Escolha as suas informações

Na Philharmonie: Luxemburgo rendeu-se ao talento de Miguel Araújo
Miguel Araújo diz que ficou surpreendido com o carinho do público do Luxemburgo

Na Philharmonie: Luxemburgo rendeu-se ao talento de Miguel Araújo

Foto: Paulo Dâmaso
Miguel Araújo diz que ficou surpreendido com o carinho do público do Luxemburgo
Cultura 4 min. 02.10.2015

Na Philharmonie: Luxemburgo rendeu-se ao talento de Miguel Araújo

Miguel Araújo esteve ontem no Luxemburgo, para um concerto na Philharmonie. Considerado um dos artistas mais completos da nova geração da música portuguesa, o cantor e compositor do Porto actuou durante quase duas horas com casa cheia.

O Dia Mundial da Música, celebrado esta quinta-feira, marcou a estreia de Miguel Araújo no Luxemburgo, com um concerto na Philharmonie, na capital do país. Considerado um dos artistas mais completos da nova geração da música portuguesa, o cantor e compositor do Porto não podia ambicionar melhor estreia por terras do Grão-Ducado: actuou durante quase duas horas, perante as 300 pessoas que lotaram a Sala de Música de Câmara.

Num espectáculo intimista, Miguel Araújo trouxe na bagagem temas dos seus dois álbuns editados a solo ("Cinco Dias e Meio", de 2012, e "Crónicas da Cidade Grande", de 2014), músicas da sua banda, Os Azeitonas, e ainda canções que compôs para outros nomes grandes da música portuguesa.

O 46º concerto da digressão de 2015 começou a solo com "Carolina", "Capitão Fantástico" e "Ventura" (tema que escreveu para a fadista Carminho). "Não sei em que língua me deva dirigir a vocês. Quantos portugueses estão aqui?", atirou Miguel Araújo. O número de braços no ar foi elucidativo: cerca de 80 por cento da audiência era portuguesa. Mas na magnífica sala da Philharmonie estavam também muitos luxemburgueses, franceses e alemães. A plateia, heterogénea, era composta por várias gerações, dos 7 aos 77. Miguel Araújo alternou entre o português e o inglês. "Assim todos me entendem".

Foto: Sébastien Grébille / Philharmonie

Já acompanhado em palco por Pedro Santos (baixo, contrabaixo) e por Diogo Santos (piano, acordeão e melódica), Miguel Araújo fez desfilar outros temas bem conhecidos, como "Reader's Digest" e "O Pica do 7" (ambos escritos para António Zambujo), além do tema "E Tu Gostavas de Mim", composto para a fadista Ana Moura.

O público estava rendido. Cada letra estava na ponta da língua e a plateia não se fez rogada para cantar com Araújo. "É a primeira vez aqui e é absolutamente incrível ver esta sala assim cheia", admitiu o artista, arrancando mais uma série de aplausos.

O intervalo, o voo atribulado e as guitarras em terra

A primeira parte do espectáculo terminou com "Romaria das Festas de Santa Eufémia". O concerto, inserido na iniciativa "Chill at the Phil", teve intervalo, uma surpresa para o cantor. "Nunca tinha feito um concerto com intervalo. Mas assim dá para ir fazer um chichizinho e comer umas pipocas", brincou o artista multifacetado, arrancando uma gargalhada geral.

A iniciativa "Chill at the Phil" da Philharmonie funciona como um "remédio natural" para combater o stress. Ao público é permitido, em determinados concertos, beber o seu copo de espumante, cerveja ou outra bebida comodamente na sala, enquanto se é guiado pela música que vem do palco. Um conceito possível graças ao civismo da audiência.

A segunda parte do concerto começou com um tema inédito. Miguel Araújo estreou no Luxemburgo a sua mais recente música, "Quarto de Glória". "Tem apenas três dias e vou estreá-la aqui, porque sei que não corro o risco de alguém filmar e ir imediatamente colocá-la no Youtube. Aqui as regras são mais apertadas", afirmou Miguel Araújo, que tocou ainda outra música nova: "Lá vai Sofia".

"Balada Astral" voltou a arrancar aplausos e eis que, novamente a solo em palco, Miguel Araújo cantou em inglês: "American Tune", do álbum "There Goes Rhymin' Simon" (1973), o segundo disco a solo de Paul Simon. Foi um dos momentos da noite, com Miguel Araújo a radiografar na perfeição a emigração portuguesa espalhada pelo mundo.

O ecléctico artista português passou depois pelo repertório da sua banda, Os Azeitonas. "Desenhos Animados" serviu para Miguel Araújo brincar com a "feminilidade" do tom da música e fazer uma confissão: "Deixei de fumar há um mês. É um pesadelo, sobretudo para a voz. Daqui a uns meses estou a cantar com o tom da Mariza", brincou.

Foto: Sébastien Grébille / Philharmonie

"Anda comigo ver os aviões" foi o tema perfeito para Miguel Araújo dar uma "alfinetada" na TAP, a transportadora aérea portuguesa. Em causa esteve o embarque dos instrumentos no voo de Portugal para o Luxemburgo. Este é, de resto, um problema frequente para os músicos em digressão. Neste caso, a TAP não terá permitido que as guitarras fossem junto dos músicos e a solução foi enviar os instrumentos para o porão. Só que mesmo assim a TAP descartou responsabilizar-se caso algum instrumento sofresse danos durante o voo.

Segundo Miguel Araújo, os músicos arriscaram enviá-los no porão do avião e criticam a empresa, acusando-a de querer fugir às suas responsabilidades, "que até podiam não ser nenhumas". Miguel Araújo aventurou-se a enviar as suas guitarras ("felizmente, chegaram bem"), mas o baixista Pedro Santos não arriscou trazer a viola-baixo e o contrabaixo. "Por isso, agradecemos a quem disponibilizou os dois instrumentos para o espectáculo desta noite", agradeceu Miguel Araújo. ​

Para o final estava guardado o melhor: "Dona Laura", "Os Maridos das Outras" (o tema mais popular do disco "Cinco Dias e Meio") e, já no encore, "Contamina-me", encerraram um espectáculo de luxo, a que se seguiu uma sessão de autógrafos.

Em jeito de balanço, Miguel Araújo garante que não podia ambicionar melhor estreia no Grão-Ducado. "Estou surpreendido com a receptividade do público. Havia uma grande expectativa. Não sabia bem o que esperar e o concerto foi melhor do que muitos em casa (Portugal). Mas, afinal esta também é nossa casa, não é?", disse ao CONTACTO Miguel Araújo, que promete novidades para 2016 e ambiciona regressar ao Luxemburgo.

Paulo Dâmaso


Notícias relacionadas

Concerto no Luxemburgo : Miguel Araújo na Philharmonie
O nome de Miguel Araújo se calhar não lhe diz muito, mas se lhe dissermos que é ele que canta aquela música que diz que “os maridos das outras são...”, com certeza que até já está a trautear a música que chegou aos tops portugueses em 2012. Miguel Araújo é autor e compositor e vai actuar no próximo dia 1 de Outubro na Philharmonie, na cidade do Luxemburgo. Há quem diga que é dos melhores da actualidade.
É a primeira vez que Miguel Araújo vem ao Luxemburgo