Escolha as suas informações

Edição deste ano do Festival de Cannes foi cancelada
Cultura 2 min. 11.05.2020 Do nosso arquivo online

Edição deste ano do Festival de Cannes foi cancelada

Edição deste ano do Festival de Cannes foi cancelada

Foto: Sebastien Nogier/EPA/dpa
Cultura 2 min. 11.05.2020 Do nosso arquivo online

Edição deste ano do Festival de Cannes foi cancelada

O diretor do Festival de Cinema de Cannes, Thierry Fremaux, afirmou esta segunda-feira que o evento não se realizará este ano devido à pandemia de covid-19.

A 73ª edição do Festival de Cannes deveria abrir as suas portas esta semana na cidade costeira francesa, mas as medidas impostas pelo Governo francês para conter a propagação do novo coronavírus forçaram o adiamento da edição e a contemplar novas opções.

Numa entrevista ao semanário L’Obs, Frémaux explicou que a direção do festival irá publicar uma lista dos filmes que seriam levados a concurso, se este ocorresse, incluindo filmes que serão lançados na primavera de 2021.

“Provavelmente, a seleção não será feita no formato usual que todos conhecemos na competição. Seria ridículo agirmos como se nada tivesse acontecido, mas queremos promover os filmes que vimos e adoramos”, explicou o diretor do Festival de Cinema de Cannes.

Depois de publicar a lista dos filmes a concurso, em junho, a sua intenção é organizar “eventos nos cinemas”, mas não haverá edição digital da amostra, nem ele pretende deixar os filmes deste ano para a edição de 2021. “Vamos concentrar-nos em filmes que devem ser lançados nos cinemas e precisam do nosso apoio", anunciou. 

A equipa do festival assistiu a um total de 1.500 filmes, praticamente o mesmo dos anos anteriores, embora desta vez o debate em torno destes tenha sido virtual. Frémaux também apontou que será “impossível” reunir um júri este ano ou dar prémios, tendo sido proposto ao realizador americano Spike Lee, que presidiria ao júri nesta edição, assumir o papel no próximo ano. “Spike Lee disse-nos que ficaria, não importa o que acontecesse”, disse Frémaux.

Quanto à possibilidade de colaborar no outono em outros festivais, como Veneza, Toronto, San Sebastián ou Zurique, Frémaux explicou que muitos concursos o convidaram. “Vamos a Toronto, Deauville, Angouleme, San Sebastian, Nova York, Coreia e ao festival Lumière, em Lyon, que acolherá inúmeros filmes”.

O Festival de Cannes só tinha sido cancelado uma vez, devido à Segunda Guerra Mundial, e parou uma vez, em Maio de 68. “Quem poderia prever que tantos países em todo o mundo seriam apanhados pela epidemia?”

O diretor do festival afirmou ainda que se sente “melancolia” e “nostalgia”. “Há 35 anos que vou ao festival. É o meu trabalho, mas para além disso é também um evento de convívio, humano, artístico e gastronómico fantástico, não só para mim, mas para todos os que vão. Todos os anos, vivemos uma experiência extraordinária. A nível profissional, estou perante uma situação sem precedentes, mas com serenidade. No festival, decidimos encarar esta situação difícil, que a todos atinge, como uma oportunidade para pensar no futuro”, explicou Frémaux.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Julia Ducournau é a segunda mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes depois de Jane Campion, galardoada pelo filme “The Piano”, em 1993, e ex aequo com o chinês Chen Kaige por “Adieu ma concubine”.
Os títulos da seleção oficial da 71ª edição do Festival Internacional de Cinema de Cannes foram revelados na semana passada durante a conferência de imprensa conduzida pelo diretor artístico do certame, Thierry Frémaux, e Pierre Lescure, presidente do festival.
f