Escolha as suas informações

Cannes começa na quarta-feira na mira da segurança e da Netflix
Cultura 2 min. 16.05.2017 Do nosso arquivo online
Festival de Cinema

Cannes começa na quarta-feira na mira da segurança e da Netflix

O festival de cinema de Cannes promete medidas de segurança reforçadas, mas discretas.
Festival de Cinema

Cannes começa na quarta-feira na mira da segurança e da Netflix

O festival de cinema de Cannes promete medidas de segurança reforçadas, mas discretas.
Foto: AFP
Cultura 2 min. 16.05.2017 Do nosso arquivo online
Festival de Cinema

Cannes começa na quarta-feira na mira da segurança e da Netflix

O Festival de Cinema de Cannes começa na quarta-feira, com Isabelle Huppert e Clint Eastwood, com o cinema de Michael Haneke e Sofia Coppola, com medidas de segurança reforçadas e uma polémica com a plataforma digital Netflix.

O Festival de Cinema de Cannes começa na quarta-feira, com Isabelle Huppert e Clint Eastwood, com o cinema de Michael Haneke e Sofia Coppola, com medidas de segurança reforçadas e uma polémica com a plataforma digital Netflix.

O festival francês, que se prepara para celebrar 70 edições, terá 19 filmes em competição pela Palma de Ouro, sendo o júri presidido pelo espanhol Pedro Almodóvar.

Entre os filmes em competição contam-se "Happy End", de Michael Haneke, "Le redoutable", de Michel Hananavicius, "Good time", dos irmãos Benny e Josh Safdie, e "Wonderstruck", de Todd Haynes, aos quais se juntam "Okja", de Bong Joon Ho, e "The Meyerowitz Stories", de Noah Baumbach, ambos produzidos pela Netflix e que só se estrearão depois nesta plataforma e em países selecionados.

A Federação Nacional dos Cinemas Franceses criticou a escolha destes dois filmes, porque não os vai poder estrear em sala e o festival já anunciou que vai mudar as regras para 2018: só poderão competir filmes que tenham garantia de estreia comercial em sala em França.

A plataforma de exibição de cinema e televisão na Internet já ripostou, dizendo que os festivais têm de mudar, porque os canais de distribuição e os espectadores também mudaram.

À margem desta polémica, em Cannes estende-se a passadeira para figuras com a atriz Nicole Kidman, que estará presente com uma série e três filmes, entre os quais "The killing of a sacred deer", de Yorgos Lanthimos, e "The Beguiled", de Sofia Coppola, ambos escolhidos para a competição.

Fora de competição, foram escolhidos, entre outros, "Les fantômes d’Ismaël", de Arnaud Desplechin, que abrirá o festival, "D’après une histoire vraie", de Roman Polanski, acrescentado à programação, e a série "Twin Peaks", de David Lynch, em antestreia.

Por ser uma 'data redonda', a atriz francesa Isabelle Huppert vai presidir, no dia 23, à festa do 70.º aniversário, e o realizador norte-americano Clint Eastwood dará, no dia 21, uma aula de cinema e fará a exibição de uma cópia restaurada de "Imperdoável".

O cinema português estará presente em dois programas paralelos ao festival.

Na Quinzena de Realizadores estará a longa-metragem "A fábrica de nada", de Pedro Pinho, e as curtas-metragens "Farpões baldios", primeiro filme de Marta Mateus, e "Água mole", animação de Laura Gonçalves e Xá.

Na Semana da Crítica estrear-se-á a curta-metragem "Coelho Mau", de Carlos Conceição.

Ainda com o atentado de Nice na memória recente, ocorrido há dez meses, o festival de cinema de Cannes promete medidas de segurança reforçadas, mas discretas, e recorda que nenhuma edição teve a parada de estrelas prometida para este ano.

O festival de Cinema de Cannes termina no dia 28.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Julia Ducournau é a segunda mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes depois de Jane Campion, galardoada pelo filme “The Piano”, em 1993, e ex aequo com o chinês Chen Kaige por “Adieu ma concubine”.
A seleção do festival de cinema de Cannes nos últimos anos passou a ser feita às pinguinhas. Pelos vistos os responsáveis do maior festival de cinema do mundo acham que é melhor esperar pela reação do público e dos críticos antes de fecharem a lista de filmes a concurso.
Portugal conseguiu uma representação decente na reta final.
Os títulos da seleção oficial da 71ª edição do Festival Internacional de Cinema de Cannes foram revelados na semana passada durante a conferência de imprensa conduzida pelo diretor artístico do certame, Thierry Frémaux, e Pierre Lescure, presidente do festival.
f
É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes