traz novo projeto ao Luxemburgo