Escolha as suas informações

Exposição 'Portugal e Luxemburgo-Países de esperança em tempos difíceis' com visitas em português até 13 de setembro
Cultura 19.08.2020

Exposição 'Portugal e Luxemburgo-Países de esperança em tempos difíceis' com visitas em português até 13 de setembro

Exposição 'Portugal e Luxemburgo-Países de esperança em tempos difíceis' com visitas em português até 13 de setembro

Foto: DR
Cultura 19.08.2020

Exposição 'Portugal e Luxemburgo-Países de esperança em tempos difíceis' com visitas em português até 13 de setembro

Estas visitas guiadas de grupo têm um máximo de 10 pessoas, incluindo o guia, e estão sujeitas às medidas sanitárias em vigor.

As visitas em português à exposição 'Portugal e Luxemburgo-Países de esperança em tempos difíceis', patente na Abadia de Neimënster, desde fevereiro, e interrompida pelo confinamento, prosseguem até dia 13 de setembro.

Estas visitas guiadas de grupo, conduzidas pela MemoShoah e por Mily Tasch-Fernandes, têm um máximo de 10 pessoas, incluindo o/a guia, e estão sujeitas às medidas sanitárias em vigor, incluindo-se o uso obrigatório de máscara e marcação previa por telefone (621 178 445).

A exposição 'Portugal e Luxemburgo – Países de Esperança em Tempos Difíceis’ mostra como milhares de pessoas procuraram estes destinos para fugir a guerras, perseguições e pobreza: primeiro do Grão-Ducado, refém da ocupação nazi, depois, em sentido inverso, a partir de Portugal, para escapar à fome e à guerra colonial.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Reportagem: O português que fugiu à guerra e foi condecorado por um general
Os portugueses que recusaram combater na guerra colonial ainda sofrem o estigma associado à deserção. O livro “Exílios” reúne vinte testemunhos de desertores e exilados políticos e vai ser apresentado no domingo em Dudelange. Uma das histórias é a de António Paiva, que chegou ao Luxemburgo em 1971, depois de trocar as armas pela luta política.
António Paiva lamenta que os desertores da guerra colonial continuem a ser chamados por muita gente em Portugal de "traidores"