Escolha as suas informações

Entre juventude e inconformismo
Cultura 3 min. 23.07.2021
Festival de Cannes

Entre juventude e inconformismo

Festival de Cannes

Entre juventude e inconformismo

Cultura 3 min. 23.07.2021
Festival de Cannes

Entre juventude e inconformismo

António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
Julia Ducournau é a segunda mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes depois de Jane Campion, galardoada pelo filme “The Piano”, em 1993, e ex aequo com o chinês Chen Kaige por “Adieu ma concubine”.

Filme de género, fantástico, violento e sangrento, “Titane” nãao estava na lista dos favoritos para levar o prémio máximo deste festival diferente, de regresso ao presencial e quente por várias razões, entre as quais por ter acontecido em julho em vez do mês de maio.

Julia Ducournau, ao receber a Palma de Ouro, disse que o palmarés é monstruoso.

A obra que a francesa assina é extrema, totalmente irreal. Um filme que não foi feito para ser compreendido, mas sentido. É um relato improvável que se focaliza em personagens marginais tocadas pela graça.

Parece que os jurados deste festival estavam possuídos pelo diabo e pelos monstros, escolhendo da lista de filmes que foram vendo na Croisette, os mais inconformistas e fora do estilo dominante.

O Prémio do Júri concedido a “Ha’Berech” do israelita Nadav Lapid e “Memoria” de Thai Apichatpong Weerasethakul são provas contundentes dessa opção do júri presidido por Spike Lee. O primeiro é um ataque contundente contra as políticas de Israel, cuja narrativa é, no mínimo, experimental. O segundo é fiel ao ritmo contemplativo dos filmes do tailandês. “Memoria” não trata da memória dos seres humanos, mas da da Terra, das pedras, da água, das árvores e do vento. O realizador tailandês, já premiado em Cannes com a Palma de Ouro, filma o invisível, a magia do mundo, contando uma história que vai fazer adormecer alguns e fascinar outros.

O Grande Prémio do Júri foi também entregue a duas obras, como se os jurados quisessem congratular toda a gente. O finlandês Juho Kuosmanen filmou em “Hytti n° 6” o encontro entre um finlandês e um russo durante uma viagem de comboio, ao norte do Círculo Polar Ártico. “Ghahreman” do iraniano Asghar Farhadi é o mais convencional dos filmes do topo do palmarés. Trata-se de uma obra simples, mas atual e cheia de humanismo.

O prémio de melhor realização dado a Leos Carax por “Annette” é marcante sobretudo por ser a primeira vez que um musical é recompensado em Cannes. Mas “Annette” combina criatividade artística com excelentes atores, e uma harmonia única.

O argumento do japonês Ryusuke Hamaguchi (que também realizou) e Takamasa Oe, que adaptou um conto de Haruki Murakami em “Drive My Car” é uma criação plástica sofisticada que o júri decidiu premiar. A história asiática, longa de três horas, é um de muitos filmes desta edição do festival sobre o tema da criatividade.

A norueguesa Renate Reinsve foi considerada a melhor atriz pela sua atuação em “Verdens Verste Menneske” de Joachim Trier, enquanto que o americano Caleb Landry Jones foi recompensado pelo desempenho em “Nitram” de Justin Kurzel.

Os vencedores do 74º Festival de Cannes refletem uma renovação de gerações e a aparição de novos nomes num festival por tradição fechado aos “amigos do costume”. A Palma de Ouro de Julia Ducournau para “Titane” recompensa uma realizadora de 37 anos cujas referências cinematográficas são Dario Argento ou David Cronenberg. Os prémios de interpretação entregues a Renate Reinsve e Caleb Landry Jones também celebram uma nova geração de atrizes e atores, com 33 e 31 anos, respetivamente.

Portugal teve nesta 74ª edição do festival uma das mais discretas presenças de sempre. Uma curta metragem na competição oficial - “Noite Turva” de Diogo Salgado -, o último trabalho de Miguel Gomes, “Diários de Otsoga”, na Quinzena dos Realizadores e uma coprodução com a Galiza, “Sycorax”, foram os destaques lusos em Cannes, no festival que quase não acontecia, e que tudo fazia querer que não ia acabar. Mas chegou ao fim e de forma surpreendente.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Portugal voltou a não estar na competição oficial do festival de cinema de Cannes em 2017. Até aqui nada de novo: o nosso país raramente teve acesso ao lote de uma vintena de filmes que disputam a Palma de Ouro.
Le réalisateur portugais Pedro Pinho à Cannes
Dizem os “habitués” do festival de Cannes que nos anos em que a selecção oficial é fraca, o palmarés é bom. E que, caso a selecção seja de elevada qualidade, o júri tem tendência a fazer as piores escolhas.
“I, Daniel Blake”, de Ken Loach, venceu a palma
A 68ª edição do festival de cinema de Cannes teve duas características marcantes: foi dominada pela presença francesa tanto na competição como nas secções paralelas e deixou bem claro o papel da mulher no cinema de hoje.
O senhor Dheepan e a família foram a Cannes
É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes