Escolha as suas informações

Marco da Silva Ferreira, o coreógrafo que já provou que sabe dançar, vem ao Luxemburgo
Cultura 1 3 min. 04.03.2019

Marco da Silva Ferreira, o coreógrafo que já provou que sabe dançar, vem ao Luxemburgo

Marco da Silva Ferreira, o coreógrafo que já provou que sabe dançar, vem ao Luxemburgo

Foto: José Caldeira
Cultura 1 3 min. 04.03.2019

Marco da Silva Ferreira, o coreógrafo que já provou que sabe dançar, vem ao Luxemburgo

Longe vão os tempos em que ganhou o concurso "Achas que sabes dançar?", na SIC. Hoje, o bailarino e coreógrafo de Santa Maria da Feira é uma das maiores estrelas da dança contemporânea portuguesa, tendo-se destacado também no estrangeiro.

É considerado o herdeiro direto de Hofesh Shechter, o coreógrafo israelita que apresentou no final de outubro, no Grand Théâtre do Luxemburgo, três espetáculos de cortar o fôlego, a começar pelo extraordinário "Political Mother", uma coreografia a lembrar um vídeo da MTV a três dimensões, no máximo volume, misturando rock, música clássica, dança e teatro, num espetáculo que assalta todos os sentidos.

Marco da Silva Ferreira também foi atraído para a dança pela "cultura pop da MTV", quando tinha 16 anos, contou numa entrevista ao Público. Começou pelo lado mais comercial: foi o vencedor da primeira edição do programa "Achas que sabes dançar?", da SIC, em 2010, uma espécie de "Ídolos" para bailarinos. Podia ter ficado por aí. Em vez disso, com o dinheiro do prémio investiu em formação, incluindo aulas em Nova Iorque e passagens por algumas das academias de dança mais famosas dos Estados Unidos. Desde então, este bailarino de Santa Maria da Feira trabalhou com os mais importantes coreógrafos mundiais e converteu-se ele próprio numa das estrelas emergentes na dança contemporânea portuguesa.

As peças que criou, “Hu(r)mano” e “Brother”, já deram a volta ao mundo: esteve em Barcelona, no festival Aerowaves, em Londres, no Rio de Janeiro, Paris, Macau, Cabo Verde, e ganhou o segundo prémio do "(re)connaissance" em Meylan, uma das mais reconhecidas competições em França. É com "Brother", estreado em 2017 no Teatro Rivoli, no Porto, que Marco da Silva Ferreira vem ao Luxemburgo esta sexta-feira, dia 8 de março, para uma apresentação no Kinneksbond, o centro cultural de Mamer, a partir das 20h. Uma coreografia de "alta intensidade", descrita no São Luís, em Lisboa, por onde também já passou, como "hiper física", e que exige uma grande entrega dos sete bailarinos da companhia do coreógrafo português. "Oscilando entre danças tribais e urbanas fulminantes", o espetáculo é "um verdadeiro condensado de humanidade", logrando "desenhar uma reflexão cativante sobre o legado [da dança], a memória, mas também a transmissão de uma geração à outra, de uma cultura à outra", aponta o organismo que traz o bailarino português ao Luxemburgo.

Com direção de Marco da Silva Ferreira, a peça tem assistência artística de Mara Andrade, e interpretação do coreógrafo, além dos bailarinos Anaísa Lopes, Cristina Planas Leitão, Duarte Valadares, Filipe Caldeira, Max Makowski e Vitor Fontes. A direção técnica e desenho de luz são de Wilma Moutinho, a música de Rui Lima e Sérgio Martins.

Nascido em Santa Maria da Feira em 1986, Marco começou a carreira na dança em 2004. Desde então, trabalhou com a Companhia de Dança do Norte, Companhia Instável, foi intérprete de Hofesh Shecter em "Shelters", em 2012, tendo trabalhado ainda com Elisabeth Lambeck, Sylvia Rijmer e Victor Hugo Pontes. Como coreógrafo, estreou-se no teatro do Campo Alegre em 2012, no solo "Nevoeiro 21", e colaborou com a companhia de teatro a "Mala Voadora" (que vimos no Teatro Nacional do Luxemburgo na peça "Moçambique", em 2018).

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

___________

"Brother"

Kinneskbond - sexta-feira, dia 8 de março, às 20h

Bilhetes: 20 euros / oito euros com tarifa reduzida (à venda no site do Kinneskbond)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Cabo Verde: Raiz di Polon comemora 25 anos
'Belita' tinha um ano quando nasceu a companhia cabo-verdiana Raiz di Polon. Hoje, com 26 anos, é uma das bailarinas, tudo porque decidiu entrar pela porta que diariamente se abre para a dança no centro histórico da Praia.
Dias 9 e 10 de Junho: “Essência” de Moa Nunes estreia na Abadia de Néimënster
“A essência é o mais básico, o mais central e a mais importante característica do ser humano. É disso que falo através da expressão corporal”. É desta forma que o bailarino e coreógrafo brasileiro residente no Luxemburgo Moa Nunes começa por apresentar o espectáculo de dança “Essência”, que nos dias 9 e 10 de Junho sobe ao palco da sala Robert Krieps, na Abadia Néimënster, na cidade do Luxemburgo (Grund).