Escolha as suas informações

"Mosquito". O 1917 português
Cultura 3 min. 01.04.2020 Do nosso arquivo online

"Mosquito". O 1917 português

João Nunes Monteiro é a vítima do mosquito e da guerra em Moçambique

"Mosquito". O 1917 português

João Nunes Monteiro é a vítima do mosquito e da guerra em Moçambique
Foto: Divulgação
Cultura 3 min. 01.04.2020 Do nosso arquivo online

"Mosquito". O 1917 português

António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
O filme de João Nuno Pinto dá o tom: estamos aqui para falar da história do colonialismo português, sem paninhos quentes, sem falsos heroísmos.

Zacarias quer ir para a guerra. Quer orgulhar a pátria em França, onde tudo acontece, mas acaba por aterrar em África. Estamos em 1917. E para Moçambique vai um barco cheio de soldados portugueses. Zacarias, com ar franzino, é um rapaz de 17 anos, tímido, calado e que tem tudo menos ar de herói.

Os soldados portugueses – sujos e meliantes, como os descreve o seu próprio sargento – não chegam a um porto mas a uma praia. Para os desembarcar sem molharem as botas, são esperados por negros que os levam às costas até terra firme.

O filme de João Nuno Pinto dá o tom: estamos aqui para falar da história do colonialismo português, sem paninhos quentes, sem falsos heroísmos. Curiosamente, o realizador inspirou-se na história de um avô que andou por África e que terá, ou não, vivido as desventuras de Zacarias.

“Mosquito” vai buscar o nome ao facto de o protagonista ter apanhado paludismo e, por isso, se separar dos seus companheiros de batalhão. A doença cansa-o e dá-lhe uma confusão mental que quase o leva à loucura. Teimoso, determinado e um pouco corajoso, Zacarias mete-se ao caminho para se juntar aos seus camaradas que têm por objetivo chegar ao lago Niassa.

Se o filme começa de forma linear, cedo mistura os tempos e o espetador pode ter dificuldades para saber o que aconteceu antes ou depois. Aconselho a observação das botas de Zacarias que podem ajudar a ordenar os momentos do filme e que são também um símbolo da prisão de ideias em que vive Zacarias.

Zacarias africaniza-se aos poucos (ou não). É escravizado por negras, parece que pendura as botas, mas o confronto entre raças continua presente e o soldado português retoma o seu caminho, em busca dos companheiros de armas.

A evolução de Zacarias é feita sempre por etapas. Estamos perante um verdadeiro “road movie” na selva, uma viagem em que o espetador não consegue deixar de se colocar no lugar do protagonista.

O realizador quer claramente demonstrar que a presença portuguesa em África não teve nada de romântico e defende que a Primeira Guerra Mundial representou para os africanos um verdadeiro holocausto. Curiosamente, o filme de João Nuno Pinto surge ao mesmo tempo de “1917” de Sam Mendes, um filme que curiosamente também segue um homem só que se defronta com os horrores da guerra em França, aquela França onde Zacarias queria lutar mas que se revelou um sonho impossível.

O trabalho de João Nuno Pinto é ponderado e belo, e reflete o grande esforço que terá representado esta produção. O realizador começou a trabalhar há sete anos no projeto e afirmou em entrevistas que a equipa de filmagens não sofreu tanto como

Zacarias mas quase. Uma das cenas centrais da película obrigou à construção de toda uma aldeia, e quando já tudo estava pronto, alguém apareceu a reclamar que as terras eram suas e que não podiam filmar ali. As rodagens em África duraram dois meses, com algumas cenas filmadas em Portugal. João Nuno Pinto reconhece que a equipa dormiu pouco e que, quando filmava no mato e algum material falhava, tinha sempre de improvisar, porque eram necessárias duas semanas para conseguir fazer chegar algo de Lisboa.

João Nunes Monteiro é uma escolha perfeita para o papel principal. A fragilidade que transmite alia-se a uma certa africanidade de traços que deixa a permanente dúvida entre brancos e negros. Num filme em que a câmara lhe está sempre apontada, Nunes Monteiro não falha e consegue sobretudo total empatia com o espetador.

Como qualquer filme português com um orçamento elevado, “Mosquito” teve dificuldades para passar do papel à produção. Esta obra tem o selo de Paulo Branco, através da Leopardo Filmes, em co-produção com Brasil, França e Moçambique. A obra de João Nuno Pinto abriu o festival de Roterdão e está em competição no Luxembourg Film Fest.

"Mosquito" de João Nuno Pinto, com João Nunes Monteiro, João Lagarto, Filipe Duarte, Alfredo Brito, João Vicente e Miguel Borges.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Novo prémio para distinguir filmes dos PALOP
A Federação Portuguesa de Cineclubes lançou o prémio António Loja Neves, nome de um dos sócios fundadores desta entidade, que visa distinguir os filmes produzidos nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).
Sara Sampaio no Grão-Ducado?
Vamos poder ver a top model, sem asas, no filme "Carga" que passa no Festival de Cinema Português no Luxemburgo. Um acontecimento com outras descobertas, como a "Peregrinação" de João Botelho.
Luxembourg City Film Festival: Entre aborrecimento e poder
Por favor não entendam mal este título: o Luxembourg City Film Festival – LuxFilmFest para os amigos – não é uma experiência aborrecida. O aborrecimento não é a característica que define os filmes do festival, mas é uma das maleitas de que sofrem muitas das personagens das obras que estão em competição.
“Sweet Country”, do australiano Warwick Thornton, é um dos filmes em competição no LuxFilmFest.
Crítica de cinema: Devagar devagarinho
Há décadas que milito para que os portugueses do Luxemburgo possam ver cinema português no Grão-ducado. As obras portuguesas continuam a ser exceção nas salas e as raras oportunidades são as mostras organizadas por estruturas associativas ou pela Embaixada de Portugal no Luxemburgo.
“A Canção de Lisboa” é um dos maiores êxitos de bilheteira de 2016. O filme será projetado no Luxemburgo no dia 15 de novembro.
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo: Como manter excelentes relações com a família
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”