Escolha as suas informações

Paris inaugura museu de street art a céu aberto com toque português
Cultura 4 3 min. 14.06.2019

Paris inaugura museu de street art a céu aberto com toque português

O graffiter Vihls (Alexandre Farto) vai participar no projeto "Boulevard 13", em Paris

Paris inaugura museu de street art a céu aberto com toque português

O graffiter Vihls (Alexandre Farto) vai participar no projeto "Boulevard 13", em Paris
Foto: Gerry Huberty
Cultura 4 3 min. 14.06.2019

Paris inaugura museu de street art a céu aberto com toque português

Três artistas portugueses, Vhils, Pantonio e Add Fuel, vão dar uma nova vida às fachadas das habitações de um bairro social na capital francesa. O objetivo é tornar o 13.º bairro de Paris numa verdadeira atração cultural para habitantes e turistas.

O projeto "Boulevard 13" é um conjunto de 32 instalações de street art no 13.º bairro de Paris, numa zona de habitação social, com contributos dos artistas portugueses Pantonio, Add Fuel e Vhils.

Em dia de Santo António, Paris também parou para uma festa popular, mas em vez de celebrar a sardinha ou o manjerico, o presidente da câmara do 13.º bairro organizou um baile popular para dar a conhecer aos parisienses e aos turistas o conjunto de instalações de vários artistas de street art.

A intervenção destes artistas no 13.º bairro de Paris realiza-se desde 2016, numa zona que pretende ser o maior museu do mundo de street art.

"Sou a favor da instalação da arte na cidade e começámos um trabalho de fundo no bairro com arquitetos e artistas. Reparámos que tínhamos cada vez mais street art nas nossas paredes e coincidiu com a vinda da Galeria Itinerrance para aqui. Assim, começou um movimento que nos levou a este museu a céu aberto com artistas de todo o mundo, incluindo portugueses", disse à Lusa o presidente da câmara do 13.º bairro, Jérôme Coumet.

Em 2014, Vhils criou no Freeport da cidade do Luxemburgo uma obra em homenagem à imigração portuguesa
Em 2014, Vhils criou no Freeport da cidade do Luxemburgo uma obra em homenagem à imigração portuguesa
Foto: Guy Jallay

A Avenida Vincent Auriol, onde se localiza grande parte destas obras, foi maioritariamente construída na década de 1970 e conta com vários prédios de alojamento social.

A iniciativa de street art resulta de uma parceria entre a associação local Association de Promotion des Arts Plastiques et Urbains Contemporains, a Câmara do 13.º bairro (equivalente à estrutura de uma junta de freguesia em Portugal) e a galeria de arte Itinerrance e tem feito mexer o bairro.

"Desde logo, faz com que o nosso bairro fique mais bonito, aos habitantes dá um certo orgulho porque já não vivem num prédio com um número, vivem num prédio com esta imagem ou aquela figura. E o nosso bairro, que não consta nos guias de quem visita Paris, já está a atrair mais pessoas", reforçou Jérôme Coumet. O autarca está agora a promover um percurso pedonal pelo bairro com um mapa que sinaliza todas as obras.

Aos habitantes dá um certo orgulho porque já não vivem num prédio com um número, vivem num prédio com esta imagem ou aquela figura.  

O intuito é que esta vizinhança ganhe uma dimensão artística inesperada e se torne uma verdadeira atração cultural para todos os que vivem e visitam a capital francesa.

Janette, que vive na Avenida Vincent Auriol e que se juntou à festa de Santo António, aprova a iniciativa. "É espetacular, muito melhor do que um muro que só se degrada e fica feio ou que vai ser todo escrito. Pelo menos, temos gosto em andar aqui", disse a habitante local, que vive neste bairro há mais de 60 anos.

Já para Thérese, que se mudou há pouco tempo para a zona e já conheceu o bairro assim, esta também é uma iniciativa interessante. "Já deu para conhecer alguns dos murais e é muito bonito, muito melhor do que uma fachada completamente uniforme", afirmou esta parisiense.

Entre os artistas que já contribuíram para esta iniciativa estão nomes como Shepard Fairey, Invader, D*Face, Seth, Conor Harrington e também os portugueses Add Fuel, Pantonio e Vhils.

Add Fuel tem uma das suas características obras de azulejo no número 135 da Avenida Vincent Auriol, e Pantonio está presente no seguimento desta avenida, na Praça de la Venétié, com um emaranhado de aves. Já Vhils está nas imediações, no número 177 da Rua de Chateau des Rentiers, com um dos seus murais.

Para o futuro, este bairro quer continuar a enriquecer os muros dos seus prédios com obras de street art, tendo previsto chegar às 50 intervenções até 2020.

Lusa


Notícias relacionadas

O artista sem-abrigo do coração de Lisboa
As suas obras são efémeras, mas hoje correm o mundo nas fotos de milhares turistas que visitaram Lisboa. Júlio, 45 anos, fez da cidade abandonada a sua casa e a sua tela. Paredes meias com o Castelo de São Jorge e o mais luxuoso hotel do centro da capital portuguesa, há ruínas que se cobrem de pinturas e de instalações, de cor e de corações. Retrato de um sem-abrigo e da sua inexplicável urgência de criar.
 "O coração é tudo", diz Júlio, artista sem-abrigo.