Escolha as suas informações

Morreu Quino, o criador de Mafalda
Cultura 30.09.2020

Morreu Quino, o criador de Mafalda

Morreu Quino, o criador de Mafalda

Foto: Alejandro Pagni
Cultura 30.09.2020

Morreu Quino, o criador de Mafalda

O argentino, autor de uma das mais incontornáveis personagens de banda-desenhada, morreu esta quinta-feira aos 88 anos.

Morreu esta quarta-feira, 30 de setembro, o autor argentino Quino, que ficou célebre por ter criado a contestatária personagem de banda desenhada Mafalda, revelou a agência Efe.

Filho de espanhóis, nascido em 1932, Joaquín Salvador Lavado, conhecido como Quino, desenhou e publicou vários livros de desenho gráfico para um público mais adulto, nos quais predomina um humor corrosivo e negro sobre a realidade social e política.

Mas ficou célebre por uma personagem que se tornou numa das mais improváveis comentadoras políticas de sempre, Mafalda, que surgiu pela primeira vez em 1964.

Quino com a sua mítica personagem, Mafalda.
Quino com a sua mítica personagem, Mafalda.
Foto: AFP

As tiras de banda desenhada com as histórias da personagem da pequena contestatária tornaram-se no maior sucesso do género na história da língua espanhola, sendo publicadas em jornais de todo o mundo, refere o El País.

Um sucesso global que teria continuidade nos livros que recolhiam essas cenas e que foram publicados nos anos seguintes, vendendo milhões de exemplares e sendo traduzidos para mais de 30 línguas. 

Mafalda passou também pelo cinema, embora nem todas as adaptações tenham sido do agrado do seu autor. Como refere aquele jorna espanhol, foi exibida no grande ecrã num filme de desenho animado de 75 minutos, realizado na Argentina, no qual as personagens reproduziram em linguagem sonora os escritos que o seu criador lhes tinha dado. Quino não terá ficado satisfeito com essa versão sonora, uma vez que destruía a voz imaginada que cada leitor tinha da personagem. Assim, surgiram outras versões animadas mas em filmes mudos, como os do cubano Juan Padrón, especialista em animação, que não incluíam qualquer diálogo, mas antes piadas novas baseadas nas próprias cenas. 

Quino deixou de desenhar Mafalda em 1973, mas o interesse pela personagem perdura até hoje.

Em 2014, venceu o Prémio Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades.

O autor morreu em Mendoza, na Argentina, aos 88 anos.  

com agências 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.