Escolha as suas informações

Grã-duquesa Maria Teresa e Isabel de Bragança inauguram exposição monumental sobre Portugal
Cultura 2 min. 27.04.2017 Do nosso arquivo online
Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo

Grã-duquesa Maria Teresa e Isabel de Bragança inauguram exposição monumental sobre Portugal

Preparativos da exposição Drawing the World, no MNHA
Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo

Grã-duquesa Maria Teresa e Isabel de Bragança inauguram exposição monumental sobre Portugal

Preparativos da exposição Drawing the World, no MNHA
Foto: Chris Karaba
Cultura 2 min. 27.04.2017 Do nosso arquivo online
Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo

Grã-duquesa Maria Teresa e Isabel de Bragança inauguram exposição monumental sobre Portugal

Uma exposição com 150 peças, na sua maioria provenientes do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, é inaugurada esta quinta-feira, às 18h30, no Museu Nacional de História e de Arte (MNHA) do Luxemburgo, para mostrar como os descobrimentos portugueses ligaram o mundo, influenciando a história da arte. A exposição é inagurada na presença da grã-duquesa Maria Teresa e da duquesa Isabel de Bragança, mulher de D. Duarte Pio, duque de Bragança.

Uma exposição com 150 peças, na sua maioria provenientes do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, é inaugurada esta quinta-feira, às 18h30, no Museu Nacional de História e de Arte (MNHA) do Luxemburgo, para mostrar como os descobrimentos portugueses ligaram o mundo, influenciando a história da arte.

A exposição é inagurada na presença da grã-duquesa Maria Teresa e da duquesa Isabel de Bragança, mulher de D. Duarte Pio, duque de Bragança. Estarão ainda presentes o embaixador de Portugal no Luxemburgo, o embaixador do Luxemburgo em Portugal, bem como os diretores dos dois museus, António Pimentel e Michel Polfer.

Intitulada "Drawing the World" ("Desenhando o Mundo"), a exposição ficará patente ao público até 15 de outubro e será acompanhada por um ciclo de conferências dedicadas a temas de história da arte portuguesa.

Entre as peças a apresentar na exposição contam-se obras como raros marfins de produção africana do início do século XVI, joias, marfins e mobiliário de origem indo-portuguesa, uma tela com a vista de Goa, antigo território sob administração portuguesa na índia.

Serão também exibidos um conjunto de têxteis e porcelanas de fabrico chinês, peças japonesas nambam, entre elas uma espingarda de cano lacado, e uma amostra representativa da importação de gemas do Brasil, nomeadamente uma custódia incrustada e joias de adorno feminino.

No primeiro núcleo da exposição, segundo a mesma fonte, vai destacar-se um conjunto de alabastros ingleses do século XV, ilustrando a abertura do mercado português às mais sofisticadas produções europeias, e obras de ourivesaria gótica de oficinas portuguesas.

Conceição Borges de Sousa, Luísa Penalva e Miguel Soromenho são os comissários desta exposição sobre um país "com as fronteiras mais antigas da Europa".

"Portugal criou, a partir do século XV, um império global que estendeu a sua influência da África aos confins da Ásia e ao Brasil. Além da ligação entre estes territórios longínquos, através da famosa rota do Cabo - uma viagem aventurosa entre Lisboa e Goa - os portugueses ativaram também redes de comércio local que se estenderam por todo o Oriente", assinala o MNAA, num texto sobre a exposição.

Animais e plantas até então desconhecidos, produtos de luxo, sedas e porcelanas, materiais raros e preciosos passaram a circular à escala mundial, "promovendo uma intensa assimilação de formas e de motivos decorativos das mais diversas origens".

É esta mudança a nível global provocada pelos descobrimentos, com impacto no comércio, na diplomacia, nas artes, e até na vida quotidiana, que a exposição vai recordar até outubro no Luxemburgo.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Exposição “Para Sempre”
Stéphanie de Lannoy, a grã-duquesa herdeira do Luxemburgo, visitou esta segunda-feira a exposição “Para Sempre”, no Instituto Camões, na presença do artista plástico Miguel Branco.
Stéphanie visitou o Centro Cultural Português acompanhada pelo autor da exposição, Miguel Branco.
Uma exposição com mais de 130 peças de arte, que vão da Idade Média ao séc. XVIII português, na sua maioria provenientes do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, é inaugurada esta quinta-feira, 27 de abril, às 18h30, no Museu Nacional de História e de Arte do Luxemburgo, para mostrar como os Descobrimentos Portugueses ligaram o mundo, influenciando a história da arte, da ciência e das ideias.
Uma exposição com 150 peças, na sua maioria provenientes do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, é inaugurada hoje às 18h30, no Museu Nacional de História e de Arte (MNHA) do Luxemburgo, para mostrar como os descobrimentos portugueses ligaram o mundo, influenciando a história da arte.
Expo “Portugal, drawing the world“, MNHA, Luxembourg, le 13 Avril 2017. Photo: Chris Karaba
O Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo vai ter patente a partir de 29 de Janeiro uma pintura do Museu de Arte Antiga em Lisboa, no âmbito da iniciativa “Obra Convidada”, que vai levar uma tela do museu luxemburguês também a Portugal.
O Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo, na capital, vai acolher uma obra do Museu de Arte antiga, em Lisboa