Escolha as suas informações

Oblivion: Onde é que eu já vi isto?
Olga, queres ver Braga por um canudo?

Oblivion: Onde é que eu já vi isto?

Olga, queres ver Braga por um canudo?
Cultura 4 min. 10.09.2013

Oblivion: Onde é que eu já vi isto?

"Oblivion", de Joseph Kosinski, com Tom Cruise, Morgan Freeman, Andrea Riseborough, Olga Kurylenko, Melissa Leo, Zoe Bell e Nikolaj Coster-Waldau.

Jack (Tom Cruise) e a sua colega e mulher Victoria (Andrea Riseborough) trabalham juntos na torre de observação terrestre para vigiar os inimigos Scavs e assegurar a manutenção da frota de "drones" que patrulham o planeta contra potenciais invasores.

Estamos em 2077 e a Terra já não tem vida, pois foi devastada por causa de uma guerra entre humanos e extraterrestres.

Quando Jack descobre uma nave espacial despenhada começa a questionar-se sobre a versão oficial da História. Mais. A sobrevivente humana Julia (Olga Kurylenko) faz-lhe lembrar alguém e Jack fica ainda mais confundido.

A personagem interpretada por Tom Cruise entra numa fase de dúvidas e acaba por não acreditar sequer no que lhe diz a chefe de missão Sally (Melissa Leo) que lhe envia instruções à distância.

Tom Cruise regressa aos grandes ecrãs com um surpreendente e épico trabalho de ficção científica dirigido pelo realizador de "Tron: Legacy" e proposto pelos criadores de "Rise of the Planet of the Apes".

Das magníficas imagens do mundo de amanhã destruído, passando pela imensa tecnologia e algumas cenas de acção extremamente intensas, "Oblivion" é um daqueles filmes que tem de ser visto no grande ecrã, e quanto maior for melhor (os criadores também fizeram uma versão IMAX).

Quando Jack Harper sobrevoa o que resta do mundo radioactivo nas suas formas de locomoção de alta tecnologia, ninguém pode ficar indiferente (eu fiquei de boca aberta uns segundos, e várias vezes).

O realizador, Joseph Kosinski, que demonstrou algumas dificuldades em "Tron: Legacy" para tirar o melhor partido dos efeitos visuais, desta vez conseguiu o máximo resultado, sendo os melhores exemplos os robôs que sobrevoam a Terra ou os passeios de Jack na sua nave.

Apesar de as tecnologias evoluírem constantemente, "Oblivion" deixa a impressão de "déjà-vu". Os espectadores mais habituados a filmes de ficção científica vão sentir, aqui e ali, que há elementos de outras obras. Isto não seria mau se a síntese trouxesse algo de novo, mas os "geeks" do género arriscam-se a sair da sala desiludidos porque esta película não inova, não surpreende.

Contudo, "Oblivion" conquista pelo seu estilo, pela forma. Trata-se de uma obra que vai deixar marcas na forma de filmar o futuro. O espectáculo visual é extremamente dominante e acaba por apagar a história, que na verdade não é muito elaborada.

O realizador terá escrito "Oblivion" como uma banda desenhada que nunca chegou a ser publicada. Segundo Kosinski, o objectivo era fazer uma homenagem à ficção científica dos anos 60.

Curiosamente, o filme parece muito actual porque tem um certo aspecto de jogo de vídeo, tanto graficamente como na sequência das acções. Parece que o protagonista deve ultrapassar várias etapas e, sem conseguir completar a precedente, não poderá avançar.

A banda sonora (excelente), bastante ritmada em momentos cruciais, marca ainda mais a sensação de se estar perante um jogo num ecrã anormalmente grande. O ritmo do filme peca sobretudo porque não há muito para contar.

A ausência de um argumento decente deixa espaço para observar melhor e para detectar as inúmeras referências e influências. Para relançar o espectador, Kosinski propõe uma cena de acção que exclui a presença humana. Os "drones" são os protagonistas.

Tom Cruise acaba por ter um papel secundário nos momentos mais fortes do filme. Morgan Freeman faz pensar imenso em Laurence Fisburne em "Matrix", enquanto que Olga Kurylenko varia entre o silêncio e a histeria. A interpretação de Andrea Riseborough é talvez a mais completa e convincente.

Na globalidade, "Oblivion" não é um desastre. O mistério e a descoberta iniciais conseguem captar a atenção do espectador, mas infelizmente o desenrolar da história deixa a impressão de "onde é que eu já vi isto?".

"Oblivion", de Joseph Kosinski, com Tom Cruise, Morgan Freeman, Andrea Riseborough, Olga Kurylenko, Melissa Leo, Zoe Bell e Nikolaj Coster-Waldau. 

Raúl Reis

Publicado no CONTACTO em 17.04.2013