Escolha as suas informações

Mais arte e diversão no mundo. O último apelo do músico Chick Corea
Cultura 2 min. 12.02.2021

Mais arte e diversão no mundo. O último apelo do músico Chick Corea

Mais arte e diversão no mundo. O último apelo do músico Chick Corea

AFP
Cultura 2 min. 12.02.2021

Mais arte e diversão no mundo. O último apelo do músico Chick Corea

Lenda do jazz, que tinha concerto marcado para março no Luxemburgo, morreu aos 79 anos, vítima de cancro.

O lendário pianista e compositor de jazz “Chick” Corea morreu aos 79 anos, na passada terça-feira, 9 de fevereiro, nos EUA. O músico foi vítima de uma forma rara de cancro, mas deixou uma “esperança” para todos os que lhe sobreviverem: que o mundo tenha “mais arte e diversão”.

A notícia da sua morte e a mensagem de despedida do artista foram divulgadas esta quinta-feira pela família, através do seu site. No texto Armando Anthony “Chick” Corea deixou um agradecimento aos “formidáveis amigos músicos" que o ajudaram a cumprir “a missão de levar a alegria da criação a todos os lugares possíveis”.

“Ter alcançado esta missão juntamente com os artistas que admiro tanto, esta foi a riqueza da minha vida”, escreveu Corea, acrescentando partir com a "esperança que todos os que tenham inspiração para escrever, tocar, interpretar ou outro o façam”. “Se não por vocês, então façam-no pelo resto de nós. Não se trata apenas de o mundo precisar de mais artistas, também é muito divertido”, escreveu.

O pianista e compositor é considerado um dos precursores do jazz de fusão, desde o final dos anos 1960, quando sucedeu a Herbie Hancock, nos agrupamentos do trompetista Miles Davis - com quem trabalhou num dos mais famosos álbuns de jazz de todos os tempos, 'Bitches Brew' – tendo colaborado com músicos como Dave Holland e Jack DeJohnette, cruzando "free jazz", improvisação e elementos vindos do "rock'n'roll".

Luna Afredo/telam/dpa

Desde a década de 1960, trabalhou também com Stan Getz ou Herbie Mann, entre outros músicos que despontaram na emergente cena jazz de Nova Iorque.

A sua própria banda, Return to Forever, é considerada uma das que inaugurou a era do jazz de fusão. 

Ao longo de meio século, Chick Corea explorou sempre distintas áreas musicais e as suas zonas de fronteira, e manteve o trabalho com músicos de diferentes expressões. 

Nascido a 12 de junho de 1941, em Chelsea, no Estado americano do Massachussets, era filho de um trompetista de jazz, que foi responsável por o ter iniciado no piano, aos quatro anos de idade.

Com  uma carreira de mais de meio século e várias dezenas de álbuns editados, a partir do final da década de 60, do século XX, conquistou vários prémios, entre os quais 23 Grammy.

Paul Buck/EPA/dpa

O seu último disco, 'Plays', foi lançado em 2020 e é um testemunho ao virtuosismo e ecletismo de Corea, dentro de estilos que ajudou a tornar incontornáveis, como o jazz bebop,  e até música clássica.

O músico tinha concerto marcado para 14 de março deste ano no Luxemburgo. Chick Corea iria apresentar-se em concerto na Philharmonie, com os músicos Carlitos Del Puerto e Marcus Gilmore. O espetáculo foi cancelado na sequência da morte do pianista.

"É com grande pesar que a Philharmonie tem de anunciar que, devido ao falecimento de Chick Corea, o concerto que estava marcado para 14.03. foi cancelado", informou o espaço no seu site.

Com agências



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

De 24 de fevereiro a 21 de abril: Cartaz do Printemps Musical está fechado
O primeiro festival de música do ano de 2017 arranca a 24 de fevereiro e prolonga-se até 24 de abril. Falamos do Printemps Musical, que à semelhança das edições anteriores, acontece em vários palcos da capital e traz ao Luxemburgo artistas da world music, do jazz, dos blues e de estilos não habituais.
Francisco Sassetti: Um português na Philharmonie do Luxemburgo
Estudou música e aprendeu a tocar um instrumento, mas não é músico, apesar de a música correr nas veias de toda a família. É musicólogo, e já esteve na programação do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e na Orquestra de Jovens de Viena. Agora, aos 32 anos, Francisco Sassetti regressa ao Luxemburgo para assumir a programação do Jazz e Música do Mundo na Philharmonie.