Escolha as suas informações

Morreu José Mário Branco
Cultura 2 2 min. 19.11.2019

Morreu José Mário Branco

Morreu José Mário Branco

Foto: LUSA
Cultura 2 2 min. 19.11.2019

Morreu José Mário Branco

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
O músico José Mário Branco morreu aos 77 anos, confirmou o seu ‘manager’, Paulo Salgado.

José Mário Branco morreu esta terça-feira, 19 de novembro. A notícia foi avançada esta manhã pela  RTP  e confirmada pelo agente do músico, Paulo Salgado. O músico, compositor, cantautor e um dos nomes maiores da canção de intervenção em Portugal tinha 77 anos. 

Nascido no Porto, a 25 de maio de 1942, definia-se como "português, pequeno burguês de origem, filho de professores primários, artista de variedades, compositor popular e aprendiz de feiticeiro". 

O seu interesse pela política espelhava-se não só na sua música, que não se esgotou nessas temáticas, apesar de terem sido elas a defini-lo no imaginário coletivo, mas também na sua vida e na sua qualidade de cidadão.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Na juventude, foi ativista da associação católica e chegou a ser militante do Partido Comunista Português. Foi perseguido pela PIDE, durante o Estado Novo e em 1963 exilou-se em França, fugindo à participação na guerra colonial. Regressou a Portugal em 1974 e, depois do 25 de Abril, fundou o Grupo de Acção Cultural – Vozes na Luta (GAC) com vários músicos politicamente activos, entre os quais Fausto. Com esse coletivo gravou dois discos e participou no Festival RTP da Canção em 1975 com o tema 'Alerta'. 

Ao longo dos anos 70 e 80 produziria uma parte significativa do seu catálogo discográfico, lançando alguns dos seus trabalhos mais emblemáticos, onde se destacam  'Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades', o seu primeiro LP, lançado em 1971, 'Margem de Certa Maneira' (1973), 'Ser Solidário' (1982) e, aquele que é talvez o mais conhecido 'FMI' (1982). 

Na década de 1990 editou também algumas compilações e em 2004 lançou o álbum de homenagem ao povo timorense, 'Resistir é Vencer'. Em 2018, foi editado 'Inéditos' (1967-1999). No mesmo ano, a Feira do Livro do Porto escolheu-o como figura a homenagear no certame.

 José Mário Branco compôs e cantou para teatro, cinema e televisão, chegando a ser um dos elementos do teatro d' A Comuna. Foi fundador da Associação José Afonso.

Espetáculos e colaborações 

As suas composições também inspiraram diversos espectáculos musicais especiais. Em 2007 estreou, no Porto, 'Mudar de Vida', a canção feita a partir dos versos de Camões que deu o mote a um concerto político, onde revisitou parte da sua obra. 

Dois anos depois juntou os companheiros de sempre, Fausto e Sérgio Godinho, com quem nos anos 80 gravara 'A Confederação', para vários espetáculos.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Intitulado 'Três Cantos', a série de concertos viu o trio partilhar e cantar em conjunto alguns dos temas mais conhecidos das suas carreiras. Foram, de resto, várias as colaborações de José Mário Branco ao longo da vida, de Zeca Afonso a Luís Represas, passando por Camané, para quem arranjou e produziu vários discos. 

À RTP, o fadista reagiu emocionado à morte do seu colaborador e amigo, que recordou como um "artista fantástico de uma dimensão incrível muito para além de um artista de intervenção" e fundamental na sua carreira. 



Notícias relacionadas

Abri'Lux. Uma homenagem luso-luxemburguesa à Revolução dos Cravos
Há músicos portugueses, luxemburgueses e um norte-americano, vindos da área do jazz e da clássica, no projeto Abri’Lux, que presta homenagem à Revolução portuguesa e aos seus cantautores. Sob a liderança de Marc Demuth, apresentam-se esta quinta-feira na Philharmonie e explicam como foi a experiência de descobrir o que consideram “autênticas joias” de música e palavras que vão de Zeca Afonso a Sérgio Godinho.
Rodrigo Leão traz novo projeto ao Luxemburgo
Rodrigo Leão, com uma carreira que ficará na história da música portuguesa, vem ao Luxemburgo com Scott Matthew para apresentar um disco a quatro mãos, “Life is Long”. O concerto é já no próximo domingo, dia 8 de outubro, e faz parte do Festival Atlântico, que arranca esta semana na Philharmonie.
Rodrigo Leão e Scott Matthew trazem ao Luxemburgo “Life is Long”, um disco com letras do australiano e músicas do português. Foto: Rita Carmo RodrigoLeão traz novo projeto ao Luxemburgo