Escolha as suas informações

Anitta, a "dona" do Rock in Rio
Cultura 20 2 min. 27.06.2022
Fotogaleria

Anitta, a "dona" do Rock in Rio

Fotogaleria

Anitta, a "dona" do Rock in Rio

LUSA
Cultura 20 2 min. 27.06.2022
Fotogaleria

Anitta, a "dona" do Rock in Rio

Redação
Redação
O concerto da cantora brasileira obteve lotação esgotada no último dia do Rock in Rio em Lisboa, com 80 mil pessoas a assistir à atuação.

O último dia de Rock in Rio, neste domingo, foi também o mais concorrido. 80 mil pessoas vieram aplaudir os artistas portugueses e internacionais, com destaque para Anitta, a cantora brasileira que esperou quatro anos para voltar. 

"Eu sonhei muito com esse dia. Eu sonhei muito em estar de volta. Eu estou muito emocionada. Eu nunca vou esquecer este dia. Estou amando muito", disse a meio do espetáculo que levou ao rubro a multidão. 

Também subiram ao Palco Mundo os portugueses  HMB, Jason Derulo, e Post Malone para encerrar a festa, com fogo de artifício.

Ao longo de quatro dias, segundo a organização, a ‘cidade do rock’ recebeu cerca de 287 mil pessoas: 74 mil no dia 18 de junho, 63 mil no dia 19, 70 mil no sábado e 80 mil no domingo, o único com lotação esgotada. 

E já há data marcada de regresso: 2024. A diretora do festival, Roberta Medina, confirmou que a "próxima edição é em 2024. O protocolo com a Câmara [Municipal de Lisboa] é para duas edições – esta de 2022 e de 2024", novamente no Parque da Bela Vista, onde o festival acontece, de dois em dois anos, desde 2004.

Segundo Medina, sessenta mil dos bilhetes usados este ano tinham sido vendidos para a edição de 2020. Do total de bilhetes vendidos, 9% foram reembolsados, tendo em conta os adiamentos de 2020 e 2021 e o cancelamento do concerto dos Foo Fighters, cabeças de cartaz do primeiro dia, que acabaram por ser substituídos pelos Muse.

Há ainda a registar um aumento do número de bilhetes vendidos no estrangeiro, totalizando “pelo menos 20 mil ingressos vendidos para 39 países diferentes”. Roberta Medina justifica este aumento de vendas com o facto de a organização estar a trabalhar “mais internacionalmente”. “Quando a gente veio [para Portugal] a pergunta era ‘porquê Lisboa?’ Hoje, Lisboa é um ativo do festival”, afirmou.

O último dia de Rock in Rio Lisboa fica também marcado pela greve de 24 horas dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, que levou a organização do festival a criar, em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa, “mais parques de estacionamento com ‘shuttle’ direto para o recinto”.

Além da música, o Rock in Rio Lisboa teve várias diversões, como a roda gigante, o slide e as ‘pool parties’ (festas na piscina), e por todo o recinto são distribuídos uma série de brindes, pelas marcas que patrocinam o festival, que vão de chapéus, a sofás insufláveis, passando por queijos ou preservativos.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O festival de música NOS Alive deste ano, em Oeiras, foi adiado para julho de 2022, por causa da atual situação pandémica, que limita a circulação de artistas entre países, revelou hoje a promotora Everything is New.