Escolha as suas informações

O artista que influencia orçamentos do Estado expõe no Camões
Cultura 2 min. 01.02.2018 Do nosso arquivo online
Pedro Calapez

O artista que influencia orçamentos do Estado expõe no Camões

A exposição de Pedro Calapez vai estar no Centro Cultural Português do Luxemburgo de 1 de fevereiro a de 9 de abril.
Pedro Calapez

O artista que influencia orçamentos do Estado expõe no Camões

A exposição de Pedro Calapez vai estar no Centro Cultural Português do Luxemburgo de 1 de fevereiro a de 9 de abril.
Cultura 2 min. 01.02.2018 Do nosso arquivo online
Pedro Calapez

O artista que influencia orçamentos do Estado expõe no Camões

Tem uma obra na sala onde foi discutido o Orçamento do Estado para 2018, no Palácio de São Bento, e é um dos artistas plásticos portugueses mais conhecidos. “Lugares inóspitos” é o título da exposição que Pedro Calapez inaugura esta quinta-feira no Centro Cultural Português, no Luxemburgo.

É uma exposição de trabalhos inéditos, em pintura sobre papel, que vai ser inaugurada esta quinta-feira, no Centro Cultural Português – Camões. A mostra inclui obras de três séries de 2017: “Espelhos”, com 15 trabalhos, “Ruídos”, com nove, e “Inóspitos”, com 20. Em todas, sobressai a imagem de marca de Pedro Calapez: a cor. “Conheço-me numa folha de papel branco. Mas pleno de cores como me encontro nele?”, questiona o artista num dos textos que acompanham a exposição.

Nascido em Lisboa, em 1953, Pedro Calapez começou a participar em exposições nos anos 70, com pintura e escultura, tendo realizado a sua primeira mostra individual em 1982.

Uma das suas obras faz parte das telas da coleção de Serralves que o primeiro-ministro António Costa escolheu para expor no Palácio de São Bento, em outubro passado. A seleção – que inclui nomes como Helena Almeida, Julião Sarmento ou Cabrita Reis – foi feita por Suzanne Cotter, a nova diretora do Mudam, que era então a responsável do Museu de Serralves.

Uma pintura de Calapez, de 1987, foi colocada na sala de reuniões onde ia discutir-se o Orçamento do Estado para 2018. O que levou o primeiro-ministro a brincar com o artista, durante a inauguração, sobre o “efeito benéfico da arte contemporânea” nas finanças públicas. “Já sabe que, se os orçamentos saírem maus, a culpa é sua”, ironizou, na altura, António Costa, em declarações citadas no jornal Público.

Se Pedro Calapez pode ou não influenciar orçamentos do Estado é coisa que, como garantiu na altura, não o preocupa. Mas a escolha de um artista do seu calibre para a primeira exposição do ano no Centro Cultural Português no Luxemburgo, depois de uma mostra marcante de Miguel Branco, prova que a fasquia, naquele espaço, passou a ser elevada.

“Lugares Inóspitos” reúne trabalhos que representam uma exploração pessoal. “Na tranquilidade do meu sótão, rodeado dos meus livros e objetos, encontrados aqui e ali, a viagem começa numa pequena folha de papel, conduzida por uma cor que insiste em deslizar até ao seu bordo”, pode ler-se no texto assinado por Pedro Calapez para esta exposição. “Em vão tento encontrar-me neste terreno inóspito mas o que pressinto é um lento mergulhar no mar das cores.”

Pedro Calapez estudou na Faculdade de Belas Artes em Lisboa (1976-81) e na Sociedade Nacional de Belas Artes (1972-75). Em 2001, foi-lhe atribuído o Prémio EDP de Pintura, tendo recebido em 2012 o Grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

O seu trabalho encontra-se representado no Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, em Madrid, Coleção do Banco Central Europeu, Frankfurt, Centro Galego de Arte Contemporáneo, Santiago de Compostela, Fundação Calouste Gulbenkian, Coleção Caixa Geral de Depósitos e Fundação Portugal Telecom, em Lisboa, Coleção do Chase Manhattan Bank, em Nova Iorque, e European Investment Bank, no Luxemburgo. Participou na Bienal de Veneza em 1986 e na Bienal de São Paulo em 1987 e em 1991.

A exposição de Pedro Calapez vai ser inaugurada na quinta-feira, dia 1 de fevereiro, às 18h30, no Centro Cultural Português, e ficará patente até 9 de abril.

Paula Telo Alves


Notícias relacionadas

Entrevista Pedro Calapez
Chama-se “Inóspitos”, mas as cores vibrantes da exposição de Pedro Calapez no Centro Cultural Português no Luxemburgo não podiam ser mais acolhedoras. Ao Contacto, o artista plástico falou sobre estes 25 trabalhos inéditos, que podem ser vistos até 9 de abril.
Pedro Calapez na inauguração de uma mostra de obras inéditas, no Centro Cultural Português no Luxemburgo.
A partir de sexta-feira e até 14 de Junho, a galeria de arte "The Art Connection", em Merl, na capital, vai expôr pinturas das brasileiras Carine Quadros e Rosana Faustino, bem como da colombiana Patricia Endara.
(Da esquerda para a direita): Valentin Legendre, curador da exposição, Patricia Endara, Carine Quadros e Ramtin Hormozirad, proprietário da galeria "The Art Connection"
O artista plástico português Marco Godinho, residente no Luxemburgo, inaugura este domingo uma exposição na Bélgica, tendo agendada ainda uma mostra também para a capital luxemburguesa, com inauguração na próxima sexta-feira.
Exposição colectiva patente até 6 de Março
A artista plástica portuguesa Eduarda Almeida está entre os 34 artistas presentes no 5º Salão de Arte Contemporânea que decorre em Esch-sur-Alzette. A exposição colectiva pode ser vista até 6 de Março no Teatro Municipal de Esch-sur-Alzette.
Esta é a primeira grande exposição de Eduarda Almeida