Escolha as suas informações

Filme "Nomadland" de Chloé Zhao foi o grande vencedor dos prémios BAFTA
Cultura 2 min. 12.04.2021

Filme "Nomadland" de Chloé Zhao foi o grande vencedor dos prémios BAFTA

A realizadora sino-americana tornou-se na segunda mulher e a primeira negra a ganhar o BAFTA de melhor realização.

Filme "Nomadland" de Chloé Zhao foi o grande vencedor dos prémios BAFTA

A realizadora sino-americana tornou-se na segunda mulher e a primeira negra a ganhar o BAFTA de melhor realização.
Foto: AFP
Cultura 2 min. 12.04.2021

Filme "Nomadland" de Chloé Zhao foi o grande vencedor dos prémios BAFTA

Lusa
Lusa
"Nomadland" foi este domingo o grande vencedor da 74.ª edição dos prémios da Academia Britânica das Artes Cinematográficas e da Televisão (BAFTA), alcançando quatro prémios, entre os quais melhor filme, melhor realizador e melhor atriz.

O filme da realizadora sino-americana Chloé Zhao conta a história de uma mulher (Frances McDormand) que viaja pela América como nómada, vivendo numa caravana, trabalhando em empregos temporários e sobrevivendo na estrada, na sequência de uma crise económica.

Chloé Zhao tornou-se na segunda mulher a ganhar o BAFTA de melhor realização, e a primeira negra, sendo que esta madrugada já tinha sido distinguida com o mesmo prémio, mas pelo Sindicato dos Realizadores da América.

A realizadora no discurso da vitória do BAFTA no envento que decorreu online este domingo, a partir de Londres.
A realizadora no discurso da vitória do BAFTA no envento que decorreu online este domingo, a partir de Londres.
Bafta/PA Media/dpa

Zhao, que recebeu os prémios relativos a melhor filme e melhor realização, agradeceu à comunidade nómada, destacando a forma como esta partilhou "os seus sonhos e sofrimento" durante as filmagens. "O filme diz-nos muito sobre a nossa sociedade e sobre o que precisamos de melhorar", disse Zhao no discurso.

"Nomadland - Sobreviver na América", que já venceu dois Globos de Ouro e está nomeado para sete Óscares, também venceu o prémio de melhor atriz, ganho pela norte-americana Frances McDormand, e o de melhor fotografia.


"Nomadland". Uma casa americana com certeza
Um filme que trata, antes de tudo, sobre a busca de estabilidade e a vontade de desenraizamento, entre a ilusão da zona de conforto e a vontade arriscada de partir para conhecer mundo.

A película "Rocks" venceu dois prémios: de melhor elenco e melhor atriz emergente, entregue a Bukky Bakray. "Rocks" é um drama sobre uma adolescente que passa a viver na rua com o irmão mais novo, depois de ambos terem sido abandonados pela mãe.

Tanto "Nomadland - Sobreviver na América" como "Rocks" somavam sete nomeações para os BAFTA, mas apenas o filme de Chloé Zhao, que tem recebido vários prémios nas últimas semanas, estava nas categorias de melhor realização e melhor filme.  

Nas interpretações secundárias foram distinguidos Daniel Kaluuya, em "Judas and the Black Messiah", e Yuh-Jung Youn, em Minari.

"Soul" venceu melhor filme de animação e melhor banda sonora, enquanto "Sound of Metal" triunfou nas categorias de melhor som e de melhor montagem.

O filme "The Father" arrecadou o prémio de melhor ator, atribuído a Anthony Hopkins, e o de melhor guião adaptado. "A Promising Young Woman" venceu os prémios de melhor filme britânico e de melhor guião original. "The Mother of Blues" venceu nas categorias de melhor caracterização e de melhor guarda-roupa.

O BAFTA de melhor filme em língua não inglesa foi para "Another Round" e o relativo à maior contribuição para o cinema britânico foi entregue a Noel Clarke.

Este ano, a cerimónia dos BAFTA deveria ter acontecido em fevereiro, mas foi empurrada para abril por causa da covid-19, seguindo a decisão tomada pela academia dos Óscares, que adiou a entrega para finais de abril. O evento aconteceu apenas 'online', a partir do Royal Albert Hall, em Londres.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Filme de Alfonso Cuarón ganhou em quatro das principais categorias, embora fosse "A Favorita" a receber mais galardões: sete. "Free Solo", o documentário com dois portugueses na equipa, recebeu a distinção na sua categoria.