Escolha as suas informações

Festival de Cannes 2015 : Cinema para Paris
Cultura 3 min. 30.04.2015

Festival de Cannes 2015 : Cinema para Paris

Este ano, Miguel Gomes vai à Quinzena dos Realizadores, em Cannes, para apresentar o seu novo trabalho "Mil e uma noites"

Festival de Cannes 2015 : Cinema para Paris

Este ano, Miguel Gomes vai à Quinzena dos Realizadores, em Cannes, para apresentar o seu novo trabalho "Mil e uma noites"
Cultura 3 min. 30.04.2015

Festival de Cannes 2015 : Cinema para Paris

Dizia-se em Portugal, a partir dos anos 70, que muitos dos nossos cineastas faziam filmes para mostrar em Paris em vez do nosso país. A expressão foi cunhada para definir, ironicamente, o cinema português que recebia influências da nova vaga francesa e de outras tendências que se seguiram.

Dizia-se em Portugal, a partir dos anos 70, que muitos dos nossos cineastas faziam filmes para mostrar em Paris em vez do nosso país. A expressão foi cunhada para definir, ironicamente, o cinema português que recebia influências da nova vaga francesa e de outras tendências que se seguiram.

O cinema português era acusado – depois de ter sido popular e orientado para o público – de produzir filmes que tinham por objectivo agradar aos festivais.

Portugal produziu muitos filmes de sucesso e o cinema luso continuaria a ter presença mais marcante nos festivais do que no mercado se não fossem as televisões. Tanto a RTP como os canais privados apostaram, a partir da década de 90, na produção ou no apoio a projectos de cinema destinado a um grande público e, obviamente, ao pequeno ecrã. 

Nos festivais, Manoel de Oliveira foi o primeiro a conhecer o êxito internacional, seguindo-se outros nomes como João César Monteiro, Teresa Villaverde, Pedro Costa e mais recentemente Miguel Gomes. 

Este último tornou-se um ’habitué’ de Cannes e um favorito em Berlim com ’Meu querido mês de Agosto’ e ’Tabu’. Este ano, Gomes vai até à Quinzena dos Realizadores, em Cannes, para apresentar o seu novo trabalho ’Mil e uma noites’.

Miguel Gomes, apesar de ser um novo cineasta, já tem lugar cativo nos festivais, sendo sobretudo um dos meninos queridos de Cannes. 

Todos os festivais têm os seus favoritos e Cannes é talvez o certame mais fiel aos seus cineastas. A selecção de 2015 confirma essa tendência com um ramalhete de autores que passam pela ’Croisette’ sempre que fazem um filme ou que, inclusivamente, lançaram a sua carreira graças a uma presença em Cannes. 

Talvez não seja exacto que alguns dos realizadores e produtores tenham apenas em mente a presença nos festivais quando lançam um projecto, mas é natural que essa tendência se acentue, já que os grandes festivais são uma excelente forma de promoção de um filme, ultrapassada apenas pelos Óscares. Assim, dizer hoje que se faz cinema para Paris pode ser uma boa maneira de também criar películas para serem vistas em Lisboa. 

Este festival de Cannes vai ter Joel e Ethan Coen como presidentes do júri. Sienna Miller, Jake Gyllenhaal, Sophie Marceau e Rossy de Palma são os actores que participarão no júri, que conta ainda com dois realizadores, Xavier Dolan e Guillermo del Toro, e um compositor, o maliano Rokia Traoré.

Veja aqui a selecção oficial do 68° festival de cinema de Cannes:

– “La Tête Haute”, de Emmanuelle Bercot (Fora de competição e filme de abertura)

– “Dheepan”, de Jacques Audiard

– “La Loi du Marché”, de Stéphane Brizé

– “Marguerite et Julien”, de Valérie Donzelli

– “The Tale of Tales”, de Matteo Garrone

– “Carol”, de Todd Haynes

– “The Assassin”, de Hou Hsiao-Hsien

– “Mountains May Depart”, de Jia Zhang-ke

– “Umimachi Diary”, de Hirokazu Kore-Eda

– “Macbeth”, de Justin Kurzel

– ”The Lobster”, de Yorgos Lanthimos

– “Mon Roi”, de Maïwenn

– “Mia Madre”, de Nanni Moretti

– “Son of Saul”, de László Nemes

– “Youth”, de Paolo Sorrentino

– “Louder than Bombs”, de Joachim Trier

– “The Sea of Trees”, de Gus Van Sant

– “Sicario”, de Dennis Villeneuve

– “Chronic”, de Michel Franco

– “Valley of Love”, de Guillaume Nicloux

– “Irrational Man”, de Woody Allen (fora de competição)

– “Divertida Mente”, de Pete Docter e Ronaldo Del Carmen (fora de competição)

– “Mad Max: Estrada da Fúria”, de George Miller (fora de competição)

– “O Pequeno Príncipe”, de Mark Osborne (fora de competição)

  Raul Reis


Notícias relacionadas

Luxembourg City Film Festival: Entre aborrecimento e poder
Por favor não entendam mal este título: o Luxembourg City Film Festival – LuxFilmFest para os amigos – não é uma experiência aborrecida. O aborrecimento não é a característica que define os filmes do festival, mas é uma das maleitas de que sofrem muitas das personagens das obras que estão em competição.
“Sweet Country”, do australiano Warwick Thornton, é um dos filmes em competição no LuxFilmFest.
Lux Film Fest: O cinema chegou à cidade
O Luxembourg City Film Festival – conhecido também pelo seu diminutivo Lux Film Fest – começa oficialmente esta quinta-feira, 2 de março, e encerra no dia 12 com a entrega dos prémios ao filmes em competição.
Um dos filmes portugueses presentes no Festival de Cinema da Cidade do
Luxemburgo é “Porto”, do realizador Gabe Klinger.
Cannes 2016: O cinema não é como o azeite
Dizem os “habitués” do festival de Cannes que nos anos em que a selecção oficial é fraca, o palmarés é bom. E que, caso a selecção seja de elevada qualidade, o júri tem tendência a fazer as piores escolhas.
“I, Daniel Blake”, de Ken Loach, venceu a palma
Cannes 2015 : O império português contra-ataca
É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes