Escolha as suas informações

Globos de Ouro. Luxemburgo na corrida aos prémios
Cultura 3 min. 24.02.2021 Do nosso arquivo online

Globos de Ouro. Luxemburgo na corrida aos prémios

"Deux" conta a história de amor entre duas mulheres.

Globos de Ouro. Luxemburgo na corrida aos prémios

"Deux" conta a história de amor entre duas mulheres.
Foto: Tarantula Luxembourg
Cultura 3 min. 24.02.2021 Do nosso arquivo online

Globos de Ouro. Luxemburgo na corrida aos prémios

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
O Luxemburgo está na corrida com duas co-produções, "Deux" e "Wolfwalkers", que competem nas categorias de "Melhor Filme de Língua Estrangeira", em representação da França, e "Melhor Filme Animado", respetivamente.

A cerimónia dos Globos de Ouro, organizada pela Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood, tem por hábito juntar os grandes nomes do cinema e da televisão para uma noite de prémios e celebração, considerada como a grande antecipação para os Óscares. Este ano, devido à pandemia de covid-19, os festejos estão limitados mas as circunstâncias não diminuem a importância dos galardões dourados. O Luxemburgo está na corrida com duas co-produções, "Deux" e "Wolfwalkers", que competem nas categorias de "Melhor Filme de Língua Estrangeira", em representação da França, e "Melhor Filme Animado", respetivamente.

"Deux" é uma co-produção franco-belga-luxemburguesa. A história de duas mulheres, Nina e Madeleine, que vivem um romance secreto durante anos até que um acidente coloca em causa o seu amor, chamou imediatamente a atenção do produtor luxemburguês Donato Rotunno, da Tarantula Luxembourg. "Assim que a li, confirmei que tínhamos de fazer parte desta narrativa. Encontrámo-nos com o realizador Filippo Meneghetti, um italiano a viver em Paris, e partilhámos a nossa visão sobre o filme".

A produtora do Grão-Ducado acabou por ter um papel fulcral na criação do produto. "Conseguimos convencer o Filmfund Luxembourg a aderir ao projeto para que pudéssemos co-produzir. A participação total no filme é de quase 40%. Uma parte importante do elenco e da equipa é do Luxemburgo e construímos todos os interiores na Filmland (Estúdios em Kehlen)". 

O filme tem recebido aclamação desde que estreou em 2019. "Tivemos a sorte de apresentar no Festival de Cinema de Toronto. Seguiram-se mais de cinquenta festivais em todo o mundo. No Luxemburgo, o filme foi lançado em fevereiro de 2020 e está agora de novo no cinema. Sempre acreditámos na força da história, mas o que acontece agora é espantoso", admite o produtor. Sobretudo com um tema tão forte como a homossexualidade, mas " a luta é sempre por mais tolerância e aceitação e nada deve ser considerado como alcançado por agora", diz.

A presença do Luxemburgo em produções com este nível de reconhecimento demonstra uma outra "maturidade e experiência" com os projetos desenvolvidos no Grão-Ducado. Ainda assim, mantém-se a dependência em co-produções para alcançar o mercado internacional, garante o produtor. 

"Este é o caminho a seguir para o nosso país. Mas acho que o Luxemburgo necessitará sempre de co-produções para aprender e crescer. Estamos também dependentes de dinheiro externo para as nossas próprias produções. O ideal é conseguir um equilíbrio entre dar e receber", relativamente às produções nacionais e as co-produções internacionais. 

O filme está nos cinemas do Luxemburgo e, por enquanto, não pode ser visto nas plataformas de streaming. Mas este não é um cenário posto de lado pelo produtor, uma vez que os grande nomes como a Netflix "estão à procura de conteúdos e tornam-se grandes atores nas vendas. Veremos como isto vai afetar a indústria a longo prazo, mas são úteis neste momento. As coisas nunca mais vão ser as mesmas, isso é certo".


"Capitani". Do Luxemburgo para o mundo
A chegada de "Capitani" à Netflix foi estrondosa: em dois dias passou a ser a série mais vista pelos utilizadores da plataforma de 'streaming' no Luxemburgo.

"Deux" disputa o Globo de Ouro para "Melhor Filme de Língua Estrangeira" com "Another Round", de Thomas Vinterberg, "Uma vida à sua frente", de Edoardo Ponti, "La llorona", de Michael Chaves, e "Minari", de Lee Isaac Chung.

A segunda longa-metragem candidata aos Globos é uma animação. "Wolfwalkers", dos realizadores Tomm Moore e Ross Stewart, é co-produzido pela Mélusine Productions do Luxemburgo e a Ireland’s Cartoon Saloon, produtoras que já trabalhado juntas no filme "Song of the Sea", de 2014.

Prémios em tempo de covid

Pela primeira vez na sua história, os Globos de Ouro aceitaram candidaturas de filmes estrangeiros que ainda não tinham estreado, mas que foram "originalmente pensados para serem projetados nos cinemas". 

A mudança no regulamento, segundo a organização, permitiu que os filmes de países afetados pelo novo coronavírus pudessem competir em igualdade de condições. Até agora, para participarem na categoria de melhor filme em língua estrangeira (não inglesa), as películas tinham de se estrear nos cinemas dos seus países de origem.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas