Escolha as suas informações

Filme “The Square” do sueco Ruben Östlund vence Palma de Ouro
Cultura 28.05.2017 Do nosso arquivo online
Festival de Cannes

Filme “The Square” do sueco Ruben Östlund vence Palma de Ouro

O realizar sueco Ruben Ostlund (ao centro), a actriz francesa Juliette Binoche e o realizador espanhol Pedro Almodovar
Festival de Cannes

Filme “The Square” do sueco Ruben Östlund vence Palma de Ouro

O realizar sueco Ruben Ostlund (ao centro), a actriz francesa Juliette Binoche e o realizador espanhol Pedro Almodovar
Foto: AFP
Cultura 28.05.2017 Do nosso arquivo online
Festival de Cannes

Filme “The Square” do sueco Ruben Östlund vence Palma de Ouro

O filme “The Square” do sueco Ruben Östlund venceu hoje a Palma de Ouro do 70º Festival de Cannes, anunciou o júri presidido pelo cineasta espanhol Pedro Almodóvar.

O filme “The Square” do sueco Ruben Östlund venceu hoje a Palma de Ouro do 70º Festival de Cannes, anunciou o júri presidido pelo cineasta espanhol Pedro Almodóvar.

Pela primeira vez em competição, o realizador de "Snow Therapy" – Prémio do júri 2014 na secção “Un certain regard” – coloca neste filme um olhar dissonante sobre as hipocrisias e interroga-se sobre o designado “viver em conjunto” das nossas sociedades.

A atriz alemã Diane Kruger venceu o prémio de interpretação feminina, pelo seu primeiro grande papel numa produção alemã, em “In The Fade”, do realizador Fatih Akin.

O filme "120 battements par minute", do francês Robin Campillo, ganhou o Grande Prémio do Júri da 70ª edição do Festival.

Já o ator norte-americano Joaquin Phoenix recebeu o prémio de interpretação masculino pelo seu papel em “You Were Never Really Here”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Julia Ducournau é a segunda mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes depois de Jane Campion, galardoada pelo filme “The Piano”, em 1993, e ex aequo com o chinês Chen Kaige por “Adieu ma concubine”.
Dizem os “habitués” do festival de Cannes que nos anos em que a selecção oficial é fraca, o palmarés é bom. E que, caso a selecção seja de elevada qualidade, o júri tem tendência a fazer as piores escolhas.
“I, Daniel Blake”, de Ken Loach, venceu a palma
A 68ª edição do festival de cinema de Cannes teve duas características marcantes: foi dominada pela presença francesa tanto na competição como nas secções paralelas e deixou bem claro o papel da mulher no cinema de hoje.
O senhor Dheepan e a família foram a Cannes